DISSIDENTE-X

CENÁRIOS E TENDÊNCIAS PARA OS PRÓXIMOS 20 ANOS – 2

leave a comment »

PARTE 2

A LISTAGEM COMPLETA DOS ARTIGOS ENCONTRA-SE NA PÁGINA DA BARRA LATERAL CHAMADA Z-CENÁRIOS

SUPER TENDÊNCIAS PARA OS PRÓXIMOS 20 ANOS

MICRO ANÁLISE SOCIAL E ECONÓMICA.

Processo de longo termo analisando os processos em espectro largo e de grandes tendências, ao nível social, e económico a nível mundial.

3 – A integração das mulheres no mundo do trabalho →Diversidade cultural.

  • Integração das mulheres no mundo do trabalho
  • necessidade dos talentos especiais das mulheres, da sua tendência mais suave e ponderada para reagir a situações
  • Participação considerada como prioritária na criação e poder de influencia sobre tendências culturais e de mercados.
  • Criação de regras jurídicas ou a- jurídicas para o equilíbrio entre a vida familiar -trabalho

Problemas:

No Ocidente há cada vez mais dificuldades em fazer as mulheres entrarem no mundo do trabalho plenamente devido

a) à drenagem de empregos para países sub desenvolvidos;

b) Influências de forças conservadoras visando enviar as mulheres para casa, criando assim espaço para que os restantes empregos sejam ocupados por homens;

Técnica usada de compensação:

  1. promover quotas de paridade em serviços públicos – privados;
  2. incentivar a escolaridade feminina obtendo maiores taxas de ocupação de ensino superior no sexo feminino do que no masculino
  3. Criação de uma ideia de demérito por via disto.

No mundo não ocidental

  • Cada vez mais forças conservadoras a surgirem misturando religião com sociedade querendo evitar a emancipação das mulheres.
  • Pressões demográficas.
  • A mulher vista como um “bem” de qualidade inferior( China).

A resposta no Ocidente será através de legislação , que falhará o seu objectivo ou criará sub sistemas de “não mérito” ou não reconhecimento do papel das mulheres.

A diversidade cultural, a acentuação da mesma visará criar uma nova forma de sociedades onde as regras do tradicionalismo( Ex, casamento) coexistirão com as novas tendências da mulher na sociedade visando tudo ser harmonizado , para se criar uma ligação estável entre o antigo e o novo.

A cultura ( especialmente no Ocidente) tenderá a tornar-se híbrida, fluída, desprovida de valores duradouros, “rápida” misturada com elementos de outras culturas – e todas elas misturadas.

Problema 1:

Geração de tradicionalistas e forças conservadoras.

Problema 2:

As culturas encaradas agora como um sistema de valores tenderão a competir globalmente, já não como sendo apenas representativas de um país, mas sim representativas das pessoas que adoptam essa cultura.

Problema 3

As culturas mesmo concorrentes como sistemas de valores entre si, tenderão dentro do seu núcleo a gerarem sub nichos de novos sub valores dentro da cultura principal, levando quase ao individualismo único cultural.

4- Novos paradigmas de mobilidade e transporte.

Duas hipóteses

a) Optimista.

B) Pessimista.

Optimista: os meios de transporte tornam-se baratos, fiáveis, e eficientes, conjugados com a aplicaçãod e suficientes recursos na construção da logística que os permite acolher esses meios de transporte dessas características.

Pessimista: torna-se cada vez mais difícil viajar com a lógica do transporte de massas, devido aos custos de combustível, acrescidos da não alocação de recursos em termos de investimento de capital( público e privado) necessários a criar toda a logística necessária.

Politicamente crescem as barreiras à mobilidade devido a:

  • ameaças de terrorismo.
  • criação de obstáculos burocráticos administrativos a certos produtos.
  • Barreiras relativamente à privacidade pessoal- à liberdade da mesma será limitada, obrigando o cidadão a aceitar ser alvo de vigilância e controlos electrónicos.

Globalmente aumentará ( teoricamente a mobilidade), mas o novo cidadão móvel, verá serem-lhe exigidas informações e será vigiado.

Opções:

– Se as

  • infraestruturas de transportes, marítimas e terrestres,
  • as “barreiras” administrativas e de privacidade,
  • se as decisões políticas o apoiarem:

toda a macro infra estrutura de transportes – de mobilidade – se desenvolverá. Isso originará:

  • Novos conceitos de veículos( ex. Veículos eléctricos, ou solares)
  • novas tecnologias de condução →novos investimentos em investigação nestas áreas.

Problema:

Existirá capital de investimento e vontade política para fazer a transição entre uma economia organizada segundo um modelo baseado em intermediários ( países e empresas) que gerem o combustível e a organização da mobilidade, para um modelo em que todos serão produtores da mobilidade que usam?

Existirá vontade política, para proporcionar o investimento necessário através dos sistemas fiscais visando obter interesse dos consumidores e das empresas para ir por esta opção?

Existirá evolução para mundos de negócio virtuais.

Continua.

Anúncios

Written by dissidentex

03/07/2008 às 15:40

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: