DISSIDENTE-X

Posts Tagged ‘CENSURA

CENSURA EM PORTUGAL: O MINISTÉRIO PÚBLICO PROÍBE SÁTIRA DE CARNAVAL

leave a comment »

No dia 19 de Fevereiro de 2009, o Ministério público enviou um fax à Câmara Municipal de Torres Vedras ordenando a retirada do conteúdo visível num carro alegórico, onde estava uma imagem do computador Magalhães + senhoras nuas

O computador Magalhães é um programa de incentivo às “novas tecnologias” através da oferta de um computador de brinquedo  aos alunos do ensino primário para que estes brinquem à informática.

jornal-publico-magalhaes

A notícia é do jornal Público.

Ø

Após ter adquirido uma catapulta nova, afirmo que deveremos lançar um pouco de especulação analítica para cima da mesa para tentar perceber-se o que se está a passar.

No espaço de poucos dias acontecem duas situações claras e objectivas de  censura – de comportamento objectivo de censura que apenas são tolerados e aceites em sociedades estritamente totalitárias.

Nessas é que estes actos são apoiados pelo poder político via legislação e via actos e acontecem. O outro acontecimento que foi um acto objectivo de censura foi pornocracia- ou como a censura em Portugal está de volta.

E porquê é que sucederam?

Ø

Ambos os actos reflectem o “clima” no qual Portugal se está a tornar e a transformar.

Ø

Também reflectem a seguinte situação: o insidioso manto de totalitarismo que cobre a sociedade portuguesa aperta e expande-se em pequenos pormenores.

Já não é um manto exclusivo de partidos políticos que estejam momentaneamente no poder – quaisquer que sejam os partidos, visando desestabilizar o sistema.

É uma lógica, um “modo de pensar”, que se baseia num “ideal” de confronto e discriminação.

De intimidação praticada por instituições que deveriam – supostamente – defender os cidadãos, mas que os estão a atacar – para já, de forma “colectiva” e difusa.

Ø

Num qualquer cenário especulativo ou real em que se pense na criação de  micro nacionalismos totalitários como ideologia, e que depois evoluam para se virem a tornar “movimentos de rua” o que costuma suceder – em termos médios –  é o seguinte.

(1) Primeiro é necessário buscar inspiração. Ouais serão os “valores” nos quais nós (movimento pretendente a ser nacionalista totalitário)  nos deveremos apoiar?

(2) Após definir isso, surgem as formas de nacionalismo inspiradas em tipologia nazi, cristâ, muçulmana, ou outra que esteja à mão de semear e que sirva para o objectivo.

(3) Normalmente estas “forças” após surgirem, tem que  definir um inimigo.

(4) O inimigo é tudo o que não partilha as suas ideias e não seja nacionalista.

Se são nacionalistas, isso indica um critério de exclusividade. São exclusivas de si próprias as suas ideias; logo, ideias exteriores a esta “exclusividade” são rejeitadas.

É também por isso que rejeitam uma qualquer ideia de “Globalização” que surja e que seja vendida à população de um país ou do mundo.

(NOTA: Estas “forças” ganham bastante com isto e com esta teorização, porque existem imensas pessoas, que não sendo marxistas, ou de extrema direita, e acreditando na democracia como sistema também detestam a Globalização”… o que significa que estes movimentos estão- na prática, a apanharem boleia dos legítimos oponentes à globalização, só para dar um exemplo…)

(5) Para imporem as suas ideias tem que recorrer à força e à violência, pela persuasão não o conseguem, não há hipótese de convencer a maioria da população.

Logo, estas forças defendem uma sociedade (A) baseada na violência da força e (B) na glorificação do confronto e na suposta “tesão épica” do mesmo.

Ø

general-von-talon

As pessoas percebem o que é a “tesão épica” – de um ponto de vista humorístico e de profundo gozo – ao observarem esta personagem do filme animado Valiant.

O malvado General Von Talon, um Falcão peneirento, gongórico, vaidoso e tonitruante que toma banho a cantar opera e diz que é vegetariano, embora só equipe  com capas de cabedal preto… uma alusão a uma homossexualidade latente…

Na imagem vemos o General (Malvado) Von Talon, mas os seus dois ajudantes maus (os seus lacaios do mal) …e imbecis como tudo, que o detestam porque ele após tomar banho muda de ideias várias vezes sobre as toalhas e as cores da capas… que os ajudantes lhe deverão trazer, para secar as penas…

Ao olharmos para esta imagem de uma personagem animada ultra ridícula e extremamente cómica do Von Talon, mais as suas medalhas prussianas percebemos melhor o que é a “tesão épica”... pelo menos assim espero.

Ø

Reorientando este texto após uma incursão pelos domínios do Von Talon, para se conseguir alcançar o atrás exposto e conseguir fazê-lo; ir fazendo-o com “tesão épica” é necessário definir uma lógica.

E neste, isto é “dentro”, deste “ovo da serpente”, a lógica é a de  identificação de minorias, quais quer que elas sejam, como o “inimigo”.

Na definição das minorias, não existem critérios de exclusividade. Isto é ,todas as formas de vida, quer sejam vistas como alternativas ou não o sendo,  género ou raça, podem ser inclusas (definidas como algo a atacar e abater…no ideário …).

A definição do inimigo, é assim “Globalizante” (todos os que não concordem com o ideário), por oposição à ideia de Globalização que por aí se vende, que é detestada e atacada”por estes grupusculos.

Ø

Quaisquer minorias ( adeptos de géneros sexuais alternativos servem, mas coleccionadores de selos também…) são “identificados como potenciais alvos”.

Estes potenciais alvos são vistos pela restante parte da sociedade como sendo “diferentes”ou estranhos” ou “não como nós somos”, ou “metem medo  por serem diferentes”.

O caminho está preparado para a “ignição do medo”.

E quando se faz ignição algo se acende. Um sentimento de “discriminação” subtil, como “nevoeiro negro”, começa a inserir-se  e a manifestar-se na cabeça das pessoas – na cabeça dos cidadãos comuns – aqueles que não são especialmente “diferentes” ou diversos ( Ou acham que não são…).

E a partir daí estes cidadãos perante as acções de um qualquer grupo extremista sentem – facilmente – sentimentos difusos de medo.

Também o sentem perante as acções dos grupos ou pessoas “diferentes”.

Dois tipos de sentimentos difusos de medo acotovelam-se no cidadão comum…

Ø

A seguir ao medo vem –  na maior parte da vezes – a passividade e a descrença/ indiferença da generalidade dos cidadãos.(No caso português especialmente patrocinada pelos políticos…)

e da indiferença, nasce a apatia da generalidade da população que se deve a três coisas diferentes.

A) a indiferença pelo sofrimento dos outros.

B) o facto de não se sentir segura na maneira como vive, e perceber que é o actual sistema que origina essa insegurança; daí o anseio por “alguém” que faça existir ordem (estes grupelhos de extrema qualquer coisa, caem como sopa no mel aqui…)

C) (Paralelamente a B) ) O medo que se sente dos actos destes grupos inspirados na especulação que estou aqui a criar.

Ø

É o que é que tem esta lógica de explicação a ver com o Ministério Público de Torres Vedras e os actos de censura?

Tem porque, na minha opinião (vale o que vale; atiçem-me o Von Talon…)  algumas semelhanças de comportamento com o que grupelhos neonazis ou de outro tipo de inspiração fazem, existe claramente aqui.

Violência estatal organizada que patrocina actos de censura perfeitamente ilícitos , visando intimidar cidadãos e os seus gostos.

Visando intimidar.

Mais: a coisa é mais grave ainda quando o “Carnaval” é desde sempre uma época e umas festividades que existiram para fazer aquilo que o apito na panela de pressão faz, quando se está a cozer a sopa: despressionar a panela, retirar pressão.

Aqui metafóricamente, temos o Carnaval como o apito que vai despressionar a sociedade, permitindo-lhe que esta faça certas actos que  em circunstâncias normais não poderia fazer.

E temos um Estado –  através dos seus agentes a utilizar métodos comparativamente paralelos – a mesma linha de raciocínio a agir – que um qualquer grupusculo neo qualquer coisa usa: a intimidação.

A forma como faz é que varia. Aqui existe uma “lei” emanada de “orgãos” competentes que supostamente legitima o acto.

Ø

Podemos também considerar ainda uma outra hipótese alternativa.

O actual governo querer apresentar-se como “menos radical” e ter patrocinado estas duas jogadas, para depois poder vir dizer (estamos em ano de eleições) que só oactual Governo é que concede recusar e combater os radicalismos que existem na sociedade portuguesa, quer os praticados pelo Estado, quer fora dele.

Estas “demonstrações de força, da polícia de Braga, e do Delegado doMinistério público de Trres Vedras, forneceram um serviço: com estas óbvias demonstrações de estupidez extremista e não cumprimento da lei, misturada com falta de bom senso, conferem a quem os denuncie como estando errados, uma aura de credibilidade.

Especulemos um pouco com esta imagem –Jornal Público:

publico-28-fevereiro-congresso-ps

Repare-se no facto de uma pessoa – aparentemente democrática – afirmar que “não temo o julgamento democrático”, e ao mesmo tempo utiliza métodos que quem pactua com forças totalitários também utiliza.

Isto é, pactuar com elas, mas apresentar-se a si mesmo como ” o que está contra as soluções radicais…”

Nota: nada do que foi escrito em cima significa que eu ache que o actual governo mandou directamente a polícia apreender 5 livros em Braga ou o MP de Torres Vedras mandar um fax a uma Camâra.

