DISSIDENTE-X

DESEMPREGO, GALIZA E CONFLITOS ECONÓMICOS…

leave a comment »

A imagem mais à esquerda corresponde a uma notícia publicada no jornal Global de terça feira 23 de Setembro de 2008, e mostra uma situação que acontece em Portugal.

Acontece mas é convenientemente abafada e submergida dentro de milhares de notícias de todos os tipos feitios e modelos que encharcam os jornais e a comunicação social.

Dessa forma os portugueses ficam sem ter uma clara percepção do que está a acontecer, isto é, da “dimensão” do que está a acontecer neste país.

Impossibilitados de conseguir trabalhar em Portugal e acima de tudo, de ganhar dinheiro em Portugal que dê para viver, os portugueses emigram para a Espanha. Quando percebem onde chegam imediatamente não querem sair.

E do lado esquerdo, na notícia menos à esquerda, temos as consequências concretas da traição que as “elites” portugueses construíram e planearam para o país vir a ser  que é.

Como as pessoas estão, muitas delas, a fugir disto e da miséria que as espera aqui, vão para Espanha. Ao irem para Espanha deflacionam completamente os salários e os empregos de quem já lá está e vive.

É o caso da notícia de 25 de Setembro de 2008 do Jornal gratuito Destak, onde, um grupo de agricultores da Galiza bloqueou leite importado de Portugal. A Galiza, como é mais próxima de Portugal, constitui o mercado natural de combate sem tréguas, o campo de batalha onde estas “regras” de “mercados abertos” que temos que aturar fazem estragos.

Politicamente e economicamente estes são os resultados obtidos e negociados, especialmente do lado da  esquerda política, do facto de não perceberem nada do mundo em que vivem. E fazem gala e orgulho nisso.

As perturbações económicas e sociais que este tipo de coisas (os acordos comerciais de livre comércio)  estão a originar, apenas levam à desregulação de mercados, à mais completa iniciação de sentimentos de xenofobia, à criação de enormes bolsas de desemprego em ambos os lados da fronteira neste caso.

E também a um clima de combate e crispação entre pessoas, que apenas favorece, quem tem imenso dinheiro ou seja que já é rico, que olha do alto os pigmeus a lutarem entre si. (sem que os pigmeus olhem para cima e vejam quem está no alto).

Depois quando os incidentes xenófobos, os despedimentos, a confusão económica acontecem, o que se diz é: “incidentes deste tipo não contribuem para resolver a situação”. (É uma frase do governo espanhol, como poderia ser de qualquer político português…)

Sem pretender apelar à combates de rua e manifestações, pergunta-se: então o que é que contribui para resolver a situação? Retórica?

Voltando à esquerda política portuguesa, TODA ELA, continua alegremente a defender políticas generosas de imigração (deixar entrar generosamente e legalizar generosamente quem cá está e quem se quiser legalizar) isto perante a não existência de qualquer tipo de criação de empregos sustentáveis ou de lógica económica que sustente isto.

Enquanto que paralelamente e ao mesmo tempo, se continua a sorrir de satisfação porque milhares de portugueses saem de Portugal, para irem para outros países e milhares de imigrantes chegam cá.

– São também pessoas, menos pessoas a contestarem cá dentro, o que aqui se passa.

É apenas por isto que a taxa de desemprego portuguesa é relativamente baixa. Se todos os portugueses que tem saído ainda cá continuassem teríamos 15% de taxa de desemprego, em vez dos 8%..oficiais…

No dia 29 de Junho de 2008 inseri um artigo chamado “desemprego,dumping, Galiza”. Nesse artigo a dada altura transcrevia-se uma notícia do Jornal de Destak de 19-03-2008, em que se citavam declarações de um sindicalista galego á propósito do dumping laboral. Re-transcreve-se uma parte:

“”.Disse ainda que os governos «fecham os olhos» porque esta é uma situação que «igualmente lhes interessa sobremaneira». «O Governo português consegue assim uma ‘saída’ para os milhares e milhares de desempregados do País. O Governo espanhol consegue, no caso da linha de alta velocidade, obras mais rápidas a mais baixo custo. E andamos nisto», criticou Xosé Melón….”

Isto baseava-se numa notícia de Março de 2008, e verifica-se que “o problema” continua a existir.

É portanto “uma lógica que se instalou” de pequenos conflitos de agressividade controlada entre interesses de produtores galegos e exportação de mão de obra barata de Portugal para Espanha.

Este conflito, contudo, está longe de ser resolvido e politicamente, continua-se a brincar com uma situação que tem o potencial de gerar xenofobia e movimentos de extrema direita muito poderosos. No mesmo artigo perguntava e transcrevo:

” …E como se irá resolver isto pelos “democratas” de esquerda?

Provavelmente com retórica. Sempre retórica e apelos à “liberdade, à democracia “. Ou, “chantagem emocional”, e insinuar dividas de gratidão que os portugueses terão para com os “democratas” de esquerda, e portanto a pedir que se aceite isto como uma “política de esquerda”. ( A direita política, os neo liberais e todas as forças extremistas de cariz nacionalista agradecem com entusiasmo este tipo de situações…

Quando as coisas rebentarem, irão fazer apelos à “união dos democratas” contra a xenofobia e o racismo. Nessa altura terão a enorme surpresa de verificarem que a generalidade da população receberá com indiferença esses apelos.

Os que ainda cá estiverem e não tiverem emigrado já não estarão com disposição de defenderem a “democracia”. Quer dizer, “isto” a que chamam democracia.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: