DISSIDENTE-X

MÉDICOS DE CLINÍCA GERAL DEFENDEM CRUZAMENTO DE DADOS.

leave a comment »

Uma das classes mais protegidas da sociedade portuguesa (europeia?) decidiu deixar cair a mascara.

E, sob a capa da eficiência tecnológica médica defendem uma das mais perigosas medidas que se pode propor: o cruzamento de dados médicos, que depois, andariam a flutuar ao sabor dos interesses económicos.

Parece que a definição é a seguinte.

As tecnologias de informação são uma “ferramenta de partilha de cuidados”. Esta é uma expressão tão vaga, tão cheia de vácuo que percebemos que a médica dinamarquesa que a proferiu estará concerteza a candidatar-se a um qualquer cargo político.

É também uma teoria segundo a qual os cuidados a ter com o doente serão partilhados Deveras ?

Está-se a pretender convencer as pessoas que o médico e o doente, conjuntamente, estarão democraticamente a decidir a solução de uma doença. Na maior parte dos casos, o doente não tem qualquer informação ou conhecimento acerca de terapêuticas.

O próprio clínico – normalmente dotado da maior das arrogâncias e possuído do mais completo mercantilismo – apenas diz e assim se faz.

A ferramenta permitirá ao doente e ao clínico:

(1) rever o historial (2) marcar consultas (3) informar-se sobre medicação (4) ver resultado de exames (5) e a realização de consultas pela Internet.

Isto é extraordinário. Nada disto requer a existência de uma médico. Diria mesmo que pelo andar da coisa, o doente caso necessite de uma operação poderão – através da partilha de cuidados – operar-se a si mesmo sem a necessidade de um médico.

Como já pode ver o resultado de exames, informar-se sobre medicação, rever o historial, marcar consultas a si mesmo através da Internet está(rá) habilitado a operar-se a si mesmo?

A mesma médica dinamarquesa que explicou estas vantagens também explicou logo as desvantagens ( que anulam largamente as vantagens…)

(1) Admitiu a eventual existência de constrangimentos resultantes da concentração de dados em sistemas informáticos (2) sobrecarga de informação (3) susceptibilidade perante cortes de energia (4) necessidade de garantir a segurança dos dados (5) e a eventual redução da avaliação médica limitando-se este maravilhoso sistema totalitário ao armazenamento de dados.

No artigo Tabaco Sócratesa dada altura escrevi o seguinte:

Eu sou a favor da democracia e do pluralismo numa sociedade. Acho que o totalitarismo é uma coisa má. Peço desculpa. Estou envergonhado pelo que acabei de escrever;isto de ser à favor da democracia e do pluralismo é algo que está fora de moda e não se enquadra nas sociedades modernas do nosso tempo, que, aparentemente são “pós-modernas e pós democráticas”.

Dissidente-x a purgar-se de forma irónica.

Depois escrevi o seguinte:

Mas é um totalitarismo muito especial.

Paradoxal.

Aquilo ( actualmente) que causa o dano deverá ser aquilo que origina a cura do dano.

Esta médica dinamarquesa é absolutamente excepcional. Causa o dano com as suas ideias totalitárias disfarçadas de avanços tecnológicos e ao mesmo tempo propõe a cura dizendo-nos quais são os perigos que advém das soluções que propôs para melhorar qualquer coisa.

Isto é a pós-democracia em todo o seu esplendor, ou melhor, são os médicos a afirmarem que desistiram de ser médicos e que preferem ser guardiões de um sistema totalitário a implementar, apenas mordomos desse sistema, de um pequeno segmento desse sistema.

As soluções “ferramenta de partilha de cuidados” são todas, mas absolutamente todas, soluções que apenas empurram trabalho e responsabilidade para cima do doente e o retiram do médico.

Os perigos são problemas derivados das “soluções” e impõem gastos de dinheiro gigantescos, isto caso uma sociedade que os adopte queria ser democrática, e continuar a sê-lo.

Como a democracia é um valor em declínio substituído pelos custos e pelo dinheiro provavelmente, se ninguém nada disser, irá avançar-se para as soluções e ignorar os perigos.

A notícia é do Correio da manha – 25 de Junho de 2008

Quem organiza este simpático colóquio totalitário é a Fundação Astra zeneca. A Astra Zeneca são laboratórios de produção de medicamentos.

– Vamos supor que um grupo bancário decide comprar este laboratório.

– Um grupo bancário tem dentro do seu núcleo de negócios companhias de seguros.

– As companhias de seguros vendem seguros de saúde.

– As companhias de seguros tem interesse prévio em saber qual é o historial clínico do doente/cidadão que se quer segurar.

– Com dados informáticos organizados da forma que a médica dinamarquesa explanou NINGUÉM escapa a ser prejudicado na compra de seguros de saúde e no ser ou não ser preterido para fazer tratamentos ou outras formas de intervenção clínica.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: