DISSIDENTE-X

Archive for Fevereiro 2008

UM SECRETÁRIO DE ESTADO OBTUSO….

leave a comment »

Acabo de ouvir um secretário de Estado da educação a falar sobre ensino especial.

Utiliza a expressão “enigmática” de componentes ” Psico-Bio-Sociais”.

Já passaram 2 minutos e ele utiliza a expressão “Obtuso”.

A expressão “Obtuso” é, de facto, apropriada para quem utiliza a expressão “Psico-Bio-Sociais”.

Está a dar na TSF, mas já não posso ouvir mais…

Correcção: é um tipo chamado Fernando Magalhães de uma “plataforma de pais” pelo ensino especial ou lá o que é. Não é um secretário de Estado.

Mas a falar desta forma, chegará lá depressa. Presumivelmente no Partido socialista.

PS: e não se pode exterminar esta gente que fala assim?

Written by dissidentex

21/02/2008 at 11:30

ALBÂNIA, KOSOVO, EUA, UE.

leave a comment »

Uma metáfora dividida em três partes e um epílogo. A propósito de uma certa conversa…

PARTE 1.

Uma empresa enorme, a maior do mundo na sua área quer-se expandir para outro continente.
Inicialmente tenta expandir-se para uma zona desse outro continente e não consegue. Os nativos reagem contra isso.

O board of directors/a gestão toma posição perante o revés e perante a humilhação. Declara que, doravante, a existirem expansões, terá que existir uma parceria local.

Surgem outras oportunidades e expandem-se para outra parte do continente – uma relativamente mais acessível, menos defensiva.

Nessa outra parte do continente existem vários candidatos para parceiros locais.

Os candidatos são escolhidos e analisados em função do “pedigree” que tinham… não só comercial…

Inicialmente escolhe-se um candidato “X” e compra-se 20% das acções do candidato “X”. O candidato “X” aceita, mas dá a entender não desejar que a empresa enorme, quando alguma vez vender, o faça ao vizinho do candidato “X”; o candidato “Z”.

Depois ocorre algo.

Devido a problemas financeiros inesperados do candidato “X”, este decide vender a totalidade do capital, à empresa grande, com a condição implícita, de que não seja vendido ao seu concorrente local, o candidato “Z”, e convencido o candidato “X”, que a empresa grande apenas o quer todo para si própria.

A empresa grande diz que sim.

Após a empresa grande comprar 100% vende imediatamente, 50% ao concorrente local “Z”, o tal que o candidato “X” não queria que nada lhe fosse vendido. O candidato “X” percebe/apreende, que a empresa grande teve sempre, desde o início do negócio essa intenção.

Na pratica é o concorrente local “Z”, o tal que queria (pela calada) abocanhar o seu próprio rival local, mas não o podia fazer, “dando nas vistas” que beneficia da empresa grande multinacional servir de intermediário para esta transferência de propriedade…

A empresa grande desta história verdadeira é americana, e os candidatos “X” e “Z” desta história são italianos e o sitio onde não se conseguiram expandir (a empresa grande) é a França.

PARTE 2

Em Portugal existiu algo de semelhante em várias zonas do país, mas especialmente em Abrantes – a que conheço melhor. A Jerónimo Martins ( Feira Nova/Pingo Doce), querendo, na realidade, dar uma facada na sua concorrência fez uma jogada a esta acima descrita, em tudo semelhante.

Podendo construir um local de raiz e com especificações próprias adequadas à sua maneira de trabalhar, em Abrantes( e noutros locais…), preferiu não o fazer; antes “traçou” a concorrência analisando-a. Quando viu a possibilidade de uma brecha, comprou o franchising de um concorrente ( Intermarché), pagou ao franchisado, salvo erro, uns 200 mil contos na altura para este sair do negócio e ainda pagou a penalidade que este tinha que sofrer da marca Intermarché por a abandonar e adquiriu o local (não só ali, mas noutros sítios do país..). O local era (é) muito apetecível à época – Encosta da Barata, a 500 metros de entrada para a auto estrada, e acima de tudo, para quem entrava em Abrantes de um dos lados da cidade estava esta instalação – o que faz com que quem venha às compras se sinta impelido a parar logo ali.

Deu um soco no estômago de um concorrente, pagando um preço mais caro por isso, mas conseguiu o ponto de venda que lhe interessava. E espetou um atraso de 2 anose um ter que recomeçar de novo (a tal facada) num perigoso concorrente.

Isto não é nenhum segredo militar, veio nos jornais e quem contava esta história da “facada” era uma pessoa do Intermarché, ao Jornal Público, creio que isto há uns 8 a 10 anos…

As ” autoridades da concorrência ” que fiscalizam estes atropelos não viram nada, não descobriram nada, não ouviram nada…

mas continua(ara) m a receber ordenados pagos regularmente todos os meses, e a terem contratos de trabalho permanentes…

PARTE 3

Temos uma província de um país, após várias guerras, que é constituida por uma maioria étnica de um outro país e outra nacionalidade. Embora seja globalmente nesse país, uma minoria, só naquela província é a maioria da população.

Uma empresa multinacional que dá pelo nome de EUA decide forçar a entrada neste mercado, para dar uma facada em dois dos seus concorrentes, a UE e a Rússia. Para tal promove activamente o secessionismo desta província (com razões válidas para isso ou não, não é esse o objectivo do post), e usa um produtor local, a Albânia, (a UE não esteve inicialmente disponível e fez o papel da França do exemplo das empresas acima…) para mandar a facada na Sérvia, o outro produtor local recalcitrante e nos outros dois competidores exteriores, um dos quais também faz (UE) ( às vezes) o papel de produtor local dos EUA.

Por enquanto estamos na situação

“…escolhe-se um candidato “X” e compra-se 20% das acções do candidato “X”.

Resta saber se o rival regional/local da Sérvia ( a Albânia) daqui a 5 ou 10 anos não será alvo de uma generosa oferta comercial por parte da multinacional e lhe será ofertado a posição de parceiro comercial estratégico local e passará a ter 50% do negócio, sendo que, metaforicamente, os 50% aqui devem-se entender e traduzir pela palavra “Kosovo”. Ou seja, a unidade comercial “Kosovo” ser fusionada com a unidade comercial Albânia.

Veremos no futuro se não será tudo isto apenas e só, uma simpática forma de transmitir um pedaço de território ao nosso parceiro comercial local, dando uma dentada nos nossos concorrentes. Que sorriem, (uns- UE), e abanam a cabeça ( outros- Sérvia/Rússia) com esta incursão comercial da empresa multinacional…

Resta saber se nunca terá sido esta, desde sempre, a ideia original da empresa comercial EUA.

EPÍLOGO

Quem pagará as contas deste negócio será a “comunidade internacional”. (Quem pagou as contas do negócio de Abrantes acima descrito foram os consumidores locais que viram os preços serem mais altos durante um ano e meio…) Como o território geográfico a que pertencem estes simpáticos personagens é a Europa, a “comunidade Internacional” que pagará será a “Europa”.

Isto é obviamente ficcionado e a similitude de posições em ambas as histórias não é idêntica, mas como criação de cenário muito se poderá extrair daqui, e debater, quer criticamente, quer não.

Relacionado com este post

Written by dissidentex

21/02/2008 at 7:12

Publicado em ALBÂNIA, KOSOVO, UNIÃO EUROPEIA

Tagged with , , , ,

COMO SE FAZ UM BLOG

leave a comment »

No blog Fractura.Net um blogger rival de um pequeno blog pertencente a uma rede de blogs sem qualquer importância no panorama blogosférico nacional, mas querendo afirmar-se, decidiu interpelar-me, procurando aferir cientificamente de quais são as fontes de inspiração que me levam a fazer este magnífico blog cheio de qualidade (cof…cof) e centenas de milhares de visitantes todos os dias. ( pois… vai sonhando ò, òtario)…
Não querendo defraudar o rapaz até porque ele está a começar nestas lides e está com contrato a prazo a recibos verdes, e para satisfazer a sua voracidade pelo saber oculto da neblina cinzenta que se esconde aqui neste tugúrio devo claramente dizer que este blog é feito com 10% inspiração e 90% transpiração(cof..cof..).

Também é feito através da consulta de arcanos secretos muitos dos quais podem encontrar-se NESTA PÁGINA onde alguns dos segredos são explicados.

