DISSIDENTE-X

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS: VENCEDORES E VENCIDOS

VENCEDORES DAS ELEIÇÕES.

Vencedor 1: (o verdadeiro vencedor das eleições e quem está a derrotar o regime…)

A abstenção eleitoral.

Continua a subir, com calma e segurança, até chegar suavemente ao ponto em que o regime se tornará insustentável, e deixará espaço político TOTALMENTE aberto para que as forças que o querem destruir e subverter o possam eficazmente e totalmente fazer.

Pelo meio temos os políticos de opereta mais os analistas regimentais televisivos a desculpabilizar o problema, e sem saberem exactamente porque acontece.

E acontece porque existem pessoas que compreenderam que votem ou não votem são as pessoas do dinheiro e a “economia” que decidem, de facto, como irá o país ser governado.

Logo para quê votar? Logo para quê fingir-se acreditar estar a existir escolha verdadeira e real?

Questões que os abstencionistas colocam…a si mesmos…

Ø

Vencedor 2 (O verdadeiro vencedor das eleições nos partidos)

Paulo Portas e o CDS.

Um político demagogo, hipócrita, patologicamente mentiroso, estruturalmente ineficaz e incompetente, que apenas consegue apelar aos piores medos das pessoas, induzindo-lhes (sempre) mais medo; conseguiu ter um salto eleitoral expressivo.

As pessoas do dinheiro, as pessoas muito ricas estão imensamente satisfeitas com esta subida de Paulo Portas e do CDS.

A democracia está evidentemente mais corroída, porque agora teremos um trombone demagógico mediático a zurrar nas televisões e nos jornais despejando demagogias em directo ou em diferido.

Fazendo chantagens emocionais demagógicas a todo o tempo.

É absolutamente péssimo que quase 600 mil pessoas, tenham decido votar neste partido político que apenas defende os interesses dos muito ricos.

Um partido que deveria apenas ter um horizonte eleitoral de 50 a 100 mil pessoas (e estou a ser generoso) consegue transcender a sua base real de apoio e fazer parecer que vale verdadeiramente mais do que aquilo que vale.

Temos que, no entanto, dar os parabéns às embalagens de demagogia e ao conteúdo que Paulo Portas e o CDS conseguiram vender a esses extasiados 600 mil.

Prova-se que a marca de demagogia, apelos irracionais ao medo, jogar com os piores medos das pessoas que são a imagem de marca desta pequena seita política, mas foram no entanto eficazmente vendidas e promovidas por Paulo Portas e pelo CDS, com um êxito assinalável.

Demonstração que as forças que se opõem a esta pequena seita tem muito que aprender para combater a demagogia proto totalitária  de Paulo Portas e amigos.

Ø

Vencedor 3

O partido comunista português.

O partido sarcófago, que está em estado de ligação à maquina desde 1989 conseguiu manter-se

(essa é a sua vitória e o seu objectivo para a época político desportiva…) à tona e ainda subiu votos  (mais 30 mil) e deputados (mais 1).

Nada mau para quem está lá nos fundos, completamente emparedado entre globalização, alterações da ordem política e social, queda do comunismo real, etc.

São as vantagens de ter um “líder avó simpático”, de apenas jogar para se manter no nicho de mercado que ocupa (o verdadeiro objectivo político) e beneficiar de incompetências várias de outros.

E tem sido assim que tem sido menosprezados por outros (imprensa incluída…),mas continuam a manter-se à tona, e até a manterem-se mais à tona, desta vez.

Parabéns à democracia portuguesa: pela lógica das coisas este partido já deveria ter deixado de existir, mas actores dentro deste sistema continuam a manter vivas as condições para que este partido exista…( resta perguntar porquê…)

Ø

DERROTADOS DAS ELEIÇÕES.

Derrotado 1

O partido socialista.

Um partido que apenas tem dois objectivos políticos é sempre um partido limitado.

Como é um partido limitado a apenas ter dois objectivos políticos, ganhar eleições desta forma é-lhes e sabe-lhes sempre como sendo uma grande vitória – não aspiram a mais…

No entanto, para um partido político cujos responsáveis “gritaram” durante 4 anos e meio que estavam a governar bem, muito bem e que nunca ninguém alguma vez governou tão bem em toda a história do Universo conhecido e desconhecido, torna-se estranho ter menos meio milhão de votos e menos 25 deputados.

Pobres portugueses ingratos que chamados a cumprir um ritual semi inútil de 4 em 4 anos, mesmo assim não souberam reconhecer a magnificência governativa do Partido socialista.

Deviam ser açoitados…

Ø

Derrotado 2.

O partido social democrata.

Perdeu em quase toda a linha. Perdeu à direita, perdeu para o PS, perdeu em todas a frentes, perdeu na percepção que o eleitorado deixa de ter deste partido como sendo um partido de poder.

E do que se estava à espera, com a líder que o partido tinha, com os jotas a cheirar a leite de Cascais que o partido tinha a apoiá-lo, com a ausência de ideias e conteúdos programáticos que tivessem qualquer lógica ou fizessem qualquer sentido; só mesmo os próprios acreditavam que iriam ganhar.

Quando se mandam importar substancias psicotrópicas de lugares exóticos como o Afeganistão – deve ter sido isso que aconteceu com os líderes dos PSD – e se experimenta as mesmas; deve ter sido isso que aconteceu, a realidade tem sempre uma cor de rosa diferente.

Agora vão passar os próximos dois anos em estado de guerra interna, e a oferecerem-se ao PS para gerirem isto em estado de Bloco Central, (para “salvar o país…) enquanto não entram em funções os neoliberais do partido…

Ø

Derrotado 3

O Bloco de esquerda.

Apesar de terem duplicado o número de deputados e terem obtido mais 200 mil votos são um dos derrotados.

Prova-se em face dos resultados que o BE deveria ( acaso tivesse sido ousado para tal e não estivesse infestado de oportunistas e arrivistas que apenas querem obter poder e notoriedade, sem mexerem uma palha para tal, deixando Louçâ sozinho a levar com o bafo anti BE da comunicação social, e dos outros 3 partidos…como sucedeu na ultima semana de campanha eleitoral) ter obtido mais votos e chegado perto dos 12% (ou mais) e não ficar encostados nos 9.8%.

Podem decidir auto enganar-se e ficarem altamente satisfeitos pela “duplicação da votação” e deputados (bla,bla), mas a realidade dos factos diz que levaram um soco nos cornos do pior adversário que poderiam ter levado o soco: o CDS-PP.

(Comparativamente) Isso significa que a marca da demagogia do BE passa menos no eleitorado do que a marca da demagogia do CDS e isso – do ponto de vista do BE – deveria ser considerado como algo de muito preocupante.

Ficar em 4º lugar atrás do CDS, é humilhante, desprestigiante, ridículo, e coloca o BE a ter que supostamente “negociar” guerras e combate ideológico à distância com o CDS, mas colocado nas mesmos patamares de “valer o mesmo peso eleitoral” que a seita Portas.

Qualquer esperança que o BE retirasse do seu programa político algumas ideias lunáticas que lá estão terminou aqui.

Para Portugal é péssimo, porque dá mais força a radicalismos imbecis de sinal contrário em choque uns com os outros, que em vez de começarem a parecer ser mais fortes do que são ( como até aqui) agora são efectivamente  mais fortes.

De forma que o concurso de imbecilidades demagógicas vai começar. O CDS parte à frente…

São também derrotados de outra forma: nem sequer o BE conta como parceiro de coligação. A margem de manobra política está assim condicionada e não lhes permite pressionar o PS dessa forma.

Ø

Derrotado 4

José Sócrates.

Será exigido a este senhor que “negoceie” política e consensos. Isso é estruturalmente e psicologicamente algo de adverso para a lógica autocrática deste senhor que a dada altura perderá a calma e começará a vitimizar-se.

Também a aura de “pretty boy” desapareceu, o que significa que o “poder” e a ideia que dali emana dele sobre o resto dos carneiros socialistas é mais fraca e ténue.

Ø

Cavaco Silva

Este semi cadáver político viu as suas hipóteses de ser eleito de forma clara daqui a um ano serem seriamente ameaçadas por estes resultados e pelas intrigalhadas em que se decidiu meter nos últimos tempos ( caso das escutas).

Agora será alvo de uma guerra de atrito político e a sua posição deixou de ser a toda a prova. Como sempre foi um aprendiz de Maquiavel ( consta que não o tinha lido há uns anos…) tal status apenas coincide com a parvoíce política em que se meteu.

Mas defender o país nunca foi exactamente o objectivo deste senhor…

Advertisements

Written by dissidentex

28/09/2009 às 8:26

%d bloggers like this: