DISSIDENTE-X

Archive for the ‘PROVOCAÇÃO FEITA AOS CIDADÂOS PELO GOVERNO’ Category

PEDRO PASSOS COELHO E O PSD: DÍVIDA PÚBLICA AUMENTA. Isto sim, é que é boa gestão…)

Ø

Ø

Fiquemos pois,  galvanizados e em êxtase individual e colectivo perante tão magníficos resultados….

Um aplauso, impõe-se…

Ø

Notícia da comunicação social, sobre os êxitos estrondosos deste governo, dia 23 de Julho de 2012

Ø

Um aplauso, impõe-se…

Ø

Mas não fiquemos preocupados nem em estado alarmista. Estes rapazes estão apenas  ganhar balanço, para chegarem rapidamente a valores superiores…

ANTÓNIO BORGES E O PSD: OU COMO ALGUÉM QUE GANHA 225 MIL EUROS LIVRE DE IMPOSTOS FALA EM DIMINUIÇÃO DE SALÁRIOS

Ø

O consultor do Governo para as privatizações, António Borges, defende que descer salários em Portugal é uma «urgência». O ministro das Finanças diz que «essa situação é naturalmente uma consequência indesejável, mas inevitável no processo de ajustamento». Mas, a visão de Gaspar para Portugal passa, contudo, por «bons empregos com salários altos».

(…)

«O que sei é que ele é das pessoas em Portugal que tem maior ambição, maior exigência e maior otimismo relativamente aos padrões de prosperidade e à importância que o crescimento da produtividade tem como suporte de uma economia em Portugal caracterizada por melhores empregos e melhores salários. Eu esperaria que essa ambição para o futuro do país se mantivesse tão forte como sempre».

(Apesar das “exigências” de Borges, apesar da ambição de Borges, apesar do optimismo de Borges o FMI despediu-o por ele não ser suficientemente competente no que fazia.)

Ø

Notícia da comunicação social, dia 4 de Junho de 2012

Ø

Ø

Notícia mentirosa da comunicação social, dia 4 de Junho de 2012

Ø

Ø

António Borges, o consultor do Governo que defendeu esta semana a redução urgente dos salários, ganhou, em 2011, 225 mil euros livres de impostos, apurou o CM. Como director do FMI para a Europa no ano passado, António Borges ganhou cerca de 306 mil dólares (quase 225 mil euros ao câmbio da altura) isentos de impostos, porque tinha, como todos os funcionários do FMI, um estatuto de funcionário de organização internacional (semelhante àquele de que beneficiam os funcionários das Nações Unidas), o que implica o pagamento de salário líquido.

Borges trabalhou, até Novembro de 2010, como administrador da empresa Galeno Participações SGPS. E auferiu um rendimento anual da ordem dos 350 mil euros, acumulando ainda a presidência de um fundo de investimento – o Standards Board – em Londres.

(…)

GOVERNO NÃO REVELA ORDENADO

O Governo não revelou ainda o salário de António Borges como consultor para a área das privatizações, das parcerias público–privadas (PPP) e para a reestruturação do sector empresarial do Estado. A única informação conhecida é que a equipa de cinco economistas liderada por Borges custa 25 mil euros por mês.

Ø

Notícia da comunicação social, dia 3 de Junho de 2012

MIGUEL RELVAS,PINTO BALSEMÃO,ONGOING, OS ASPIRADORES, AS INVESTIGAÇÕES MAIS GRAVES QUE A PIDE E DEMAIS FAUNA DO MESMO ESTILO

Ø

Ø

Num email enviado de Silva Carvalho para Paulo Félix (à data funcionário da Ongoing e ex-PJ), a 4 de Setembro de 2011, Francisco Pinto Balsemão, presidente da Impresa, aparece com um nome de código: Balsinhas. Nele, Silva Carvalho pede que vejam “em fontes abertas” tudo o que há “sobre o Balsinhas”, em particular sobre os empréstimos que tinha, em que bancos, quando venciam. Silva Carvalho argumenta que essa informação interessava à estrutura financeira e económica da Ongoing. Tempos depois, recebe um relatório detalhado de 31 páginas sobre Balsemão, que incluía uma cronologia com dados importantes da sua biografia, uma colectânea de recortes de jornais, listas de amigos, inimigos e aliados e até considerações sobre a sua performance sexual.

Confrontado com estas informações que constam do processo-crime, Francisco Balsemão disse nunca ter suspeitado que tinha sido espiado e comparou a situação a quando foi espiado pela PIDE.

Em declarações ao i, Balsemão disse estar indignado: “Ainda recentemente consultei os relatórios que a PIDE fez quando me espiava. Agora, quando vivemos em democracia, é muito mais grave. Nunca pensei que chegássemos a este ponto numa sociedade de direito democrático.”

O processo confirma ainda que um grupo dentro da Ongoing terá dado início a uma campanha no twitter para difamar Balsemão: foram 1500 tweets, com 900 re-tweets.

Pelo menos uma vez terão sido usados meios ilegais para conhecer a vida privada de empresários concorrentes como “o estado de inquéritos criminais”, a “identificação de titulares de endereços de IP” e de “proprietários de veículos através da matrícula”. Mas os investigadores não conseguiram descobrir a quem se referia as iniciais N.C., a tal pessoa que a Ongoing mandou investigar.

Noutra situação, um ex-agente ao serviço da Ongoing serviu-se do estatuto de inspector da PJ “para obter o pagamento de uma dívida” em benefício de Isabel Rocha dos Santos. A mulher acabaria por pagar a dívida de quatro mil euros que teria servido para comprar um aspirador.

Ø

Notícia Conspiração da comunicação social,  contra Miguel Relvas, (apenas por ser só para ele…) dia 26 de Maio de 2012 (a jornalista que escreveu isto arrisca-se a ter a sua vida privada revelada…e na Internet, dentro de 32 minutos)

(Uma conjura internacional, cósmica, galáctica e universal de jornalistas juntou-se na redacção do Jornal Público e já alastrou a outros locais para prejudicar Miguel Relvas, esse génio incompreendido da política esterqueira portuguesa…)

Ø

OS SERVIÇOS SECRETOS PORTUGUESES E OS SERVIÇOS SECRETOS ESPANHOIS: UNS TEM MIGUEL RELVAS, OUTROS…NÃO.

Ø

Em Espanha, apesar de tudo há patriotismo, e os serviços secretos espanhóis, tentam defender Espanha.

Estão convencidos que os meios de comunicação anglo saxónicos,querem danificar a economia espanhola, usando a amplificação de notícias negativas sobre Espanha, para o fazer.

Sabendo-se quem são os accionistas detentores dos meios de comunicação anglo saxónicos e os contactos destes, percebe-se claramente esta preocupação de Espanha.

Ø

But at least Spain now has someone to blame: the country’s intelligence services are investigating the role of British and American media in fomenting financial turmoil, the respected El País daily reported .

The newspaper said the country’s National Intelligence Centre (CNI) was investigating a series of “speculative attacks” against the Spanish economy amid bond market jitters about the country’s growing national debt.

“The (CNI’s) economic intelligence division … is investigating whether investors’ attacks and the aggressiveness of some Anglo-Saxon media are driven by market forces and challenges facing the Spanish economy – or whether there is something more behind this campaign,” El País said.

The report follows claims from prime minister José Luis Rodríguez Zapatero’s socialist government that speculators and newspaper editorial writers had launched a concerted attack.

The Financial Times has been especially critical of the government’s handling of the Spanish economy in recent weeks. It has been joined by the Economist and other publications which have questioned Zapatero’s economic management.

The newspaper said its report was based on “various sources” but said CNI sources declined to comment. Officials at the defence ministry, which runs the CNI, and Zapatero’s Moncloa Palace offices were unable to confirm or deny the report.

Public works minister José Blanco, who is deputy leader of the Socialist party, has already said “somewhat murky manoeuvres” were behind market pressures on Spain. “Nothing that is happening, including the apocalyptic editorials in foreign media, is just chance. It happens because it’s in the interest of certain individuals,” he said recently.

“Now that we are coming out of the crisis, they do not want the markets to be regulated so they can go back to their old practices,” he added.

El País reported last week that Zapatero had made a similar allegation to his party’s executive committee.

Today it reported the prime minister had insinuated the media were part of a bigger offensive against the euro.

Ø

Notícia do Guardian, dia 14 de Fevereiro de 2010

Ø

Já em Portugal, temos os serviços secretos portugueses, a fazerem colecção de dados pessoais de outros portugueses, como se isso fosse urgente ou necessário para defender o país de quaisquer interferências estrangeiras.

Como se isso fosse a sua primária competência.

O chefe dos serviços secretos portugueses,entretanto, foi( ou já lá estava) trabalhar para uma empresa privada portuguesa.

O dono deste jornal tem como accionista (Ongoing) uma empresa com a qual tem andado às turras, nos últimos anos, daí este jornal dar destaque a este assunto.

Qque é apenas um assunto de cano de esgoto e demonstra no que o dinheiro dos contribuintes portugueses é gasto, já para não falar da óbvia falta de patriotismo  destas pessoas que estão à frente de serviços secretos.

Ø

Notícia da comunicação social, que está contra os serviços secretos e os seus responsáveis, apenas por razões tácticas e circunstanciais, dia 19 de Maio de 2012.

Ø

Num telefonema à editora de política do jornal, na quarta-feira, Miguel Relvas ameaçou fazer um blackout noticioso do Governo contra o jornal e divulgar detalhes da vida privada da jornalista Maria José Oliveira, de quem tinha recebido nesses dias um conjunto de perguntas relativas a contradições nas declarações que prestara, no dia anterior, na Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias.

(…)

Ø

Notícia da comunicação social, dia 18 de Maio de 2012

Ø

Ou seja: (a partir da notícia do Expresso)

“… Entretanto, o Ministério Público ordenou que fossem apagados os ficheiros armazenados nos telemóveis do ex-diretor do SIED, que incluiam milhares de contactos de figuras públicas e políticas, nomeadamente, aspetos da vida privada e orientação sexual dos visados.

Ou seja: (a partir da notícia do Público)
” …Num telefonema à editora de política do jornal, na quarta-feira, Miguel Relvas ameaçou fazer um blackout noticioso do Governo contra o jornal e divulgar detalhes da vida privada da jornalista Maria José Oliveira, de quem tinha recebido nesses dias um conjunto de perguntas relativas a contradições nas declarações que prestara, no dia anterior, na Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias.
Já em Espanha:
” … Public works minister José Blanco, who is deputy leader of the Socialist party, has already said “somewhat murky manoeuvres” were behind market pressures on Spain. “Nothing that is happening, including the apocalyptic editorials in foreign media, is just chance. It happens because it’s in the interest of certain individuals,” he said recently.
Ø
Mas a diferença de patriotismo e de concepções do que devem ser serviços secretos são assinaláveis… entre um país e outro.

PORTUGAL: NÓS NÃO SOMOS A GRÉCIA, NÓS CHEIRAMOS A PERFUME…

Ø

Grécia: economia afunda, entra em deflação e desemprego sobe

A economia grega terá uma recessão mais acentuada do que o previsto este ano, será a única da zona euro a entrar em deflação e o desemprego continuará a aumentar, segundo as previsões da Comissão Europeia.

As previsões de primavera divulgadas hoje em Bruxelas antecipam também que o PIB recuará 4,7 por cento este ano – mais do que os 4,3 por cento previstos no último boletim intercalar – mas, ainda assim, abaixo do recuo de 6,9 por cento do ano passado.

As contas públicas continuarão complicadas, com o défice a atingir 7,3 por cento do PIB (foi de 9,1 por cento no ano passado), voltando a aumentar para 8,4 em 2013.

A dívida pública deverá cair este ano, dos 165,3 por cento do PIB de 2011 para 160,6 por cento, mas voltará a subir para 168 por cento em 2013.

A Comissão prevê uma situação de deflação com o índice que mede a evolução dos preços a recuar 0,5 por cento este ano e 0,3 por cento em 2013.

Em termos de evolução da conta corrente, Bruxelas prevê que saldo da balança de transações correntes passe a ser de -7,8 por cento do PIB em 2012, melhor do que os -11,3 por cento do ano passado.

Ø

Notícia da comunicação social, divulgando dados do desastre da economia grega, após ter sido ajudada com um plano de austeridade e um empréstimo da troika , dia11 de maio de 2012.

Ø

Ø

Economia portuguesa contrai 3,3% e desemprego dispara para 15,5%

A Comissão Europeia prevê que a economia portuguesa vai contrair este ano 3,3%, um valor mais pessimista do que o crescimento negativo de 3% esperado pelo governo.

Ø

Notícia da comunicação social, sobre a magnifica recuperação económica portuguesa que se aproxima da grega, a passos largos,após ter sido ajudada com um plano de austeridade e um empréstimo da troika dia 11 de maio de 2012

Agora até resultados falsificados (a descida real é muito maior) e além disso fortemente negativos são comemorados como sendo vitórias…

Mas isto é o PSD:  a mediocridade e a incompetência só são superadas pela estupidez e pela maldade.

“DUAS PESSOAS JÁ FAZEM UMA MANIFESTAÇÃO” OU A INCOMPETÊNCIA TOTAL DA PSP COMBINADA COM OS TIQUES DITATORIAIS DO ACTUAL GOVERNO

Ø

A Polícia de Segurança Pública considera que “duas pessoas já fazem uma manifestação” e que qualquer manifestação tem de ser comunicada à Câmara Municipal. É esta a justificação dada para que a PSP tenha proibido a presença do Movimento Sem Trabalho junto de um centro de emprego de Lisboa, em Março. Quinta-feira uma das ativistas foi constituída arguida “por crime de desobediência”.

Um membro do Movimento Sem Trabalho foi chamado quinta-feira à Divisão de Investigação Criminal da PSP, constituído arguído e acusado de “crime de desobediência”, porque, a 6 de março – dia Mundial do Desempregado -, participou numa manifestação de “quatro elementos que tentaram distribuir panfletos sobre as ações dos Sem Trabalho à porta do Centro de Emprego do Conde de Redondo”, em Lisboa, conta Ana Rajado, uma das dirigentes do movimento criado em março.

“Quando lá chegámos, já lá estava a polícia que pediu a identificação de um de nós”, explica. Essa pessoa acabou por ser notificada e acusada de “crime de desobediência por ter convocado uma manifestação sem autorização”.

“Achamos que se trata de uma perseguição política para intimidar as pessoas, afirma Ana Rajado.

“Duas pessoas já fazem uma manifestação”

A porta-voz da PSP, Carla Duarte, argumenta que perante a lei “duas pessoas já fazem uma manifestação” e que “a PSP não tem de justificar a sua atuação”. Acrescenta ainda que no caso em questão se tratou de “um grupo de oito pessoas e não de quatro” e que a notificação da pessoa em causa se deveu a “não ter comunicado à câmara de Lisboa” a organização do protesto.

A PSP invoca o Decreto-Lei n.º 406/74 e um parecer da Procuradoria Geral da República de 1989 que indica que “manifestação será o ajuntamento em lugar público de duas ou mais pessoas com consciência de explicitar uma mensagem dirigida a terceiros”. A legislação de 1974 também diz que “incorrerão nas penalidades do crime de desobediência” quando “as pessoas forem surpreendidas armadas” (artigo 8). Neste caso, os panfletos terão sido a ‘arma do crime’?.

Entretanto, o Movimento Sem Emprego disse ao Expresso que a arguida vai “proceder criminalmente quem fez a denúncia, a PSP e quem deu seguimento ao processo”. Ana Rajado considera que se trata de “um contra o Estado de Direito” digno dos tempos do Estado Novo.

Ø

Notícia totalitária da comunicação social, acerca das tristes figuras a que a PSP se presta a fazer, ao deixar-se tratar com esta indignidade por um governo de proto totalitários, e aceitar respaldar as instruções do incompetente que é ministro da administração interna, dia 27 de Abril de 2012.

ÁLVARO SANTOS PEREIRA – ESTAMOS NO BOM CAMINHO (em direcção ao abismo…e depressa)

Ø

O ministro da Economia defende que Portugal está “no bom caminho”.

Em declarações aos jornalistas no Palácio da Ajuda, Álvaro Santos Pereira não quis alongar-se em declarações sobre os dados do Boletim de Primavera, revelados ontem pelo Banco de Portugal, mas assegurou que Portugal está na trajectória correcta e que “estamos a fazer as reformas que precisamos de fazer”.

Ø

Ø

Declarações à comunicação social, dia 30 de Março de 2012

Ø

O Rendimento Nacional Bruto caiu, em termos nominais, 1,3% em 2011, segundo dados divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O valor supera a contracção do PIB.

O RNB representa a fatia da produção que fica em solo nacional, ou seja, é igual ao PIB menos os juros, dividendos e lucros de investimentos que todos os anos saem de Portugal para remunerar os capitais que o estrangeiro investiu cá dentro.

A quebra do RNB, de 1,3%, é superior à redução do PIB, que não terá ultrapassado 1%. Estes valores são nominais, já que o INE não descontou o impacto da variação dos preços. Se este valor tivesse sido levado em conta, ambas as variáveis teriam afundado mais.

A explicação para o recuo mais acentuado do Rendimento Nacional está na degradação da balança de rendimentos, que é a diferença entre rendimentos recebidos e rendimentos pagos ao exterior. Ambos os fluxos caíram, mas o primeiro fê-lo de forma mais pronunciada.

Ø

Notícia da comunicação social, sobre os êxitos do Governo de Álvaro ( “chamem-me só Álvaro”) Santos Pereira em termos de PIB/RNB, dia 30 de Março de 2012.

Ø

GREVE GERAL DE 22 DE MARÇO DE 2012 – POLÍCIAS ATRIBUEM RESPONSABILIDADE A QUEM DEU ORDEM DE ACTUAR – O JORNAL EXPRESSO BRANQUEIA

Ø

“Quando dão a ordem para avançar, é quase impossível travar-nos, já não ouvimos ninguém, deixa de haver uma linha de pensamento, e a questão de serem fotojornalistas ou cidadãos nem se nos coloca naquele momento: a nossa função é limpar o local”, confessou ao i um agente do Corpo de Intervenção (CI) que pediu o anonimato.

(…)

Segundo Ricardo Noronha, uma testemunha ouvida pelo i, “tanto o polícia agressor como a fotojornalista agredida já nos acompanhavam desde a praça do Saldanha, era impossível o agente não saber quem ela era quando a agrediu no Chiado”. Segundo Noronha, os incidentes surgiram “quando a PSP tentou deter um dos manifestantes”. Os restantes “tentaram pacificamente impedir e foi aí que a PSP começou à bastonada”. A resposta “foi o arremesso de garrafas de água e cerveja”, seguindo-se “a entrada da polícia de choque, que até senhoras de idade agrediu”.

(…)

Este polícia de choque lembrou que “na greve de 24 de Novembro detivemos um homem que estava a dar pontapés nas grades frente à Assembleia da República, mas quando já estava algemado disse que pertencia às brigadas de investigação criminal da PSP”.

Ø

Notícia da comunicação social ofendida quando lhes toca a eles, mas pouco ofendida quando toca a cidadãos comuns, dia  23 de Março de 2012.

Ø

—————————————————————-

O jornalismo amarelo e que branqueia no seu melhor. Uma capa ridícula onde uma greve geral da qual resultaram incidentes é omitida. Capa do Jornal Expresso, dia 23 de Março de 2012.

Ø