O resto são arquivos mágicos que tenho, a minha memória de ornitorrinco, a conjugação de dados entre vários blogs, sites, páginas institucionais, filmes, rótulos de embalagens de cornflakes, anúncios de televisão e rádio, uma multiplicidade de idiotas que escrevem comentários nos blogs de referência que me indicam o caminho oposto apenas por escreverem, ( já para não falar nos idiotas que escrevem os blogs de referência…) etc …

É evidentemente ( cof…cof…) a categoria individual do blogger (cof..cof) que transcende vivificante os azimutes neurotranscendetais do gnoseologismo metafórico híbrido calcorreante, lema que orienta este blog.

É claro que também ajuda quando se observam regularmente vídeos DESTES

Ou quando se escutam músicas DESTAS

Ou então, quando estamos na floresta negra dos lugares do nosso espírito onde passamos grande parte do nosso tempo também se escutam coisas semelhantes a ESTA

PS: crianças que vem ao blog, a linguagem gráfica e a pouca roupa do primeiro vídeo são perigosas e a linguagem do segundo vídeo também não é muito recomendável… e o pessimismo do terceiro também não…

Written by dissidentex

20/02/2008 at 21:21

Publicado em OUTROS

Tagged with , ,

APPEASEMENT E NÃO APPEASEAMENT

leave a comment »

Na Arábia Saudita temos o seguinte:

ARABIASAUDITA-NAMORADOS

Sintomas de um país com sérios problemas.

Ou deverei dizer uma religião?

A chantagem continua, mas felizmente AQUI recusam-se a ser chantageados e reagiram, pelo menos até agora.

E como se faz chantagem? Simples.

Usam-se meios democráticos para fazer chantagem e tentar criar um sistema de auto censura e de discriminação “legalmente” legitimizado, sem se ter absolutamente razão nenhuma para isso.

Como se faz?

Fazendo uma petição online.

Parece que um grupo de utilizadores de religião muçulmana, ficaram, repentinamente, ofendidos pelo facto de a Wikipédia, que até pretende ser uma enciclopédia online neutra, mostrar fotografias do Profeta Maomé, o que é proibido pela religião muçulmana.

Podendo recusar ver as fotografias, os muçulmanos (ou os países que estão por detrás disto…) optaram por entrar na chantagem e na extorsão fazendo pressão e insinuando ameaças sobre a Wikipédia para que esta retirasse a referida fotografia.

Aplicado este princípio a todas as situações, que, supostamente, ofendem muçulmanos teríamos, levado ao extremo, que, provavelmente, metade dos artigos que lá estão fossem retirados, por uma questão ou outra.

Nesta notícia do Herald Tribune, um muçulmano paquistanês diz que ” “é totalmente inaceitável imprimir a foto do profeta …“e que isso demonstra insensibilidade em relação aos sentimentos dos muçulmanos e deveria ser removido imediatamente”.

Tendo em conta o facto de as mulheres ocidentais ou sem serem do Ocidente andam, normalmente, sem véu, provavelmente, daqui a um mês ou dois existirá uma petição online exigindo que mulheres de religião não muçulmana usem véu, uma vez que “é totalmente inaceitável que as mulheres se mostrem em público” … e que isso demonstra insensibilidade em relação aos sentimentos dos muçulmanos e deveria ser removido imediatamente”.

Ou, que o facto de existirem pessoas que são adeptas de outras religiões ou nem sequer são adeptas de religião nenhuma isso” é totalmente inaceitável que as pessoas adeptas de outras religiões ou nem sequer adeptas se mostrem em público” … e que isso demonstra insensibilidade em relação aos sentimentos dos muçulmanos e deveria ser removido imediatamente”.

A lista de “supostas insensibilidades” é infindável…

Vamos ter mais chantagens destas nos próximos meses e anos.

Resta saber se se opta pelo appeasement ou se recusa a chantagem.

Sou adepto da recusa da chantagem.

Este post não significa apoio ao catolicismo como religião organizada.

