DISSIDENTE-X

Archive for the ‘UNIVERSIDADE LUSÓFONA’ Category

MIGUEL RELVAS – OS DIRECTORES DO CURSO DE CIÊNCIA POLÍTICA ( nos cursos desta Universidade os créditos de 4 cadeiras transformam-se em 32…) DEMITEM-SE.

Ø

Directores de Ciência Política da Lusófona pedem demissão

 
Ainda não se conhecem as conclusões da auditoria do ministério da Educação que está a decorrer há uma semana na Universidade Lusófona, mas há novas “vítimas” do caso da licenciatura de Miguel Relvas: a direcção da Faculdade de Ciência Política, Lusofonia e Relações Internacionais.
Ângela Montalvão Machado, directora da faculdade, colocou o seu lugar à disposição na segunda-feira ao fim do dia, na sequência de uma reunião com o reitor, Mário Moutinho, e o administrador, Manuel Damásio. Por “solidariedade”, os outros dois directores, José Medeiros Ferreira e Fernando Pereira Marques, seguiram-lhe os passos.

O PÚBLICO tentou contactar a universidade e os demissionários, mas sem sucesso. Apenas Medeiros Ferreira respondeu ao PÚBLICO que colocou o seu lugar à disposição “por uma questão de solidariedade” e que não esteve presente no encontro de anteontem. “Fui convidado pela professora Ângela Montalvão Machado em Setembro do ano passado para ser director da licenciatura em Estudos Europeus e Relações Internacionais”, contou Medeiros Ferreira. “Como ela pôs o seu lugar à disposição, senti que devia ser solidário com quem me convidou”, afirmou, sem querer falar sobre as razões da directora do curso de Ciência Política e Relações Internacionais – em que o ministro Miguel Relvas se licenciou em 2007 – e da faculdade.

Estão a decorrer em simultâneo duas auditorias na Universidade Lusófona aos 89 processos de alunos, entre os quais o ministro Miguel Relvas, que receberam entre 120 e 160 créditos pelo reconhecimento da experiência profissional, permitindo-lhes concluir num só ano uma licenciatura que demoraria, em tempo normal, três anos lectivos. A auditoria do ministério da Educação deverá estar concluída na última semana de Agosto, tendo depois a universidade dez dias para se pronunciar. Os resultados da auditoria interna só serão divulgados depois, já anunciou a universidade. Uma decisão que contraria o que a própria instituição afirmara no início deste mês, quando anunciou esse procedimento, altura em que Manuel José Damásio, responsável pela área de serviços administrativos, dizia ao PÚBLICO que haveria resultados dentro de duas semanas.

Ø

Notícia da comunicação social, sobre eucaliptos que secam tudo à volta, dia 24 de Julho de 2012

Ø

Sugere-se ao visados um comprimido para se recomporem desta odisseia.

MIGUEL RELVAS – OS ESCUDEIROS LEVANTAM-SE OU “LÍDER DA JSD PEDE EXPLICAÇÕES DA LICENCIATURA DE RELVAS A MARIANO GAGO


Ø

Ø

Notícia da comunicação social, dia 14 de Julho de 2012

Ø

Em Fevereiro 2012, este escudeiro tinha combatido o desemprego.

MIGUEL RELVAS E AS FÉRIAS

Ø

Ø

MIGUEL RELVAS – REITOR DA UNIVERSIDADE LUSÓFONA AVALIOU-O APARTE DA TURMA

Ø

Ø

Ø

Notícia da comunicação social, dia 14 de Julho de 2012

Ø

MIGUEL RELVAS – O REITOR DA UNIVERSIDADE LUSÓFONA DEMITE-SE DE REITOR POR CAUSA DELE E DA SUA LICENCIATURA A MARTELO

O “magnifico reitor ” da Universidade Lusófona, essa criatura cheia de sentido de humor demitiu-se. Boa viagem.

Ø

Ø

Notícia da comunicação social, dia 12 de Julho de 2012

Ø

Ø

As equivalências mágicas  foram decididas por uma única pessoa.

Mas existem provas do contrário. *

Ø

Notícia da comunicação social, dia 11 de Julho de 2012

Ø

Tivemos acesso à forma como o Reitor e o Conselho cientifico da Universidade Lusófona fazem o seu trabalho *

Ø

Mas mesmo assim, o Reitor demitiu-se…

Ø

Notícia da comunicação social, dia 12 de Julho de2012

MIGUEL RELVAS E A UNIVERSIDADE LUSÓFONA – HÁ EMPRESAS MALVADAS QUE RECUSAM CERTIFICADOS DE LICENCIATURAS A LICENCIADOS DA UL ( vejam só…)

Ø

Manuel Damásio admitiu que casos como o de Miguel Relvas têm um impacto negativo na credibilidade da instituição, penalizando os próprios alunos.

“Nós sabemos, neste momento, que incrivelmente há empresas que estão a recusar os certificados da licenciatura dos alunos da Lusófona, porque dizem que essa é aquela universidade onde há problemas. Isto é uma situação incrível de ignorância de pessoas que não sabem o que são direitos humanos e o que é respeitar o bom-nome das pessoas”, lamentou o responsável.

Questionado sobre os motivos que levaram a universidade a anunciar que vai desencadear uma auditoria externa aos processos semelhantes ao de Relvas, Damásio explicou que se tratou de uma “sugestão dos próprios estudantes”, para afastar as dúvidas que pairam sobre a credibilidade da instituição.

“Não vejo necessidade disso, mas aceito que se faça”, acrescentou.

Ø

Em entrevista à TVI, Manuel Damásio afirmou que desde 2006, altura em que entrou em vigor a reforma de Bolonha, a Universidade Lusófona avaliou 89 processos de alunos que pediram equivalências de créditos invocando a sua experiência profissional e pessoal.

“Cada processo é único. É evidente que não há nenhum [processo] que tenha de memória que tenha tido este número de créditos, pode ter sido aproximado. Normalmente são menos [créditos]. Mas o currículo do doutor Miguel Relvas não é um currículo qualquer”, afirmou o administrador da Lusófona.

Manuel Damásio acrescentou que está em causa um currículo “mais rico em experiência profissional, inclusivamente de produção de textos legislativos como secretário de Estado ou como ministro”.

A Universidade Lusófona considerou que a experiência profissional de Miguel Relvas equivalia a 160 dos 180 créditos totais da licenciatura de Ciências Políticas e Relações Internacionais, curso que o ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares concluiu ano lectivo 2006/2007.

Ø

Notícia profundamente  hilariante da comunicação social, dia 9 de Julho de 2012

Ø