DISSIDENTE-X

Archive for Julho 2012

MIGUEL RELVAS – OS DIRECTORES DO CURSO DE CIÊNCIA POLÍTICA ( nos cursos desta Universidade os créditos de 4 cadeiras transformam-se em 32…) DEMITEM-SE.

Ø

Directores de Ciência Política da Lusófona pedem demissão

 
Ainda não se conhecem as conclusões da auditoria do ministério da Educação que está a decorrer há uma semana na Universidade Lusófona, mas há novas “vítimas” do caso da licenciatura de Miguel Relvas: a direcção da Faculdade de Ciência Política, Lusofonia e Relações Internacionais.
Ângela Montalvão Machado, directora da faculdade, colocou o seu lugar à disposição na segunda-feira ao fim do dia, na sequência de uma reunião com o reitor, Mário Moutinho, e o administrador, Manuel Damásio. Por “solidariedade”, os outros dois directores, José Medeiros Ferreira e Fernando Pereira Marques, seguiram-lhe os passos.

O PÚBLICO tentou contactar a universidade e os demissionários, mas sem sucesso. Apenas Medeiros Ferreira respondeu ao PÚBLICO que colocou o seu lugar à disposição “por uma questão de solidariedade” e que não esteve presente no encontro de anteontem. “Fui convidado pela professora Ângela Montalvão Machado em Setembro do ano passado para ser director da licenciatura em Estudos Europeus e Relações Internacionais”, contou Medeiros Ferreira. “Como ela pôs o seu lugar à disposição, senti que devia ser solidário com quem me convidou”, afirmou, sem querer falar sobre as razões da directora do curso de Ciência Política e Relações Internacionais – em que o ministro Miguel Relvas se licenciou em 2007 – e da faculdade.

Estão a decorrer em simultâneo duas auditorias na Universidade Lusófona aos 89 processos de alunos, entre os quais o ministro Miguel Relvas, que receberam entre 120 e 160 créditos pelo reconhecimento da experiência profissional, permitindo-lhes concluir num só ano uma licenciatura que demoraria, em tempo normal, três anos lectivos. A auditoria do ministério da Educação deverá estar concluída na última semana de Agosto, tendo depois a universidade dez dias para se pronunciar. Os resultados da auditoria interna só serão divulgados depois, já anunciou a universidade. Uma decisão que contraria o que a própria instituição afirmara no início deste mês, quando anunciou esse procedimento, altura em que Manuel José Damásio, responsável pela área de serviços administrativos, dizia ao PÚBLICO que haveria resultados dentro de duas semanas.

Ø

Notícia da comunicação social, sobre eucaliptos que secam tudo à volta, dia 24 de Julho de 2012

Ø

Sugere-se ao visados um comprimido para se recomporem desta odisseia.

Anúncios

DA CORRUPÇÃO – OS QUE ALINHAM COM ISTO.

Ø

Ø

Engana-se quem pensa que a sociedade portuguesa está como está porque “é azar” ou “foi por acaso”.

Nada é por acaso.

Nada foi por acaso.

Ø

Caminhou-se durante algum tempo, para chegar aqui .

Um “certo e específico “trabalho” de engenharia social que levou aos resultados a que assistimos.

A degradação de qualquer ideia de vida cívica e cidadania. À degradação da decência.

Ø

É o trabalho de engenharia social reversível?

É reversível.

Mas como se pode ver em relação a um cartaz que por aí circula…existem alguns equívocos…

“Você poder deter a corrupção?”

…existem alguns equívocos…bastantes equívocos.

Ø

Ø

Pergunta-se?

Será que se quer?

Existirá quem queira, não a maioria das pessoas.

Os portugueses são um povo de merda, que pactua com a corrupção, sob todas as suas formas.

A maioria das pessoas gosta desta esterqueira.

E há muitos vendidos.

Ø

A maior parte das pessoas é corrupta – moralmente corrupta – e não no sentido cristão do termo (essa é outra forma diferente de corrupção) – e alinha com esta merda julgando vir dai a receber benefícios.