Written by dissidentex

20/02/2008 at 17:25

PARTIDO SOCIALISTA, apenas dois objectivos políticos…

leave a comment »

ARRAIAL POR SMS

TELEFONE

Eu não imagino um professor, quanto mais vários, receber um SMS e ala para uma manifanda por aí. Ou então serão antifascistas serôdios politicamente desempregados que, na falta de melhor, andam a fazer de figurantes no filme da parte contrária. frente à sede de um partido assobiar o secretário-geral. Para mais quando a sua estrutura sindical diz nada ter a ver com o arraial. Logo, alguma razão terá o PCP quando diz que o fascismo anda por aí. Ou então serão antifascistas serôdios politicamente desempregados que, na falta de melhor, andam a fazer de figurantes no filme da parte contrária.

Post completo do Agua lisa 6.

Todos os problemas do partido socialista e dos seus militantes estão condensados neste post.

Os problemas são típicos de um partido político que tem apenas dois objectivos políticos e se chama PS.

  1. O primeiro objectivo político é chegar ao poder e manter-se lá o maior tempo que for possível.
  2. O segundo objectivo político é estar satisfeito por não ser do PCP.

Enquadra-se dentro do primeiro objectivo a lógica de funcionamento do actual secretário geral do PS.

Pediu e pede aos seus militantes; pediu e pede aos portugueses que deixem de pensar. E que confiem nele, porque ele é que sabe. Pede aos seus militantes que unam fileiras para defender o secretário geral e a unidade do partido. Pelo post acima parece estar a conseguir isso.

Beneficiados? O secretário geral, os amigos do secretário geral. Não certamente o país ou os portugueses. Ou a política como arte supostamente nobre.

O segundo objectivo; estar-se satisfeito por não se ser do PCP, pressupõe que todos os que discordem seja por que razão for ou motivação, serão do PCP. Dentro desta lógica distorcida todos são do PCP. Populações inteiras.

O secretário geral do PS pediu aos seus militantes que deixem de pensar. E aos portugueses também.

Este aliado involuntário é útil. Cria-se um inimigo, sempre disponível, sempre visível, mais rígido e disparatado e falar disso constantemente.

josesócrates-arrogancia

Já tivemos o Guterrismo sem objectivos e deixando andar.

Agora temos o “Guterrismo determinado” e com supostos objectivos parecendo ter uma imagem de determinação e dureza que supõe um corte com o anterior Guterrismo.

Ninguém naquele partido percebeu que o Guterrismo era um fracasso como conceito e foi um fracasso como aplicação; agora surge reciclado de autoridade e determinação, mas é apenas uma nova roupagem do Guterrismo – como tal condenado a falhar.

10 anos passaram e não perceberam. Não perceberam antes e não percebem agora. É exactamente por isso que estão a falhar. Porque não se pode pensar política à sério e governar de forma competente tendo apenas dois objectivos: chegar ao poder e manter-se lá o maior tempo que for possível e dar graças a Deus por não se ser do partido comunista; é sempre preciso algo mais.

O algo mais não existe.

Quando não se compreende a contestação, porque, afinal, a superioridade moral, ética, política está do lado do PS, é necessário que os contestam sejam “instrumentos ” da parte contrária.

Este post é um instrumento da parte contrária, dentro desta lógica. Tudo são partes contrárias para aquele partido neste momento.

O próprio acto de ver os outros como idiotas úteis manobráveis por partes contrárias não abona nada ao relacionamento do partido socialista com o eleitorado. Estratégia de marketing errada. Mimetização do pensamento único do secretário geral convidando todas as outras pessoas a desistirem de pensar, e a seguirem acritícamente o secretário geral de um partido que está objectivamente a governar mal.

E porque não estaria? Se o programa político apenas consiste em chegar ao poder e ser contra o PCP; porque não estaria a governar mal?

Written by dissidentex

19/02/2008 at 11:49

PETIÇÃO CONTRA APLICAÇÃO DE TAXAS NO MULTIBANCO.

leave a comment »

Existe uma petição contra o lançamento por parte dos bancos comerciais de taxas a cobrar por cada levantamento de dinheiro ou outro qualquer serviço ( consulta de extractos, por exemplo) numa caixa Multibanco. Quer-se aplicar 1.5 euros por cada levantamento de dinheiro ( ou qualquer outro serviço) feito por cada utilizador numa caixa.

A petição foi criada por Rui Martins, o “dono” do blog Movv.org. (Em boa hora foi feita…) A petição pode ser encontrada AQUI e já ultrapassou a 140 mil assinaturas. Convinha acrescentar mais assinaturas a esta petição dado o óbvio interesse da mesma.

Isto porquê?

Porque já começam, subreptíciamente, a serem plantadas “notícias” na imprensa e,especificamente, na que tem mais circulação, para preparar a cabeça das pessoas para que aceitem “alterações” no Multibanco e na forma como este funciona, por causa da “Europa”. Seja por causa da Europa ou não seja por causa da Europa,este tipo de atitudes é inaceitável! (Fonte da imagem: Jornal METRO, edição de dia 12 de Fevereiro, página 5 online-PDF, página 7 em papel)

 

JORNALMETRO-DIA12-PÁGINA5

A Sibs não cria uma “aliança para lutar pelas funcionalidades do sistema nacional”. O que a Sibs está a fazer é a tentar maximizar lucros através da criação de uma economia de escala. Que lhe permitirá, por exemplo, posteriormente, aumentar as taxas cobradas pelos terminais Multibanco colocados em estabelecimentos comerciais; percentagem que actualmente está à volta de 1% a 5% de comissão cobrada ao comerciante que tem por exemplo, terminais de pagamento automático por Multibanco no seu estabelecimento.

  1. Não é pelos nossos lindos olhos.
  2. Nem pela defesa “do sistema nacional”.
  3. Para estas pessoas o dinheiro não tem pátria.

Paralelamente… é uma maneira de “mandar” o odioso da questão para cima da Europa e das alterações que advém da Europa. A cobrança por transacção em caixa Multibanco não vem da Europa.

Recordo-me duma conhecida minha que vive na Bélgica. Veio cá há dois anos tratar de assuntos pessoais e ficou escandalizada com as cobranças de serviços e produtos bancários que cá se faziam e que lá não eram feitas. Outras pessoas conseguirão ter e saber de outros exemplos.

Convinha não deixar morrer este assunto e passar a palavra. Quem é alvo deste tipo de pressão acusa o toque e recua quando sabe que existe oposição a estes esquemas de extorsão.

A petição, hoje, dia 17 de Fevereiro de 2008 chegou às 198.165 assinaturas.

PETIÇÃOMULTIBANCO

 

Written by dissidentex

18/02/2008 at 13:01

ESLOVÉNIA. Uma acta secreta com instruções dos EUA à UE.

leave a comment »

Em 2003, um grupo de países europeus, fascinados com os Estados Unidos, apesar de alguns fazerem parte da União Europeia, e outros quererem aderir, decidiu, em Vilnius, capital da Lituânia, produzir uma declaração. Os países eram, respectivamente: a Albânia, a Bulgária, a Croácia, a Estónia, a Letónia, a Lituânia, a Macedónia, a Roménia, a Eslováquia e a Eslovénia. 10 países.

O acto destes 10 países visava declarar o apoio à Guerra do Iraque, dizendo-se “convencidos” das provas apresentadas pelos EUA, relativamente ao Iraque. E à decisão de invadir este país para destruir as armas de destruição massiva.

Paralelamente, este acto visava por em cheque a “Velha Europa”, a França e a Alemanha, bem como os outros países que estavam indecisos relativamente ao rumo a tomar.

No caso especifico da Eslovénia, as coisas são ainda piores.

KOSOVO-ESLOVENIA3

Parece que a submissão aos americanos é ainda mais definida. No dia 24 de Dezembro de 2007, num encontro em Washington, entre o director político do ministério dos negócios estrangeiros da Eslovénia- Mirja Drobnic – que se demitiu depois, e o secretário de estado adjunto norte americano para os assuntos europeus, Daniel Fried, saiu, após a reunião, a publicitação de um documento.

Nesse documento revela-se que os EUA dão À Eslovénia “instruções” e lições sobre como deve a Eslovénia agir, enquanto presidente da Comissão Europeia.

kosovo-eslovenia2

Uma das ” instruções ” visava ordenar ao vassalo Eslovénia que este fosse dos primeiros Estados europeus ( Estados ou estábulos?) a reconhecer a Independência do Kosovo – quer dizer,a independência unilateral do Kosovo.

