DISSIDENTE-X

Archive for Janeiro 2008

IDEIAS NÃO SANGRAM, SENTEM DOR OU AMAM

leave a comment »

“Lembre-se do dia 5 de Novembro”

“A Conspiração da Pólvora e da traição”

“Não conheço razão para que a Conspiração da Pólvora e da Traição jamais seja esquecida”

“Mas… e o homem?”

“Sei que se chamava Guy Fawkes”

“E sei que em 1605, ele tentou explodir as Casas Do Parlamento”

“Mas quem era ele, na realidade?”

“Como era?”

“Lembramo-nos totalmente da ideia, mas não do homem”

“Pois um homem pode fracassar”

“Podem capturá-lo, matá-lo e fazê-lo ser esquecido”

“Mas 400 anos depois, uma ideia ainda pode mudar o mundo”

“Presenciei em primeira mão poder das ideias”

“Vi pessoas serem mortas em seu nome… “

“e morrerem defendendo-as.”

” Uma ideia não pode ser beijada, tocada ou abraçada”

“Ideias não sangram,”

“sentem dor,”

“ou amam”

“Não sinto falta da ideia; mas sim do homem”

“O homem que faz-me lembrar do dia 5 de Novembro”

“Um homem que nunca esquecerei”

Excerto retirado do filme V for Vendetta de 2005, minuto 2, narração inicial pela protagonista “Evey hammond” (Actriz Natalie Portman).

Guy Fawkes foi um soldado inglês católico que pretendeu, em 1605, fazer explodir o parlamento inglês em protesto contra a inexistência de direitos iguais para católicos e protestantes e pelas promessas não cumpridas por parte do Rei. A conjura aconteceu em 1605 e foi abortada no dia 5 de Novembro de 1605. Texto alusivo ao personagem do filme; “V” que num futuro totalitário lidera uma conjura constituida por si próprio, para depor um Estado Totalitário numa Inglaterra do futuro.

Não significa este post apoio ao catolicismo como religião organizada.

Relacionado com isto AQUI

Relacionado com isto AQUI

Anúncios

Written by dissidentex

31/01/2008 at 11:31

ENERGIA SOLAR, EM ESPANHA ( E PORTUGAL )

leave a comment »

Uma companhia espanhola, que derivou do PARK – Palo Alto Research Center, uma unidade de investigação e desenvolvimento da Rank Xerox, está a instalar no Sul de Espanha uma nova central de energia solar de 3 Megawatts. E depois?

E depois, que a companhia espanhola, a SOLFOCUS, defende que utiliza uma nova técnica de construção de painéis. Que utiliza muito menos sílica que os painéis normais até agora produzidos e que, por via disso ajusta melhor a capacidade de receber os raios e, consequentemente, produzir mais energia.

 

SOLFOCUS -PAINÉIS

 

Precisamente pelo uso dessa “técnica” a companhia alega que consegue produzir com mais eficiência em menor custo. Um custo de 50 cêntimos o watt, em vez dos normais 3 dólares o watt – o que um painel solar normal fará e terá de custo.

Seja tal verdade ou não, a realidade é que em Espanha existem empresas (e presumivelmente, o Estado por detrás…) a mexerem-se na produção própria de painéis – energia solar, já a um nível de investigação/produção elevado, e a investirem como objectivo estratégico em investigação e desenvolvimento.

 

SOLFOCUS -PAINÉIS2

(Nota: repare-se no pormenor delicioso e irónico de na página da Solfocus, o português como língua estar ausente, e o Inglês aparecer debaixo da bandeira americana… revelador)

Em Portugal somos muito mais avançados. Temos projectos turísticos megalómanos sistematizados pelo Governo (não importa qual), com anúncios bombásticos. Objectivo: transformar os portugueses em empregados de mesa e fornecedores de serviços de baixo custo e pouca incorporação de valor, seja em que escala seja medido. Para tal lançam-se investimentos:

…investimento é de mil milhões de euros e cria dois mil postos de trabalho. O primeiro-ministro José Sócrates participa este sábado na apresentação de 11 novos projectos turísticos de «excelência» para vários concelhos da região do Alqueva.
O Parque Alqueva, um empreendimento de grandes dimensões projectado para as margens de Alqueva e classificado como de Potencial Interesse Nacional (PIN), é um desses investimentos, diz a «Lusa».
O projecto, liderado pelo empresário José Roquette, através da Sociedade Alentejana de Investimentos e Participações (SAIP), prevê um investimento de mil milhões de euros e a criação de dois mil postos de trabalho e é considerado um dos maiores investimentos turísticos a realizar no Alentejo na próxima década.
Outro dos projectos a apresentar no sábado é o da Herdade do Barrocal, igualmente em Reguengos de Monsaraz e na zona de Alqueva, também classificado como PIN, que
envolve um investimento de 90 milhões de euros.”
Diferentes visões da coisa. ( Já agora, o que será um projecto turístico de excelência? )
  • Num lado investiga-se numa tecnologia de ponta para criar mercados.
  • No outro lançam-se empregos desqualificados sobre uma população em dificuldade.
  • Misturados com empreendimentos turísticos que, supostamente, irão gerar desenvolvimento económico massivo.

A população destas áreas nem percebe a rocha na cabeça que lhes vai acertar.

De inicio e como entrada levarão com especulação imobiliária. Seguido de aumento generalizado de preços, isto é, inflação. Depois sazonalidade de preços e fim d e tranquilidade.

Pelo meio perceberão que o prometido desenvolvimento chegará, mas não será para eles.

No fim quando fizerem as contas, perceberão( alguns) que ficaram mais pobres, mais excluidos.

Razão para tal: porque vêem a riqueza ao lado de casa, mas não a sentem no bolso, e os empregos que foram gerados são de baixa ou média qualificação – nada em industrias de ponta (ou sequer em indústrias do que seja…) ou que gere desenvolvimento de novos mercados.

São apenas condenados a pagar um custo de vida de cidade litoral, mas vivendo no interior.

É uma excelente opção estratégica e política, para criar cidadãos submissos.

Mas não há problema. Ninguém se incomoda com isto. A cidadania submissa é um conceito esotérico. Até um dia…

Written by dissidentex

31/01/2008 at 9:32

A DENÚNCIA, nova indústria em desenvolvimento

leave a comment »

Portugal está, alegremente, a tornar-se uma América em ponto pequenino.

  • Com ênfase, no ponto pequenino.
A mesquinhice legalista, misturada com a má vizinhança, mau carácter das pessoas, a maneira de estar fechado na sua casinha, protegido, mentalidade de casulo, espírito de denúncia e de delação em todo o seu esplendor começam-se a manifestar.
  • Ao que parece, na minha rua, existem pombos.
Habitantes recentes que escolheram a área para praticarem voo picado ao solo com o objectivo de atingirem com eficácia o solo e os humanos.
E o exército dos pombos ( quer dizer, é mais um pelotão…) até treinam com alguma regularidade as suas manobras de voo rasante.
  • Também existe uma gata de um ano de idade que se esconde debaixo dos carros e fez da rua; a sua rua, o seu território.
Uns vizinhos, alguns vizinhos, de vez em quando lá dão de comer aos pombos e uns do meu prédio até alimentam a gata dando-lhe umas coisas para comer. (Santola estufada com foie gras aux champignons é o mais frequente…mas também casco de boi grelhado com doce de compota de orelha de porco)
  • Tudo isto é um crime horrível.

Numa sociedade que se quer asséptica, pragmática, asseada, eficiente, desprovida de pensamento abstracto – como a sociedade americana. E então essa brilhante invenção burocrática do Guterrismo chamada “Polícia municipal” – um estouro de dinheiro, de duplicação de recursos, de inutilidade apenas destinada a encharcar a burocracia portuguesa de mais burocracia levantou a sua feia cabeça castanha.

É após denúncia de vizinhos preocupados, pragmáticos, asseados, a polícia municipal manifestou-se. A denúncia às autoridades é um fenómeno próprio de Portugal, com raízes históricas derivadas de termos tido uma ditadura e ter existido uma coisa chamada PIDE.

Mas é também um símbolo das sociedades estilo norte americano, cheias de legalismo e ameaças de processos por tudo e por nada. Um sociedade litigante por natureza.

Em Portugal, imbuídos da tradição, mas, é ao mesmo tempo, querendo alcançar a modernidade ( apesar de sermos pobres e tesos comparativamente aos yankees)) numa feliz simetria, temos a polícia municipal. Esta chegou ao andar do meu vizinho, o Sr M., para o ir chatear porque tinha existido uma denúncia de que o Sr M. e a esposa – os malandros criminosos – alimentavam uma gata de um ano, e – horror dos horrores – ainda por cima, davam comida aos pombos.

Sacrilégio!

Uma actividade que apenas pode ser classificada de “terrorismo”e pela qual aconselho já as autoridades competentes a gravarem os emails e telefones do Sr M., da esposa, dos pombos, da gata e do resto que se mexa (mosquitos, aranhas, ácaros, etc) porque isto é o prenuncio de um ataque da al kaida. (por acaso a gata de um ano tem uns laivos de bigodes algo suspeitos…agora que penso no assunto…).
POMBOS EM AULAS TEÓRICAS

Também temos que ver que é necessário impedir que o pombo arrulhe à pomba no meio da rua e arraste a asa, numa demonstração de sexualidade barbara zoofila entre pombos e as nossas crianças e os nossos idosos vejam essa coisa horrível – o sexo deve ser asséptico….e pragmático…

Portanto isto agora é assim. Denuncia-se.

As autoridades pactuam com isto alegremente.

Quem denuncia, não será responsabilizado caso faça uma denúncia falsa. ( ou verdadeira) É o que concluo desta lógica.

Vamos criar uma nova industria. Uma nova rede social. A denúncia……

↔↔↔↔↔

Pensava eu, na minha santa ingenuidade, que isto era um caso isolado, quando ontem falei com um meu amigo que está a tirar um curso numa faculdade. É um tipo mais velho que a generalidade dos colegas dele.

E ontem ele estava algo escandalizado. Porque assistiu a uma cena que nunca julgou ver, tal o descabido da coisa lhe parecia, sequer como hipótese.

Estava lá imerso em qualquer estudo ou pensamento ou conversa quando uma colega dele que tem uns 20/21 anos lhe veio perguntar como é que se poderia contactar a ASAE.

Ele ficou a olhar pasmado para a rapariguinha em questão, e disse ou ele ou a outra pessoa que lá estava também, que – “bom , suponho que eles tem uma página na Internet e terão lá endereços, não?”

” – Mas, porque é que tu queres contactar a ASAE?”

Resposta da rapariguinha: ” – porque existe uma taberna ao lado do sitio onde vivo, e não gosto dela, e aquilo deveria ser fechado e com a ASAE aquilo é fechado … etc e tal”.

Este critério para fechar coisas e censurar pessoas que dão comida aos pombos é científico.

Portanto, agora temos a mentalidade totalitária por aí. Não gosto de uma coisa, vou denunciar à ASAE.

Que o egoísmo individual, o hedonismo, a falta de cabeça perdure. No dia em que alguém denunciar esta rapariguinha porque não gosta dela e a ASAE a vá fechar, que será que ela dirá?

Isto – esta mentalidade suportada legalmente – são pequenos indícios de um Estado totalitário a enraizar-se.

Regressemos aos EUA. Existem nesse magnifico país; as associações de vigilância dos cidadãos de um bairro. Que imediatamente avisam a polícia quando alguém que lhes parece ser um elemento nocivo e se apresenta nas redondezas.

Em Portugal somos mais modestos. Somos também diferentes e originais. Pagamos impostos altíssimos para que um tipo vestido com a farda castanha da policia municipal gaste combustível deslocando-se de carro de rua em rua, de praceta em praceta, para imobilizar pela força – caso seja preciso – pessoas que dão comida a gatos e pombos e outro tipo de crimes aos quais se deve dar prioridade imediata.

E temos a ASAE que dá abrigo a pessoas que não gostam de estabelecimentos comerciais ao pé do sitio onde vivem e denunciam isso.

Esta República tem que sair de cena e ser substituida por outra que seja democrática, livre e que não permita a denuncia apenas porque …. não se gosta.

Written by dissidentex

25/01/2008 at 13:35

KABUL, Atentado terrorista.

leave a comment »

Em Portugal o Jornalismo é de qualidade. Frase irónica.

