DISSIDENTE-X

FULL SPECTRUM DOMINANCE 3

leave a comment »

serie-24

Começou no dia 29 de Janeiro de 2009, a ser transmitida em Portugal, a nova série de 24 – salvo erro, a sétima temporada sobre as aventuras e desventuras do agente secreto Jack Bauer.

Bauer está na lista negra, foi ostracizado devido ao que tinha feito nas séries anteriores; as suas acções como agente.

E surge uma nova situação – terrorismo electrónico – que motiva a que o FBI chame Bauer. Pelo meio existe uma situação num país africano fictício chamado Kangala ou lá o que é, onde um ditador sanguinário está a realizar massacres com base em valores tribais.

As analogias com o Zimbábue e com os massacres no Ruanda são óbvias, assim como é óbvia a mensagem: os EUA deverão (irão) intervir em África para pararem massacres…

(Nota: não se diz, nunca se dirá, na realidade, ou num argumento de cinema, que o interesse real em intervir em África é o de assegurar o acesso  e o controlo às fontes de petróleo…por exemplo…)

Este é o “pretexto” argumentativo que dá corpo ao inicio da série. Onde isto se observava era numa reunião do Presidente norte americano com os chefes do Estado maior das forças armadas.

O presidente na série, é uma mulher; uma “aposta” sobre a forma de uma metáfora dos argumentistas em como Hillary Clinton seria eleita (aquilo que parecia mais provável quando a série foi feita).

E a dada altura desta situação, na boca da actriz que faz de presidente dos Estado Unidos surge a expressão: Can we achieve Full Spectrum Dominance”?

A pergunta é feita a um militar que está a explicar os pormenores da operação militar de desembarque das forças americanas destinadas a impedirem as acções do ditador sanguinário.

Também é a incorporação de um “vocábulo” e de um “conceito” numa série  popular, vista em todo o mundo, e que está a transmitir “valores americanos” ou a transmitir uma ideia do que serão  os valores americanos (ao resto do mundo).

Como se estivesse de forma publicitária e propagandística a efectuar uma acção de propaganda subliminar sobre o mundo inteiro: Can we achieve Full Spectrum Dominance/ Podemos nós conseguir domínio total e completo?

Tal significa na realidade o acto de se estar a dizer que “nós somos capazes de conseguir Full Spectrum Dominance; não se metam connosco, não tentem impedir-nos…

O acto subliminar está aqui…

Mesmo que colocados no argumento como sendo apenas “cenários”; hipóteses de trabalho teórico destinadas a fortalecer o argumento e a tentar mostrar como seria uma hipotética situação verificada quando o Presidente dos EUA decide algo….

mas existindo uma componente de “propaganda ideológica” e de “persuasão” pelo convencimento de outros , usando “certas lógicas” e certas frases.

Ø

A pergunta era: “Can we achieve Full Spectrum Dominance/podemos atingir controlo completo e total do terreno”?

O militar no filme diz que sim, podemos controlar a situação.

Se especularmos que isto é apenas um jogo metafórico, então esta frase pode ser considerada como sendo, pela boca de uma personagem  de ficção de uma série popular – que faz de presidente dos EUA (daí o simbolismo)  uma forma sofisticada de o dizer, mas dentro de um veículo de cultura popular.

Em “sentido figurado” dizendo ao  resto do mundo ( as pessoas que por todo o lado vêem a série ) que os EUA podem e irão atingir Full Spectrum Dominance…

e dizem-no, directamente… quer através de (1) “documentos “oficiais” , quer através de séries de (2) “cultura popular”.

Ambos os “canais de marketing” são assim ocupados?

Ø

borgNo mundo do Borg já existe “Full Spectrum Dominance” como conceito.

No mundo dos Borg, existe uma frase que eles utilizam quando encontram outras raças: ” a resistência é fútil”. “Preparem-se para ser assimilados”.

Todos em todos os espectros deverão ser assimilados.

Os Borg são uma raça ficcional que existe no mundo da ficção cientifica, descrito na série Star Trek.

O objectivo é o de assimilarem características distintas de uma qualquer outra espécie e juntarem essas características a si próprios – procurando alcançar a “perfeição”.

Os Borg são uma entidade colectiva. Que funcionam apenas alimentados pelo combustível do imperativo. (não o ético, nem o categórico, mas sim o imperativo entendido como uma ordem a obedecer sem discussão.)