E, paralelamente, deveria insistir, como presidente da União Europeia, para que uma missão europeia fosse enviada para a região, apesar da oposição de Moscovo (Rússia) e Belgrado ( Sérvia).

A Eslovénia descredibilizou-se totalmente perante os Europeus, e mais ainda, nem sequer informou os parceiros europeus destas manobras.

E parece que, ainda por cima, o actual governo Esloveno, obrigou os diplomatas que forneceram o documento aos meios de comunicação social a pedirem desculpas por o terem feito, mas não a resolverem este problema.

kosovo-eslovenia1

É prostituição de um Estado e o enganar dos seus aliados. Incentivado pelo país que tudo fará para subverter e sabotar a União Europeia. É aliás isso que explica os avençados de Washington e a defesa permanente que fizeram do Tratado Constitucional Europeu.

Ligação Courier internacional( Linkpago) encontra-se AQUI

Ligação “il Manifesto” Itália encontra-se AQUI

Blog espanhol Junkepa AQUI

No blog espanhol ainda se revela que uma das vassalagens a prestar pelos eslovenos aos americanos seria que a administração Bush ainda quereria que durante a presidência “amiga” da Eslovénia, a União Europeia aceitasse fazer uma lista.

Uma lista de “Estados pária” e que a União deveria condenar com firmeza. O costume: Irão, Síria, Filipinas, + Cuba e Venezuela. E mais ainda que a Eslovénia procurasse persuadir os europeus a adoptarem uma postura de apoio à ocupação do Iraque e à proclamação do apoio à “Guerra contra o terrorismo”.

A independência do Kosovo vale o quê com estas manobras unilaterais e esquemas pela porta do cavalo?

Written by dissidentex

16/02/2008 at 22:35

BIBLIOTECAS,EMPRÉSTIMO PAGO.NÃO! 4 º

leave a comment »

Sobre este assunto falou-se respectivamente

AQUI 1

AQUI 2

AQUI 3

Agora fala-se e continua-se por causa deste post deste blog. Alguns excertos:

“””… É um facto consumado que o comodato (vulgo empréstimo) público vai ser taxado. A vizinha Espanha já mudou a lei (Ley 10/2007, de 22 de Junio). A Itália, se não mudou, vai mudar. A Irlanda, idem. E nós vamos também. Vamos todos, quais carneirinhos obedientes, baixar a cabecinha e enfiar-nos no redil europeu. Claro, os utilizadores das bibliotecas não vão pagar pelo empréstimo, era o que mais faltava. O empréstimo vai ser pago pelo orçamento das bibliotecas ou pela administração central do estado.
Não há volta a dar. O lobby das editoras, dos livreiros e das discográficas, que já conseguiu pôr-nos a pagar taxas pelas cassetes virgens, pelos CD graváveis, pelos equipamentos de reprodução (mesmo quando todos estes sejam usados para gravarmos e filmarmos a nós mesmos e aos nossos amigos), vai conseguir, agora, pôr-nos – através do orçamento das câmaras ou do Ministério da Cultura – a pagar taxas também pelo empréstimo nas bibliotecas.
Tudo para não lesar os bolsos dos autores! Dizem eles… “””
COMODATO E EMPRÉSTIMO DE LIVROS

No blog a Biblioteca de Jacinto está uma explicação detalhada deste post e do esquema no mesmo.

Quanto a isto é engraçado. Os contribuintes vão pagar mais um imposto, mas um imposto destinado a alimentar empresas e associações privadas.

Mais: a injustiça e a discriminação são ainda maiores. O contribuinte agora pagará quer use quer não use mas duas vezes.

Pagará aquilo que já pagava – A EXISTÊNCIA DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS – via orçamento de Estado e pagará

PASSA A PAGAR

uma avença compulsória regular e sistemática para satisfazer o proxenetismo da sociedade portuguesa de autores.

De facto a iniciativa privada com mama garantida é outra coisa… viva a economia de mercado que recebe subsídios dos contribuintes… viva o neo liberalismo empreendedor … e o espírito de iniciativa… espírito de iniciativa para sacar subsídios, entenda-se…