Como é um jornalismo de qualidade fomos informados, nas últimas 3 semanas que, controladores aéreos portugueses tinham descoberto uma tentativa de atentado contra a torre Eiffel. Cita-se, parcialmente, o sempre vigilante DN do dia 12-01-2008:

” Controladores aéreos portugueses a trabalhar na ilha açoriana de Santa Maria interceptaram “comunicações terrestres” onde se falava num “presumível ataque terrorista” contra a Torre Eiffel, em Paris.

Fonte governamental disse ontem ao DN que a informação foi detectada na madrugada de quinta-feira e deverá ter tido origem em radio amadores. “Não foram comunicações aéreas”, assegurou, a estar na origem do alerta enviado às autoridades francesas e noticiado ontem pelo jornal Le Monde. A informação, ouvida em inglês e francês, foi transmitida ao Instituto Nacional de Aviação Civil, que a reencaminhou para a Polícia Judiciária. Foi a PJ, acrescentou a fonte, a contactar com as autoridades francesas.

O teor da intercepção, apesar de ser “vago e confuso”, alarmou a polícia francesa, que se mantém há meses no nível de alerta mais elevado, o vermelho.

Fomos também informados que dois terroristas paquistaneses iriam praticar atentados à tonelada em Portugal. Cita-se o omnisciente Jornal Público de 20-01-2008.

JORNAL PÚBLICO DE 20-01-2008

Também no dia 23 de Janeiro de 2008, o sempre presente e vigilante Diário de noticias afirmava que

” … À parte estes números, irrelevantes, os relatórios estão forrados de múltiplas e variadas referências à prioridade que Portugal dá ao combate no combate ao terrorismo, e também a União Europeia, tanto por via do 11 de Setembro como dos atentados de Madrid (11 de Março de 2004) e de Londres (16 de Julho de 2005). Não há números oficiais em relação à conclusão destes inquéritos.

Mas, não é tão irrelevante a acção da PSP e da GNR relativamente ao número de alertas de bomba. A média é elevadíssima: ambas as forças de segurança responderam, em 2006, a cerca de 1400 suspeitas, ou seja, quatro por dia. Quase todos falsas.

No meio de todos estes alarmes, a PSP detonou três engenhos reais. Um dos casos era o marido que ameaçava matar a esposa tendo-lhe colocado uma bomba lá em casa. A carga explosiva não daria para furar uma parede. Ao que o DN apurou, os outros dois casos foram semelhantes. No total, em 2006, esta força de segurança realizou 1212 buscas, sendo que cerca de metade teve a ver com acções de prevenção relacionadas com visitas diplomáticas a Portugal. A ameaça falsa de bomba ocorreu em 49 escolas.

A GNR efectuou 697 intervenções, tendo percorrido, para o efeito, 87 314 quilómetros. Não há notícia de que tenha detonado um engenho explosivo. Esta força respondeu a 50 alarmes falsos em escolas.| “””

E na capa do Jornal de dia 23 de Janeiro de 2008 dizia-se que:

CAPA DO DIÁRIO DE NOTÍCIAS DE 23 DE JANEIRO DE 2008


No futuro iremos ter muitas notícias de atentados terroristas em Portugal. Verdadeiras, falsas, assim-assim, talvez, indícios, possibilidades, conversas com um amigo que ouviu um vizinho a dizer que um amigo que trabalha na polícia soube de um atentado.

No entanto, apesar desta omnisciência e vigilância, quer dos jornais, quer das rádios, quer das televisões, feitas em Portugal, conseguiu-se não vislumbrar, QUE SE NOTASSE, que no dia 14 de Janeiro, um ataque terrorista em Kabul, Afeganistão, ocorreu.

Afeganistão, aquela terra que tem perto de 200 militares portugueses lá colocados numa força de paz.

Atesta a qualidade do jornalismo português e as permanentes campanhas de desinformação e de instilação do medo falando-se de hipóteses, e sub hipóteses e tri hipóteses de atentados. Mas não se falando do que acontece nos reais atentados e nos sítios verdadeiros onde eles ocorrem propriamente.

↔↔↔↔

No dia 14 de Janeiro de 2008, 4 militantes islâmicos entraram dentro do Hotel Serena em Kabul. É o hotel principal onde as centenas de jornalistas,trabalhadores de organizações humanitárias,professores, pessoal médico, etc.

Um deles fez-se detonar, logo à entrada do Hotel.

Outro, atirou uma granada para dentro da sala que vistoriava as bagagens e o seu conteúdo.

O terceiro, foi atingido a tiro na zona de entradas, o que, ao que parece, fez detonar o colete de bombas suicida que carregava consigo.

O quarto, armado, entrou a disparar para todos os lados, chegando ao Ginásio e à área do SPA – o seu objectivo final. Aí matou a gerente do SPA, uma filipina chamada Zina, e passou ao ginásio onde matou um americano que lá estava. Nos vestiários do Ginásio estava lá o presidente do comité Olímpico Afegão, que foi atacado a tiro, mas conseguiu fugir para a cave.

Neste post AQUI é feita em inglês uma narrativa em primeira mão por uma das pessoas que lá estava no momento do ataque.

Contagem total: 8 mortos.

Mas isto não é um jogo de vídeo.

Written by dissidentex

24/01/2008 at 19:12

ECOLOGIA, ECOSSISTEMA Damaia – Amadora.

leave a comment »

Este post deve ser lido em conjunção com o post Eco sistema de Vallecas

Na magnifica localidade ao redor da Amadora chamada Damaia, a Saint Tropez e Aspen da Amadora – uma terra magnifica, a que não aconselho ir de forma alguma, sem ir equipado de armadura e lança chamas, num suave dia de Agosto do ano de 2007, por lá passava eu … rapidamente e em transito para outro lado.

Quando descubro, vislumbro, e contemplo, emocionado, esta magnifica e resplandecente pérola do autarquismo pós 25 de Abril de 1974, e da construção civil, estilo pato bravo Arquitectura e do Design Moderno e Elegante. Um complexo ecossistema prédio?!mal feito como o raio que o parta a ser construido perto quase em cima de outros ecossistemas prédios com a maior das calmas e financiado pela União Europeia.

E agora que vi o Ecossistema de Vallecas – essa obra menor, por comparação – não posso, em boa consciência, deixar de mencionar o Ecossistema da Damaia – Amadora

Observemos a fotografia numero 1 e fiquemos deliciados com a profundidade estética e arquitectónica da mesma. O estilo estilístico poético gnoseológico que dela emana:

ARQUITECTURADEPONTA1

Peço que reparem que aquela zona do lado direito ao lado do poste de iluminação vai ligar ao prédio que está ali. Brilhante. Revolucionária concepção.

Muito útil para treinar salto a vara entre prédios. Ecológico e desportivo simultaneamente.

O outro prédio que se vê ao centro da imagem ficará com esta nova torre de menagem a ser construida a menos 4 metros de distancia. É um encurtamento da distância com nuances ecológicas e estéticas. Para fomentar a boa vizinhança.

Alguns espíritos invejosos e anti patrióticos poderão, desorientados como estão, argumentar que o hipertiroídismo do tijolo é prejudicial à Pátria. Mas não passam de invejosos despeitados que não conseguem apreciar a beleza do betão todo ele aglomerado como se estivesse dentro de uma cabine telefónica.

ARQUITECTURADEPONTA2

 

Já aqui em cima – na fotografia número 2 – decidi deliciar-vos com uma nova e diferente profundidade estética – a mesma imagem mas fotografada para a esquerda numa deriva ideológica fotográfica.

Aquele edifício caixote quadrado que se vê ao centro da imagem e cinzento – perguntei – é o CINE Dom João V (o Dom João V deve estar satisfeito a dar voltas no túmulo…) e vai ficar com o novo prédio como homenagem quase a ele encostado.

É um tributo póstumo que lhe é feito. O CINE Dom João V está semi abandonado. Porque semi abandonado, melhor podemos contemplar o silencio poético que envolve esta obra. Pertence à magnifica Câmara Municipal da Amadora.

Esta câmara municipal é autora da atribuição do alvará de construção deste Ecossistema Damaia – Amadora. Muito Obrigado por o terem feito.

As influências neo góticas estilo RDA, rupestres, verificam-se numa demonstração de nojo arrojo. A construtora San José edifica esta nova obra para a qual me faltam palavras. Tanto bom gosto e ejaculação do cimento e betume deixam-me com lágrimas de comoção nos olhos.

Como já afirmei é “Estética RDA Pura”. Só mesmo Portugal para chegar à estética RDA quando a RDA como país já não existe há 17 anos. A recuperação da tradição faz-se! Digam o que disserem!

ARQUITECTURADEPONTA3

Na fotografia 3, temos algo completamente diferente. Uma incursão pelos caminhos do breu, mas semeados de arte. E da momentânea falta de lâmpadas ecológicas. Mas por enquanto.

Temos a imagem visionada de um sitio/lado oposto e que nos permite ver o que vai separar o CINE Dom João V e o Ecossistema Damaia -Amadora prédio?! que desabrocha como uma flor. Esta foto é tirada do lado oposto em relação às outras duas numa manifestação de arrojo estético da minha parte. Podemos também observar partes da deslumbrante colecção de Arte Moderna do senhor Joe Berardo nas paredes, numa recente exposição itinerante que por ali passou.

Que não se diga que o esforço de levar a cultura pós moderna ao povo não é feito.

ARQUITECTURADEPONTA4

Já aqui, na fotografia número 4, somos agraciados com a visão espasmódica e escatológica longitudinal ligeiramente torta de, sim, é isso e adivinharam;um «tapume de obras». A segurança deve vir sempre em primeiro lugar. As preocupações com a segurança são apanágio das democracias evoluidas do século 21.

O conceito revolucionário aqui presente neste Ecossistema Damaia -Amadora, é a visão de umas escadas de serviço do prédio que já existe construidas para estarem quase coladas ao prédio Ecossistema que se está a construir. A ecologia aqui manifesta-se pela corrente de ar que a tensão arquitectónica entre ambos faz acontecer. Funcionam, desta forma como “eco-evaporadores – recicladores de O2 em turbilhão incandescente”. Os designers que pensaram nisto estão de parabéns. A ordem do Infante espera por eles no próximo 10 de Junho.

No futuro todos nós experimentaremos à porta de casa no nosso meio da rua prédios Ecossistemas ecológicos como este a serem construidos ao lado dos nossos prédios e habitações. Absolutamente normal neste magnifico país que caminha glorioso em direcção ao futuro.

Porquê? Porque a ecologia arquitectural moderna portuguesa está a tomar conta das ruas, lançando-nos na modernidade. É uma “Movida” mas à portuguesa. O que é absolutamente anormal é existirem ruas a separar prédios e tal construção de design passivo deve ser banida.

ARQUITECTURADEPONTA5

 

Na 5ª fotografia, decidi que não deveria cansar a vista dos meus muitos milhares de leitores com a alegria de contemplarem este Ecológico Ecossistema Damaia -Amadora– ainda poderia alguém ter algum enfarte de miocárdio ou AVC, com tamanha alegria perante o progresso visível, e decidi fotografar num ângulo superior e por outro lado.

Neste Ecossistema Damaia-Amadora, cheio de surpresas, somos mais uma vez, surpreendidos. São surpresas dentro de surpresas. Consegue-se perceber – do lado direito – que existe uma parte branca e cor de rosa cheia de fuligem neo gótica. É o jogo de cores ecológico e ambiental lembrando os bons amaciadores de roupa para a deixarem felpuda e suave.

Por detrás temos a nova «WTT». A ” World Trade Tower” desta abençoada aldeia Megalópole de 30 mil habitantes pertencente ao Concelho da Amadora. Que agora foi designada para ter aqui um Ecossistema Ecológico. Bem hajam, planeadores urbanísticos.

Mas também há um espaço Art Deco, no meio. Um guindaste de obras – à época em que a fotografia foi por mim tirada, apenas e só ali colocado, para representar a dimensão fálica desta construção.

Isto carece de explicação.

As pessoas, criaturas simples e ignorantes, olham e vêem um guindaste. Mas na realidade isto é uma técnica subliminar. Através desta técnica subliminar – mostrando o guindaste erecto no ar – a Câmara da Amadora está, na realidade, a incentivar à natalidade dos Amadorenses – ou seja a incentivar mentalmente e psicologicamente os Damaienses e os Amadorenses a procriarem e a contribuirem para reduzir os problemas de natalidade do nosso país. Tudo em “São Ambiente Ecológico”.

ARQUITECTURADEPONTA6

Já na 6ª fotografia os simpáticos milhares de visitantes deste blog são convidados a ver o caminho oposto que leva para as escadas descritas na fotografia 3.

É o tal caminho que vai levar às escadas com as paredes cheias de exemplares da colecção de arte moderna do Joe Berardo. A escuridão parece dar um ar desolado ao lugar, mas não. É apenas para nos criar uma sensação de descida aos Infernos dantescos, mas com o intuito de nos decepcionar positivamente, à posteriori. Tal é assim feito, para criar no visitante a sensação que está a entrar num pardieiro idiota mundo mágico, um mundo brilhante negro, estranho e envolvente – o mundo do Ecotrampa Ecossistema da Damaia – Amadora.

Observamos apesar da distorção da imagem, porque eu, como fotografo, não consegui captar a verdadeira essência sou um asno a fotografar e estava muito sol, em todo o seu esplendor, as figurinhas da Bandeirinha da CE e da Bandeirinha deste grandioso país que dá pelo nome de Portugal.

Bem hajam, amigos europeus e Câmara Municipal da Amadora, por financiarem este tão necessário e ansiado ” Ecossistema Damaia- Amadora”.

Muito Obrigado. Quero beijá-los na boca de felicidade.

Informaram-me que este magnifico Ecossistema Damaia – Amadora aquela coisa cretina que ali está foi começada a construir em Julho de 2007.

Como a obra em questão é arrebatadora e essencial para o futuro deste país, literatura especializada descrevendo o caminho percorrido já saiu para os escaparates.

Recomendando este extraordinário livro cuja capa mostro aqui em baixo:

ECOSSITEMFORDUMMIES

Descreve-se como criar em todo o país semelhantes porcarias Ecossistemas e de como qualquer autarca para ser um corrupto incompetente vencedor, deverá optar por soluções semelhantes a bem da ecologia e do ambiente.

Existe também um capítulo muito importante dedicado ao suborno – saber o que um autarca tem a fazer para evitar que capitalistas e empresários gananciosos patos bravos de merda da construção civil, tentem impedir a construção de obras ecológicas e ambientalmente puras baseadas no desenvolvimento sustentado, como esta é, corrompendo autarcas.

E, por ultimo, mas não só, um capitulo ensinando os autarcas a melhor promoverem o turismo ecológico saudável na sua autarquia tendo como ponto de partida e “Case-Study” o sistema Ecológico de Damaia- Amadora.

Muito obrigado à Câmara Municipal da Amadora por ter autorizado a edificação deste complexo e moderno “Ecossistema Damaia Amadora”.

Distendo-me às arrecuas cheio de felicidade.

Written by dissidentex

24/01/2008 at 7:34

ECOLOGIA, Eco sistema de Vallecas.

leave a comment »

Em Madrid, está-se, nos dias que correm… a construir uma estrutura chamada “Eco Boulevard de Vallecas”. Vallecas é um bairro da cidade de Madrid, bastante conhecido, onde milita a equipa de futebol do Rayo Vallecano (segunda divisão espanhola).

ECOBOULEVARDDEVALLECAS1

A ideia é criar um embrião, um prototipo de projectos arquitectónicos e urbanísticos, baseados na “pesquisa e desenvolvimento” e no design que influi sobre o meio; contrapondo essa ideia ao “design passivo” de edifícios. O design passivo é uma arte muito desenvolvida em Portugal, com a proliferação de caixotes de cimento, quadrados, amontoados uns nos outros que caracterizam o pitoresco deste magnifico sitio a que todos nós nos orgulhamos muito de pertencer.

A ideia deste ecossistema é criar uma área sustentável e sem originar problemas ambientais, não só no que à poluição diz respeito, mas também, à visão do que deverá ser uma estrutura moderna que não fira os olhos quando a olhamos. Uma visita à página da empresa responsável pelo conceito e ao blog revela que o design é rei.

ECOBOULEVARDDEVALLECAS2

A estrutura é completamente auto suficiente, gerando toda a energia necessária para se auto sustentar através de painéis solares.

A estrutura é feita de materiais reciclados.

O projecto resultou de um concurso público criado pela Câmara municipal de Madrid, em 2004. Era pedido aos concorrentes ao mesmo, aos designers, que criassem um local ao ar livre que transformasse o espaço e a visão do mesmo ao redor da nova arquitectura a construir.