A “ordem” é em si mesma “Full Spectrum dominance”. “Preparem-se para ser assimilados, a resistência é fútil”.

Especulativamente e metafóricamente “Can we achieve” Full Spectrum Dominance dita em 2009, poderá corresponder a um qualquer hipotético futuro em que uma qualquer raça (suponhamos que um qualquer híbrido como os Borg se desenvolve na Galáxia) dirá ” a Resistência é fútil, preparem-se para ser assimilados?

O que importa reter é que ambas as frases mas acima de tudo; ambos os conceitos que estão por trás – mesmo que sendo usados em séries de ficção televisivas – emanam dos argumentistas e produtores que nasceram e cresceram numa cultura: a cultura norte americana.

E se existe criatividade, espírito artístico,  etc, nestes conceitos inerentes e próprios das duas séries  e na criação das  duas séries – uma de ficção cientifica e outra de história de agentes secretos, também existe uma lógica cultural de agressividade – de como se vê os outros –  que importa perceber.

O acto de se ver “outros” como sendo passíveis de serem alvo de “Full Spectrum Dominance” ou (invertendo demagogicamente a lógica)  de se dizer que “não permitiremos que os outros nos digam “qualquer resistência é fútil, preparem-se para ser assimilados.

Nota: Existe aqui uma curiosa inversão, no aspecto em que; em Star Trek, existe a “Federação”.

A “Federação” é uma metáfora simbólica para designar o povo da terra e posteriores espécies de planetas que se aliaram numa federação. Presumivelmente liderados pelos antigos países, com os EUA à cabeça, nesse desígnio.

(A inversão está em que, os EUA actuais adoptaram comportamentos idênticos aos dos Borg, mas vêem-se como sendo não os Borg, mas sim a Federação. Que outra coisa não é a doutrina do Full Spectrum dominance, que não possa ser catalogado como “A resistência é inútil , preparem-se para ser assimilados” que é a frase dos Borg? Mas na “cultura popular” (isto é ,televisão e cinema), não se auto retratam assim…)

Os Borg obedeceram a uma necessidade dos argumentistas de Star Trek. Criar um novo e regular inimigo da Federação  para substituir as antigas raças alienígenas que eram as inimigas “oficiais: os Klingon (uma metáfora da URSS) e os Romulans ( uma metáfora simbolizando a China); uma vez que, nas ultimas séries, onde os Borg são mais activos, ambas as espécies eram ausentes (Romulans) e aliados (Klingon).

Logo surge um novo inimigo. O Borg, uma entidade colectiva, semelhante à Internet, sem controlo. (Mais tarde os argumentistas criaram um controlo geral, e uma rainha que controlava os Borg – fazendo com isso uma alusão a planeamento central isto é, ao Estado e ao comunismo, mas sem a URSS, mas sim, já mais recentemente, a alusão é a Rússia actual, com a “Borg Queen” a ser Putin, suponho…)

Seguindo este mesmo tipo de raciocínio, dos argumentistas e que – parece ser – é o mesmo tipo de raciocino dos norte americanos em geral; da cultura norte americana em geral, não espantará que os militares americanos tenham criado o conceito de “Full Spectrum Dominance,” porque também obedece à criação de um novo Borg (inimigo) , que é tudo que esteja dentro do espaço que pretende vir a ser controlado pelos EUA.

É como se, cinematograficamente, o conceito Borg, seja a resposta ou o espelho da estratégia e doutrina militar do conceito Full Spectrum Dominance.

Consideradas só estas duas dimensões, quase que um é o espelho do outro em termos de conceito, só que um é um documento oficial, e o outro é a materialização através de imagens de ficção cientifica do conceito existente no documento oficial.

Só uma cultura, cujos membros estão de algum modo homogeneizados no que pensam acerca de si próprios e do resto do mundo reage em várias dimensões desta forma…

Ø

Nota final: o conceito Full Spectrum Dominance” é amplamente divulgado; até em séries de cultura popular.

Pode ser que ninguém repare e se entranhe nas cabeças das pessoas a aceitação deste tipo de conceitos. É assim que se consegue quebrar a vontade dos (potenciais) inimigos ou potenciais ameaças...através do “convencimento”…

Anúncios

Written by dissidentex

29/01/2009 às 21:13

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: