DISSIDENTE-X

Archive for the ‘CARIDADE NEO LIBERAL’ Category

PEDRO PASSOS COELHO E O DESEMPREGO: ESTAR DESEMPREGADO TEM QUE REPRESENTAR UMA “LIVRE ESCOLHA”?!?!

Ø

“Estar desemprego não pode ser um sinal negativo. Despedir-se ou ser despedido não tem de ser um estigma. Tem de representar também uma oportunidade para mudar de vida. Tem de representar uma livre escolha, uma mobilidade da própria sociedade”, afirmou Pedro Passos Coelho na apresentação do programa +E+I.

Ø

Notícia da comunicação social, declarações de um primeiro ministro incompetente sobre uma situação que nunca conheceu na vida, (porque tem amigos e ter amigos é bom)  o desemprego, dia 11 de maio de 2012

Ø

Ø

Portugal é o quinto país, num total de 26, com mais jovens empregados em trabalhos temporários. Um total de 56,4% dos empregados com idades compreendidas entre os 15 e os 24 anos encontram-se nessa situação, contra apenas 19,9% dos adultos. Os dados são de 2011 e foram revelados pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), num relatório ontem disponibilizado.

Cruzando aquela percentagem com o valor médio do emprego jovem em 2011, dado recolhido junto do Instituto Nacional de Estatística (INE), conclui-se que há 175 mil jovens com trabalhos precários em Portugal, numa população empregada, na faixa dos 15 e 24 anos, que totalizava 310,3 mil em 2011 (valor médio anual).

Ø

Que bom. É a livre escolha destas pessoas a funcionar…

Notícia da comunicação social acerca dos êxitos do actual governo, dia 22 de maio de 2012.

Ø

Aplaudam os êxitos deste governo do PSD de pé , por favor…

Advertisement

O DESEMPREGO EM PORTUGAL PROMOVIDO PELO PSD E POR PEDRO PASSOS COELHO – OS GRANDES ÊXITOS DESTE GOVERNO…

Ø

Especialistas dizem que novo código vai agravar o desemprego

Porque sobe tanto o desemprego em Portugal? As empresas estão a querer despedir mais? Diogo Leote Nobre considera que há uma necessidade de sobrevivência que obriga a reduzir custos. Já Fausto Leite admite aproveitamento, por parte das empresas, para se livrarem de trabalhadores. Ambos concordam que as alterações previstas ao Código do Trabalho podem agravar o desemprego.
Diogo Leote Nobre, partner da Cuatrecasas, Gonçalves Pereira

“As empresas têm de reduzir custos e são obrigadas a despedir”

O que motiva este aumento da taxa de desemprego? As empresas estão a querer despedir mais?
Este aumento não tem rigorosamente nada a ver com qualquer mudança na legislação do trabalho, porque as alterações ainda não estão em vigor. Ainda terão que ser promulgadas. O que me parece é simples: as empresas têm de reduzir custos, sob pena de entrarem até em processo de insolvência. Como não se pode reduzir ordenados, sem reduzir o horário de trabalho, as empresas estão a ser obrigadas a despedir. Quer seja por necessidade de reduzir a sua actividade, quer tenha a ver com a necessidade de reduzir despesas, as empresas não têm alternativa se não negociar. Na minha carreira nunca assisti a tantos acordos para a cessação de contrato de trabalho.

Os trabalhadores estão mais resignados com a perda do emprego?
Os trabalhadores têm a percepção de que as empresas não têm alternativa e sentem que a situação vai piorar ainda mais. Antevêem mais mudanças. Há uma percepção psicológica que vai ser cada vez pior e não é de descartar outros pacotes legislativos que possam limitar ainda mais esta situação. Por exemplo, se Portugal precisar de um segundo pacote de ajuda, esse novo apoio pode vir acompanhado de novas medidas de âmbito laboral.

As alterações ao subsídio de desemprego são encorajadoras da procura de trabalho?
É quase ofensivo o Governo dizer que servirá de incentivo. Não há quem esteja a contratar, isso é um argumento demagógico. A questão é que também não há incentivos à contratação. Não vejo, nas alterações legislativas, nenhuma medida que promova a contratação. Não me parece que as alterações previstas do Código de Trabalho fomentem a criação de emprego.

Ø

Notícia da comunicação social, dia 18 de maio de 2012, relacionada com os “êxitos do actual governo”em matéria de desemprego.

Ø

Mais de metade dos jovens desempregados não aparecem nas estatísticas oficiais de emprego porque já desistiram de procurar trabalho, declarou hoje a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

O desemprego entre jovens de 15 a 24 anos está nos 22,6% para a média dos 30 países da OCDE – sete pontos mais que em 2007. Em alguns países, contudo, a situação é muito mais grave: em Espanha e na Grécia a taxa ultrapassa os 50%, em Portugal está nos 36,1%, mas mesmo assim a taxa de desemprego “não reflete toda a realidade”, alerta a OCDE.

“Muitos jovens que abandonaram o sistema de ensino deixaram de aparecer nas estatísticas de emprego”, lê-se num comunicado da organização, estimando em 23 milhões o número de jovens sem trabalho. “Mais de metade desistiu de procurar por emprego”, afirma o documento.

Para a OCDE, há “uma preocupação crescente de que uma proporção significativa e cada vez maior da população esteja em risco de um desemprego ou inatividade prolongados”.

(…)

Ø

Notícia da comunicação social, dia 18 de maio de 2012, sobre a juventude hedonista e ambiciosa que acha que deve ter um emprego, que é , como se sabe, um luxo próprio de países.

Ø

Ø

Contratados a prazo pagam fatia de leão do desemprego recorde

Valem só 20% dos trabalhadores por conta de outrem, mas são os que mais contribuem para a subida do desemprego

(…)

Os trabalhadores contratados a prazo são apenas um quinto do total de trabalhadores por conta de outrem, mas é desta esfera menos protegida pela lei laboral que estão a sair mais pessoas para o desemprego, segundo dados a que o iteve acesso.

Nos primeiros três meses do ano saíram cerca de 60 mil contratados a prazo para o desemprego, mais 12 mil que o registado pela esfera de trabalhadores com contratos sem termo. O regresso ao emprego é também feito sobretudo com recurso a contratos a prazo (mais do dobro dos permanentes).

(…)

Notícia da comunicação social, dia 18 de Maio de 2012, sobre os luxos  que os portugueses querem ter, especialmente os contratados a prazo, (” a tal técnica jurídica de empregabilidade que ia reduzir o desemprego…)

Ø

LÍDER DA JSD E O COMBATE AO DESEMPREGO: UMA QUESTÂO DE FÉ…

Ø

Ø

O actual  governo do PSD tem como objectivo estar sempre  em busca de uma nova maneira de enganar os cidadãos.

Cada avanço obtido na melhoria da eficiência necessária para alcançar o objectivo conduz inevitavelmente a novos problemas.

Quando os novos  problemas surgem, a lógica do governo do PSD nunca é parar para ver o que está errado, (auto consideram-se infalíveis)  mas sim construir novas maneiras de enganar os cidadãos que permitam contribuir para a sobrevivência do governo do PSD.

Ø

Líder da JSD diz que combate ao desemprego é “questão de fé”

Duarte Marques considera que a resolução do problema é “uma questão de fé” e, em entrevista ao P3, explicita as propostas que poderão ser adoptadas pelo Governo e apresentadas à UE

Ø

Declarações incrivelmente estúpidas do líder da JSD e ofensivas para os desempregados e para a sociedade, sobre desemprego e sobre fé, na comunicação social, dia  23 de Fevereiro de 2012

É claro que o líder da JSD tem emprego garantido fazendo um trabalho onde não se cansa muito nem tem que trabalhar muito, ou sequer de fazer um trabalho útil à sociedade  sendo por isso que teve tempo para proferir estas declarações.

Ø

ASSUNÇÂO CRISTAS – APENAS UMA MINISTRA EXTREMAMENTE INCOMPETENTE QUE ESPERA QUE CHOVA – parte 3

Ø

Ainda é Inverno, mas vários concelhos estão em risco alto de incêndio

(…) Nos últimos dias, tem havido um número significativo de ocorrências. Desde 6 de Fevereiro – um mês onde o usual seria a chuva –, foram registados 3254 incêndios, segundo dados da Autoridade Nacional de Protecção Civil. Só ontem, foram mobilizados 3052 bombeiros e 827 viaturas para combater 372 fogos.

O tempo seco prolonga-se em Portugal desde Dezembro. Até 15 de Fevereiro, 5% do território continental estavam sob seca meteorológica “extrema”, 70% em “seca severa” e os restante 25% em “seca moderada”.

Ø

Notícia da comunicação social, sobre secas e incêndios no inverno português, dia 25 de Janeiro de 2012

Ø

Ø

Devo dizer que sou uma pessoa de fé, esperarei sempre que chova e esperarei sempre que a chuva nos minimize alguns destes danos. Como é evidente, quanto mais depressa vier, mais minimiza, quanto mais tarde, menos minimiza. Se não vier de todo, não perderei a minha fé mas teremos obviamente de atuar em conformidade”, acrescentou a ministra do Ambiente, do Mar, da Agricultura e do Ordenamento do Território.

Ø

Assunção Cristas, notícia sem chuva, mas com muita fé; da comunicação social, dia 21 de Fevereiro de 2012.

Ø

A Liga dos Bombeiros Portugueses revelou nesta quarta-feira que muitas corporações de bombeiros estão sem dinheiro para responder aos actuais incêndios florestais, alertando para a possibilidade de os carros deixarem de combater os fogos por falta de verba para combustível (…)

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), Jaime Marta Soares, disse à agência Lusa que, nesta altura do ano, “não há qualquer tipo de financiamento” para as despesas com os incêndios florestais, que trazem “custos acrescidos às corporações de bombeiros”, que já estão com problemas financeiros devido aos cortes no transporte em ambulâncias de doentes não urgentes.

Ø

Parte 1

Parte 2

ASSUNÇÂO CRISTAS : APENAS UMA MINISTRA EXTREMAMENTE IMCOMPETENTE QUE ESPERA QUE CHOVA – parte 2

Ø

Devo dizer que sou uma pessoa de fé, esperarei sempre que chova e esperarei sempre que a chuva nos minimize alguns destes danos. Como é evidente, quanto mais depressa vier, mais minimiza, quanto mais tarde, menos minimiza. Se não vier de todo, não perderei a minha fé mas teremos obviamente de atuar em conformidade”, acrescentou a ministra do Ambiente, do Mar, da Agricultura e do Ordenamento do Território.

Ø

Notícia sem chuva, da comunicação social, dia 21 de Fevereiro de 2012.

Ø

Devemos ter fé que esta senhora saia do cargo que ocupa o mais rapidamente possível. E desapareça.

Esta pobre alminha anda desde o dia 14 de Fevereiro a falar de fé e de chuva…

Talvez fosse melhor deixar-se de tretas e começar a fazer aquilo para que é paga enquanto ministra.

Accionar os mecanismos europeus de compensação pelo facto de termos uma seca em perspectiva em vez de andar a falar de fé.

Ou isso ou começar a dançar.

Ø

Como fazer uma dança da chuva:Tutorial exemplificativo

1.Nunca fazer a dança da chuva numa montanha.
2. Certifique-se que tem bastante espaço para evitar embater em alguma coisa.
3. Rode sobre si, no sentido dos ponteiros do relógio.
4. Crie o seu próprio cântico para fazer chover.  Deve ser ritmado e fácil de ser dito.
5. Grite o seu cântico e ao mesmo tempo rode sobre si mesmo em círculos.
6. Se não quer que chova, rode sobre si mesmo no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio e recite o seu cântico ao contrário.

Informações adicionais: É aconselhável vestir-se de índio norte americano para entrar no espírito da coisa.

ASSUNÇÂO CRISTAS – APENAS UMA MINISTRA EXTREMAMENTE INCOMPETENTE QUE ESPERA QUE CHOVA

Já há dois meses que há problemas de falta de chuva e agora a solução é esperar pela fatalidade do destino?

Precisamos de ministra para quê,então?

Para nos dizer que tem esperança?

Ø

Ø

Notícia sem chuva, da comunicação social,dia 14 de Fevereiro de 2012

Ø

Como fazer uma dança da chuva:Tutorial exemplificativo

1.Nunca fazer a dança da chuva numa montanha.
2. Certifique-se que tem bastante espaço para evitar embater em alguma coisa.
3. Rode sobre si, no sentido dos ponteiros do relógio.
4. Crie o seu próprio cântico para fazer chover.  Deve ser ritmado e fácil de ser dito.
5. Grite o seu cântico e ao mesmo tempo rode sobre si mesmo em círculos.
6. Se não quer que chova, rode sobre si mesmo no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio e recite o seu cântico ao contrário.

Informações adicionais: É aconselhável vestir-se de índio norte americano para entrar no espírito da coisa.

ASSUNÇÂO CRISTAS E O IVA NA FRUTA NATURAL: APENAS A IMCOMPETÊNCIA DE UMA MINISTRA

Ø

“A ministra da Agricultura desvalorizou hoje a subida do IVA na alimentação para bebés, afirmando que as alturas de crise são alturas para “voltar a dar fruta em estado natural às crianças”.

(…)

A ministra acrescentou que “as alturas de crise são também alturas para os pais reflectirem sobre o que dão às crianças e voltar a dar fruta em estado natural, que não tem IVA”. E rematou: “não vejo ninguém da área da saúde com essas preocupações”.

Ø

Notícia da comunicação social, dia 18 de Novembro de 2011

Ø

Só existe um pequeno problema com esta teoria filosófica: a fruta “natural” já tem IVA à taxa reduzida incorporado no seu preço.

Ø

Ø

Ø

Como se pode ver , alias no ponto 1.6 da imagem.

Tabela da página das finanças acedida, no dia 18 de Novembro de 2011

Mas paga-se mesmo um ordenado a esta gente?

É isto que é governar?

Dar palpites nos jornais sobre taxas de Iva?

Isto é que é mérito e competência?

PEDRO PASSOS COELHO, APENAS SUBSERVIÊNCIA E INCLINAÇÂO PARA A FRENTE

FOTO: El Pais, dia 1 de setembro de 2011.

Ø

Alguns dias mais tarde na Alemanha:

Ø

” Todos sabem que o primeiro-ministro de Portugal foi à Alemanha visitar a chanceler Merkel e, pelo menos desta vez, não é necessário perguntar qual o conteúdo das conversações.

Ø

Basta olhar para as fotografias que nos chegaram pela imprensa – elas dizem tudo. Tenho diante de mim a foto de destaque de um quotidiano generalista e popular. Que vejo? Passos Coelho está inclinado para a frente, quase a fazer uma vénia e com as mãos juntas como numa prece. Olha amedrontadamente para a chanceler, como se estivesse a pedir desculpa por alguma coisa. A chanceler alemã, por seu turno, caminha com desenvoltura, não olha para Passos Coelho, transmitindo uma impressão de enfado e de pressa ou, quando muito, de condescendência em relação à presença do primeiro-ministro.

“…”

Uma outra interpretação, aquela que eu prefiro, é a seguinte: a fotografia em causa espelha não uma inevitabilidade, mas antes a posição específica da actual maioria no Governo e do seu líder diante da Alemanha e da Europa. Sendo assim, a postura física de Passos Coelho corresponde a uma atitude psicológica de “servidão voluntária”, para usar a famosa expressão de La Boétie, e mesmo a um desejo de auto-punição, correspondente à vontade castigadora dos países centrais do euro em relação aos países do sul. Ao ver Passos Coelho na fotografia recordei-me das declarações, igualmente servis e pueris, de Paulo Rangel quando, diante das críticas de Merkel ao derrube do Governo Sócrates, disse: “a chanceler Merkel quando vir o Governo do PSD vai respirar de alívio”.

Ø

João Cardoso Rosas, declarações à comunicação social, dia 9 de setembro de 2011.

Foto com Ângela Merkel – Record, dia 2 de setembro de 2011.