DISSIDENTE-X

HOSPITAL AMADORA SINTRA . GABINETE DO UTENTE DO MINISTÉRIO DA SAÚDE – 3

leave a comment »

No dia a seguir ao dia 13 de Novembro 2007, ou seja, dia 14 de Novembro de 2007, enviei nova mensagem ao Gabinete do utente do ministério da saúde, reclamando de novo, pelo comportamento do Hospital Amadora Sintra, no dia anterior e no próprio dia 14 de Novembro de 2007. O gabinete de utente do ministério da saúde está vigilante. É pena é não actuar em tempo útil. Mas isso é uma outra conversa.

O primeiro post sobre este assunto encontra-se aqui

O segundo post sobre este assunto encontra-se aqui

——————————————————————————————-

Ao cuidado de Isabel Teodoro.

Assunto: reclamação acerca do comportamento do Hospital Amadora Sintra.

Explicação.

1

Conforme mensagem datada de dia 13 de Novembro, enviada para a ARSLVT acerca do comportamento do hospital amadora Sintra e recebida por “Isabel Teodoro” venho, mais uma vez, reiterar, confirmar e acrescentar novos factos ao comportamento do referido hospital.

2

Na primeira mensagem para a ARSLVT, expliquei que a minha avó de:

88 anos;

que aparentava ter tido um AVC;

tinha sido internada no Hospital Amadora Sintra, após transporte feito pelo INEM, no dia 12 de Novembro por volta das 16 horas;

e que não tinha sido prestada qualquer explicação por parte do referido hospital acerca do assunto, durante todos os dias, respectivamente; dia 12 Novembro – segunda feira à partir da parte da tarde e terça feira, dia 13 Novembro, até às 19 horas da tarde.

3

Posso acrescentar que a minha avó já teve alta

Posso acrescentar que não foi prestada qualquer explicação sobre os motivos da alta.

Posso acrescentar que não foi prestada qualquer explicação durante o período que ela esteve no hospital Amadora Sintra.

4

A minha mensagem para a ARSLVT foi feita dia 13 de Novembro durante a parte da tarde

a essa mensagem correspondeu vossa resposta referindo que tinham remetido o assunto para o referido hospital

5

A ideia que dá é que a vossa mensagem fez o hospital imediatamente dar alta à minha avó.

Verifico posteriormente, que, ao chegar às 19 horas do dia 13 de Novembro ao Hospital Amadora Sintra com a minha mãe para saber noticias.

Para saber se os supostos responsáveis do pseudo hospital amadora Sintra se dignavam a descer do pedestal olímpico onde habitam;

Para que os olímpicos responsáveis pudessem ter a amabilidade, a gentileza e a cortesia de prestar informações acerca do Estado da minha avó;isto é;

se estava viva;

se estava morta,

se a tinham perdido dentro do hospital e não sabiam dela;

se teria até, eventualmente, sido raptada por extraterrestres;

6

Verifico que – para minha enorme surpresa – que foi dito à minha mãe que a podia levar para casa;

dado que a doente – a minha avó – tinha tido alta clínica.

Perguntaram à minha mãe se ela trazia a roupa da doente para ser levada para fora dali.

7

Gostaria de partilhar com o Gabinete do Utente da ARSLVT os meus mais profundos agradecimentos pelo facto de o referido hospital confiar nos poderes inexistentes de telepatia e ubiquidade que atribuiu como capacidades inatas à minha mãe, mas estou em condições de assegurar ao Gabinete do utente da ARSLVT, que tais poderes são falsos, inexistentes, não cognoscíveis.

Como são poderes falsos, inexistentes, não cognoscíveis seria impossível que a minha mãe soubesse às19 horas de dia 13 de novembro de 2007 que a minha avó teria tido alta, dado que, do referido hospital se esqueceram de mencionar alguma vez esse facto.

8

Esse facto ou qualquer outro facto ou qualquer outra informação.

Esqueceram-se de mencionar fosse o que fosse.

A competência da gestão privada de hospitais é realmente diferente

Acaso tivesse sido decidido não ir às 19 horas do dia 13 de Novembro ao Hospital amadora Sintra, como seria o assunto resolvido pelo hospital?

9

Volto a acrescentar ainda, o facto de a minha mãe, nos diversos contactos que teve com o hospital, nunca ter tido oportunidade de falar com alguém, isto é, um médico.

por exemplo

que lhe explicasse o que é que EXACTAMENTE sucedeu com a minha avó.

Só era preciso um

10

Suponho que o gabinete do utente da ARSLVT ainda concordará com a visão do mundo segundo a qual, em hospitais, é possível e desejável encontrar médicos.

11

Não existiu médico a explicar o que ela teve.

Não existiram recomendações de comportamentos a adoptar,

sugestões,

indicações sobre alimentação,

cuidados a ter,

e outros pormenores do mesmo género acerca do estado da doente.

12

Apenas se deu alta.

Não informando os familiares que se dava alta deixando estes com cara de parvos no posto de atendimento do hospital quando souberam que a doente da qual não tinham tido notícias durante um dia e meio afinal…… tinha tido alta.

Tendo depois de regressar de novo a casa para ir buscar roupa, para vestir a minha avó, e cobertores para a aquecer durante a viagem.

13

Apenas um pedaço de carne que ficou para ali à espera que alguém,

eventualmente

a fosse buscar.

Talvez.

14

Como tal queria felicitar o gabinete do utente da ARSLVT pelo facto de continuar a caucionar e a aprovar positivamente mantendo em vigor e não censurando estes comportamentos do referido hospital.

Atesta a qualidade.

15

O hospital Amadora Sintra teve, contudo, uma grave falha segundo o modelo de desorganização e caos anárquico estúpido que os orienta nas suas acções.

Enganaram-se e fizeram uma carta para enviar ao médico de família e mais ainda, preencheram umas prescrições médicas de novos medicamentos.

A ser entregue pelos familiares ao médico de família

Paralelamente a esta grave falha na ética da desordem e do manicómio em auto gestão que é o hospital Amadora Sintra, anulou-se a antiga medicação prescrita pela médica de família e passou a vigorar a nova ordem medicamentar emanada do hospital amadora Sintra.

16

Mais esclarecimentos? Não há

Vão-se lixar, ò familiares da octogenária

Desamparem a loja

Que é lá isso de quererem que vos explique o que é que a octogenária pode ou não pode comer doravante

17

A médica de família, contactada, hoje, de manhã, dia 14 de Novembro

obviamente,

não tem horário livre para consultas e mandou

mas que mais poderia fazer

que se mantivesse a medicação emanada do hospital pedestal olímpico

18

Portanto agora estamos no reino da adivinhação e da teorização especulativa

Deveremos dar à minha avó esta comida ou aquela?

Não dar os outros comprimidos ou dar?

Quando fazer isto ou quando não fazer?

E se a situação se alterar?

19

Parabéns.

Queria felicitar o Gabinete do utente da ARSLVT.

Tutelar um hospital como este é um orgasmo

Sem outro assunto de momento, subscrevo-me atenciosamente

Pedro xxxxxxx xxxxxxxxx  Silva

Anúncios

Written by dissidentex

18/11/2007 às 19:44

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: