DISSIDENTE-X

HOSPITAL AMADORA SINTRA . GABINETE DO UTENTE DO MINISTÉRIO DA SAÚDE – 5

leave a comment »

amadora sintra1


Resposta do gabinete do utente às reclamações por mim efectuadas em relação ao que se passou com a minha avó.

O ponto 2 que se vê em cima está relacionado com um outro assunto.

Ainda não entrou aqui o conceito que por lei, o doente ou o utente dos hospitais pode e tem direito a pedir um relatório médico, sobre actos médicos sobre si ou sobre terceiros praticados. Não é a “médica de família”.

No meu caso particular fui eu que os pedi, mas como a lei que temos em Portugal para proteger uma classe profissional  diz que se tem que pedir um relatório médico e indicar um médico para ser o receptor do mesmo, como é óbvio, foi o que eu fiz.

Aqui misturado com o assunto da minha avó vem este assunto.

amadora sintra2


Depois começam as constantes deturpações e o contar de uma fábula que nunca aconteceu.

Esta “história” descrita acima durou desde as 4 Horas da tarde até à meia noite e meia.

Ou seja 8 horas e meia para produzir o que vem aqui em cima escrito.

A expressão “informações prestadas à filha” traduzem-se ao que eu percebi numa conversa de 30 segundos a 1 minuto – sem dúvidas um tempo excelente para dizer toda esta suposta fantasia aqui descrita.

De facto fizeram todos estes exames, no entanto só à meia noite é que a minha mãe soube que a minha avó ficaria internada.

amadora sintra3


Aqui na terceira imagem temos as inverdades.

Desde logo fala-se em familiares contactados. Ninguém, mas absolutamente ninguém contactou com familiar nenhum para ir buscar a doente. Pura e simplesmente eu e a minha mãe fomos ao meio dia de 13 ao hospital e não existiam informações, dizendo para voltarmos ás 7 horas da tarde.

Às 19 horas da tarde fico eu e a minha mãe ainda mais com cara de parvos, ao ser-lhe dito a ela que “veio buscar o doente”; já teve alta” trouxe a roupa?”

amafora-sintraextra.jpg


Depois temos o paternalismo e a condescendência a gozar. Os “familiares” devem pedir informações ao médico assistente. Só existe um problema.

O médico assistente não estava em posição de ser encontrado pelos familiares.

Se não se sabe onde está o médico assistente, para o encontrar, logo como qualquer pessoa consegue entender, os familiares não o conseguirão encontrar e como tal não vão deixar nos corredores do Hospital uma pessoa de 88 anos que acabou de ter um AVC, e deixa-la assim, indo em busca do médico assistente.

Também aproveitam para nos informar que existe um balcão de serviços informativos.

De facto existe, conjuntamente com mais 70 pessoas à espera tudo agrupado num espaço exíguo, na maior confusão que se pode organizar, para obterem informações e curiosamente foi este balcão informativo que informou que a minha avó tinha alta.

amadora sintra4
Advertisements

Written by dissidentex

22/11/2007 às 22:33

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: