DISSIDENTE-X

Archive for the ‘SIEMENS’ Category

EX-ADMINISTRADOR DA SIEMENS ADMITE SUBORNO A SINDICATO.

leave a comment »

O capitalismo tem ideias muito simples e concretas.

Fonte: Jornal Público de 24 de Setembro de 2008

Primeiro: cria-se um sindicato fantasma, em que, no nome exista a palavra “Independente”, para simbolizar afastamento dos sindicatos conotados com ” a esquerda”.

Segundo:o responsável e gestor que o faz, executa isso não autonomamente, mas com o perfeito conhecimento da administração, que apoia a manobra.

Terceiro: por cada trimestre paga-se meio milhão de euros ao sindicato fantasma e as “iniciativas que este resolve fazer”. (De notar que se este dinheiro fosse usado para melhorar as condições dos trabalhadores, tal já não seria feito…)

Quarto: faz-se isto durante 6 anos, sendo o montante total de 30 milhões de euros. Não sendo eu muito dado à matemática penso que as contas do jornal público estão mal feitas. Ou não é por trimestre ou são 12 milhões de euros, ou não são 6 anos , mas sim 3 anos, mas nesta altura do campeonato da incompetência quem quer saber…

Quinto: a AUB, o sindicato “Independente” assina acordos laborais visando “flexibilizar” o trabalho.

Sexto: tal permite a Siemens poupar imensos milhões em horas de trabalho.

Sétimo: o chefe sindical do sindicato AUB, o sindicato independente, quando ainda era chefe, ganhava dois milhões de euros anuais, como chefe de sindicato. Agora está detido por fraude entre outras coisas.

Oitavo: agora – na Alemanha está este caso em julgamento.

Em Portugal todos vemos as tristes figuras que a UGT – central sindical “Independente” ou os sindicatos Independentes na classe médica fazem.

Na Alemanha o sindicato que parece que obstruía o progresso é o IGmetal.

POBREZA. DESEMPREGO. FOME.

leave a comment »

O Magnifico Portugal democrático ( isto é, falsamente democrático), produz isto que se vê aqui ao lado. Uma junta de freguesia gasta metade do seu orçamento a pagar contas dos seus munícipes.

Há a questão de se fazer isto para se ganhar as eleições, mas também há a questão de as pessoas estarem realmente a passar dificuldades.

A população desta área representa um estrato populacional de pessoas com mais idade, de terceira idade, rurais ma sua maioria e com rendimentos baixos. O editorial pertence ao Jornal Global de 1 de Julho de 2008.

Na outra parte do Portugal democrático temos uma notícia do jornal online Kaminhos de Leiria, no dia 27-05-2008, onde democraticamente foram criados novos pobres, pessoas que trabalham e tem supostamente uma vida estruturada, mas são pobres na mesma.

Atrasam-se a pagar as prestações de vários serviços que a sociedade em que vive, psicologicamente e fisicamente, lhes exige que adquiram, sob pena de exclusão social e desintegração.

Democraticamente são mandadas desta forma para o lixo, para o limbo, para uma zona não existente da sociedade.

Estamos a ser todos convencidos de que “isto” é algo de normal e que estas pessoas merecem o que lhes acontece, coisa que na maior parte dos casos não é verdade. Já para não falarmos nas questões económicas subjacentes a isto, que consistem no facto de uma Junta de freguesia não estar a fazer aquilo que uma Junta de freguesia deveria estar a fazer, mas sim a pagar a vida dos seus munícipes. Justificadamente, diga-se, mas esta filosofia que está por detrás – de um assistencialismo que torna as pessoas dependentes em extremo e lhes ataca a sua dignidade enquanto seres humanos é algo do pior.

Esta é a face da subvertida e sabotada democracia portuguesa; democraticamente a pobreza é distribuída por todos, velhos e pobres, urbanos e rurais. Dizem-nos que devemos aplaudir isto. Eu não!

Ainda na Kaminhos do lado esquerdo temos “GARANTIAS” da parte do Governo que não existe um risco de fome em Portugal, que é baixo. Pobre é um Governo que profere este tipo de afirmações , e o mais espantoso ainda é dizer-se que o risco é inexistente caso as instituições de apoio á fome e á pobreza funcionem bem. La Palisse não diria melhor.

Acrescento eu também que, se não chover, as probabilidades de fazer sol são altas.

Já na TSF, notícia de 4 de Julho de 2008, com a maior das calmas desvaloriza-se as falências de empresas dizendo que isso até é normal.

Posso informar se calhar em primeira mão que de forma normal, a Siemens portuguesa, de forma normal e com toda a normalidade vai despedir 300 pessoas no âmbito dos despedimentos de pessoas a nível mundial que visam despachar 17 mil pessoas.

Não é propriamente uma empresa que esteja a reformular a sua base criativa. Mas a irresponsabilidade e o estar-se completamente a borrifar para estes assuntos conjugado com não se saber mesmo o que dizer perante os problemas são as imagens de marca deste governo que, alegremente, desvaloriza aquilo que é óbvio para todas as pessoas.

Devemos sentir orgulho nisto, dizem-nos.

Written by dissidentex

05/07/2008 at 14:09