O resultado é o que se vê.
E poderia ser algo de diferente?

Ø

Quanto aos cabrões de extrema direita que julgam que este discurso constitui apoio às suas posições, vão-se foder!

Written by dissidentex

25/07/2012 at 10:56

VÍTOR GASPAR – UM MINISTRO IMCOMPETENTE QUE DISFARÇA BEM…

Ø

* A Direcção-Geral do Orçamento (DGO) divulgou esta segunda-feira o boletim da execução orçamental do primeiro semestre, que mostra que as administrações públicas cumpriram em Junho o objectivo do saldo do segundo trimestre definido pelo programa de ajustamento: o défice foi de 4137,8 milhões de euros, menos 262,2 milhões do que o limite fixado pela troika.

O défice do Estado caiu quase 50% até Junho, atingindo os 3,2 mil milhões de euros, enquanto o défice da Administração Central (Estado mais Serviços e Fundos Autónomos, como universidades, institutos públicos e hospitais) e da Segurança Social atingiu os 1,23 mil milhões. Contudo, estas contas beneficiam do efeito da transferência da parte remanescente dos fundos de pensões dos bancários (no valor de 2,68 mil milhões), que fez disparar em 252,8% as receitas de capital.

As receitas fiscais continuam em queda, acumulando até Junho uma diminuição de 3,1%, acima do crescimento de 2,6% esperado no Orçamento do Estado Rectificativo (OER). Os impostos indirectos estão a ser os principais responsáveis pela derrapagem, caindo 5,2%, com destaque para o IVA (-1,8%).

Ainda assim, destaca a DGO, houve alguma recuperação face ao mês anterior, particularmente no caso do IVA. Até Maio, as receitas fiscais estavam a cair mais (-3,5%) e o IVA estava a apresentar um recuo de 2,8%. Já as receitas dos impostos directos (IRS e IRC) estão a aumentar 0,4%.

Ø

Notícia da comunicação social, dia 23 de Julho de 2012

Ø

Segundo fonte das Finanças, os números da execução orçamental vêm confirmar os riscos já identificados nas contas até Maio. Este será, aliás, um dos temas quentes que vai estar em cima da mesa na próxima avaliação da troika, no final de Agosto. Os últimos números do Instituto Nacional de Estatística – os únicos que são directamente comparáveis com os compromissos assumidos com a troika visto que estão expressos em contabilidade nacional (a óptica usada no reporte a Bruxelas) – mostram que o défice ficou em 7,9% no primeiro trimestre, bem acima da meta de 4,5% com que o Governo de comprometeu atingir no final do ano.

Segurança Social com excedente cada vez menor

Enquanto o Estado fechou o primeiro semestre com um défice de 3,2 mil milhões de euros, o subsector dos Serviços e Fundos Autónomos registou um excedente de 1,7 mil milhões. A contribuir para isso esteve a transferência para o Serviço Nacional de Saúde da primeira tranche de 750 milhões de euros para pagamento de dívidas em atraso.

O Orçamento Rectificativo prevê que, no total, sejam transferidos 1500 milhões, provenientes das receitas conseguidas com a transferência dos fundos de pensões dos bancários. O processo deverá ficar concluído até ao final de Agosto.

Já o saldo da Segurança Social continua a registar um excedente, de 273,8 milhões, mas cada vez mais tímido, devido ao impacto que a recessão e o desemprego estão a ter nas contas, diminuindo as receitas provenientes das contribuições e quotizações e aumentando as despesas com prestações sociais, nomeadamente com o subsídio de desemprego.

Ø

Notícia da comunicação social, dia 23 de Julho de 2012

Ø

* O cartaz está também relacionado com o conteúdo deste post

PEDRO PASSOS COELHO E O PSD: DÍVIDA PÚBLICA AUMENTA. Isto sim, é que é boa gestão…)

Ø

Ø

Fiquemos pois,  galvanizados e em êxtase individual e colectivo perante tão magníficos resultados….

Um aplauso, impõe-se…

Ø

Notícia da comunicação social, sobre os êxitos estrondosos deste governo, dia 23 de Julho de 2012

Ø

Um aplauso, impõe-se…

Ø

Mas não fiquemos preocupados nem em estado alarmista. Estes rapazes estão apenas  ganhar balanço, para chegarem rapidamente a valores superiores…

PEDRO PASSOS COELHO E O PSD: RICOS PAGARAM MENOS IMPOSTOS

Ø

Ø

Notícia da comunicação social, sobre a criação de riqueza em Portugal, dia 17 de Julho de 2012

Ø

Ø

 NOTA: Parece também ser fácil de perceber que os dados de 2011 e de 2012 , são MUITO piores que os de 2010 e 2009, mas o Correio da manha não perde oportunidade de dar uma bicada em Sócrates, metendo dados de 2010,quando os dos dois anos subsequentes já estão disponíveis.

Ø

Passos promete distribuir “sacrifícios com mais equidade”

“Acreditamos que temos condições para honrar os nossos compromissos e seguir um caminho com outra justiça, que distribua os sacrifícios com mais equidade”, sublinhou.

Na declaração sem direito a perguntas, Passos apresentou-se com uma mensagem de confiança “ao País e aos portugueses”: “a crise em que Portugal tem vivido de há muito tempo a esta parte será enfrentada com determinação por todos nós”.

Ø

Notícia da comunicação social, quando valia dizer tudo para se ganhar eleições, dia 23 de Março de 2011

CORRUPÇÃO EM PORTUGAL: A GERAÇÃO DOS CHICO ESPERTOS

Ø

(…) Os “casos Relvas” pouco tem a ver com o percurso mitificado dos nossos fundadores. Simbolizam antes a geração de “chicos espertos” que, já durante o século XXI, chegou ao poder. Provêm maioritariamente das jotas, chegam a deputados de quarta fila durante a década de 80, com 20 e poucos anos, e rapidamente descartam quaisquer qualificações académicas em detrimento de uma actividade política rapidamente recompensadora. São recrutados com o secundário completo, sem que o sistema os obrigue à conclusão de um grau académico, rapidamente se tornando protegidos e/ou afilhados, categoria que geralmente acumulam com a de cacique empenhado e que lhes possibilita a obtenção de lugar de destaque nas hierarquia da jota e/ou do aparelho partidário. Depois, quando fora do Parlamento, e da intervenção nos “Passos Perdidos”, são encaixados em empresas amigas, escritório de advogados amigos ou no sector Estado amigo. Até regressarem a São Bento e, imaginem, ao Governo de Portugal. Tudo dentro da normalidade construída e cimentada nos últimos 30 anos da democracia portuguesa pelos partidos do arco governamental (porque nestes casos não há ideologia que aguente). Assim não estranha a inconsequência e impunidade política. Ou, o arranjinho para a empresa do amigo, a licenciatura aos 40 anos ou a mania do controlo da comunicação. Afinal, Relvas mais não faz que reproduzir um padrão de comportamento tantas vezes utilizado e reutilizado por uma geração de chicos-espertos que, aproveitando a sedimentação do nosso sistema político, e a entrada de Portugal na CEE, se especializaram na permanência permanente (redundância deliberada) na órbita do sistema, assim fazendo uma vida.

E enquanto esta caravana passa, certamente que muitos dos de 75 levam as mãos à cabeça questionando-se: “como foi isto possível” (os puros); enquanto outros lavam as mãos e batem na cabeça dizendo: “como pude eu fazer isto possível” (os padrinhos).

Ø

Artigo de opinião na comunicação social, dia 17 de Julho de 2012

Ø

MIGUEL RELVAS – OS ESCUDEIROS LEVANTAM-SE OU “LÍDER DA JSD PEDE EXPLICAÇÕES DA LICENCIATURA DE RELVAS A MARIANO GAGO


Ø

Ø

Notícia da comunicação social, dia 14 de Julho de 2012

Ø

Em Fevereiro 2012, este escudeiro tinha combatido o desemprego.