O projecto foi feito também, com a ajuda de um programa europeu, chamado “Environment Life” ou “Life program”. E foi a Urban ecosystems que ganhou a competição com este projecto.

Cada uma das torres de construção tem características de “arvores de ar” e visa condicionar o ambiente envolvente. Como são construidas agora, mas as verdadeiras arvores à volta demorarão vários anos a crescer; a própria construção deverá ter ela mesma, vegetação e arvores lá inseridas. Para assim funcionarem como “evaporadores – transpiradores” e baixarem a temperatura, criando espaços mais condicionados e com temperaturas mais baixas 10 graus.

ECOBOULEVARDDEVALLECAS3

  1. Para as poucas pessoas que lerem isto, seria interessante que fizessem a comparação com a Câmara Municipal de Lisboa.
  2. E que façam a comparação, com o discurso ecológico português, quer do actual governo, quer de um qualquer outro governo de outro partido político.
  3. E que olhem para as restantes magnificas cidades portuguesas e respectivos arredores e subúrbios.
  4. E retirem conclusões, acerca da competência e da capacidade da elite portuguesa em, supostamente, gerir este país ecologicamente e não só.
  5. De caminho, retirem também conclusões acerca da capacidade dos gabinetes de arquitectura portugueses e do seu design e criatividade e comparem com isto.

ADENDA: Post Ecossistema da Damaia Amadora

Written by dissidentex

22/01/2008 at 22:03

ATENTADO BOLSISTA.

leave a comment »

Noticiário.

Um atentado terrorista foi cometido esta tarde na estação de comboios do mercado Bolsista. Felizmente sem causar, quaisquer feridos. 4 encapuçados com o ódio estampado na face, atacaram com palavras ferozes a estação de comboios do mercado bolsista provocando momentos de terror.
Os encapuçados visavam com os seus actos atingir os principais membros do ” Serviço Nacional de Pensamento Unificado” (SNPU) presentes no local.

A estação de televisão OPA, presente no local registou o acto. Estava presente para cobrir a entrega dos prémios anuais relativos aos prémios anuais do bem conhecido prémio Maior Lançamento de Vitimas Para o Desemprego” (MLVPD). Este ano a cerimónia previa a entrega do prémio “Serviços Prestados à Sociedade” à conhecida empresa ” Falácia-Propaganda, Offshores – S.A”, um offshore bem conhecido, e conseguiu filmar todo o acontecimento.

Os 4 encapuçados falharam o seu objectivo. Apesar de terem falhado o seu acto hediondo, tal facto criou muita consternação entre os presentes no local e a tragédia podia ter sido pior caso um comboio tivesse chegado a horas à estação durante o preciso momento em que decorria a tentativa de atentado.
Tal não se verificou, apuraram os jornalistas da OPA, porque a empresa que gere o sistema de comboios e estações a “Única Privada,SA”; devido a dificuldades logísticas de manutenção dos seus comboios tem tido dificuldades técnicas desde há 4 anos; altura em que obteve a única concessão privada; em cumprir horários.
Apesar de os 4 encapuçados terem conseguido escapar do local sem terem sido localizados pelos colaboradores das forças da lei e da ordem, este atentado não foi ainda reivindicado por nenhuma organização conhecida.

O atentado provocou imensa comoção entre vários CEO´s de várias empresas, que ficaram chocados pelos prejuízos sofridos ao saberem que teriam que esperar 6 meses a um ano para conseguirem comprar um iate de 22 metros. Gritos lancinantes escutavam-se entre as vitimas. Outros CEO´s em estado do mais absoluto desespero, viram o valor das acções das suas empresas descer de 5 biliões de euros para 2 biliões de euros e fizeram imediatmente apelos ao Governo para intervir. A razão apresentada foi a de que não mereciam ficar pobres desta maneira e incapacitados de investir no futuro.

Um cidadão bem informado deve ler o jornal e ver televisão para ficar sempre informado quando estes actos de barbarismo deplorável acontecem.

Dedicado ao Neo Liberalismo económico em Portugal personificado pelo Partido Socialista.

Written by dissidentex

21/01/2008 at 8:09