Nota 2: como é que se pode defender a democracia, quando o mordomo encarregado de geri-la utiliza metódos que também são utilizados por quem quer subverter a democracia?

Nota 3: tire as conclusões quem quiser, acerca do nevoeiro que nos começa a cercar…

PORNOCRACIA- OU COMO A CENSURA EM PORTUGAL ESTÁ DE VOLTA

leave a comment »

a-origem-do-mundoPor causa desta imagem de Courbet colocada na capa de um livro, que estava a ser promovido numa feira do livro na cidade de Braga, Portugal, no dia 25 de Fevereiro de 2009, alguém chamou a policia e esta apreendeu todos os exemplares do livro que se chama Pornocracia, da autora francesa Catherine Breillat.

O novo Portugal democrático agora é isto…

Ø

Cite-se o blog Obvious:

Estávamos em 1866 e Courbet era já um pintor conhecido em França pela sua destreza técnica mas sobretudo pela sua atitude crítica e corrosiva em relação à sociedade e moral burguesas, que não perdia ocasião de afrontar. Courbet era um socialista convicto, arrogante e autoconfiante, é preciso dizer. No entanto talvez isso não baste para justificar a obra que realizou nesse ano e que havia de o celebrizar mais do que todas as outras. Ao representar frontalmente as coxas e o sexo de uma mulher, A Origem do Mundo abalou profundamente o meio artístico da época. E não só!

Ø

O quadro é profundamente perturbador ou mesmo chocante. O incómodo sentido pelo observador ao olhar de modo tão directo para o sexo que ali se exibe ostensivamente é enorme. Há uma espécie de pudor, de vergonha quase instintiva que se revela em nós ao observá-lo. Mais do que violentar a intimidade do objecto retratado, o artista violenta o público. De resto, Courbet adorava fazê-lo embora nunca tivesse ousado ir tão longe. Porque se atreveu desta vez?

Ø

Esta tela surge assim como um manifesto contra o academismo mas também contra a falsidade vigente na Arte e na Sociedade oitocentista. Representa a libertação definitiva do artista de todos os estereótipos! Significativo é o facto da polémica se ficar a dever ao tema e à forma como foi abordado e não às qualidades pictóricas do quadro – se estava bem pintado ou não. A Origem do Mundo foi uma obra inspirada, visionária talvez, um acto estético da maior importância e uma obra de arte de primeira grandeza. A Pintura Moderna talvez tenha começado aqui, com origem no sexo de uma mulher.

Ø

E cite-se o JN:

A apreensão pela PSP, anteontem, de cinco exemplares de um livro com uma capa considerada pornográfica” – “Pornocracia”, de Catherine Breillat – era assunto obrigatório entre os visitantes, a maior parte dos quais contra a intervenção policial.

…É o caso de Bruno Mendes, para quem o incidente reflecte o estado actual do país: “Há cada vez mais descontentamento das pessoas, o que leva a mais acções de controlo por parte das forças policiais”. O jovem, que fez questão de se dizer de “direita”, estranha a acção da Polícia face ao livro em questão, pois “já vi que há outros com conteúdos e capas piores expostos por aí”.

…É assim que se sente o livreiro António Lopes…“Sei que a PSP não recebeu ordens do Ministério da Cultura, mas a verdade é que se sentem, actualmente, à-vontade para adoptar medidas deste género”, critica.

Ø

Importa perguntar:

e porquê  – exactamente agora – se sentem à vontade para adoptar medidas deste genero?

A VIDA DOS OUTROS. FILME.

leave a comment »

Em 2006, foi feito um filme alemão chamado Das leben der anderen/A vida dos outros. Apenas conhecido em Portugal em 2007. É um excelente filmeA VIDA DOS OUTROS - 1 sobre totalitarismo, sobre uma sociedade totalitária. Não uma sociedade totalitária qualquer, mas sim a da RDA, já no período do final da mesma, nos anos 80 do século 20.

O filme pode e deve ser interpretado como uma critica ao socialismo real (também conhecido como comunismo…), mas deverá ser também interpretado com uma outra análise dupla. Quer ao (1) poder como conceito e ao uso que dele se faz e de como são facilmente corrompidas as pessoas em lugares de poder, e, noutra análise, no (2) lançamento de pistas hipotéticas para se perceber como se deve – em sociedade – tentar conter mesmo esse totalitarismo.

A história é muito interessante pelos problemas que coloca. Antes da queda do muro de Berlim a polícia secreta alemã fazia escutas sobre os seus cidadãos. Quais os pretextos para tal?

Quase nenhuns ou em alternativa pretextos inventados apenas movidos pelo desejo de uma qualquer pessoa dentro do sistema e não da lei vigente na terra e aplicável a todos.

Só por aqui está espelhado a completa corrupção do sistema comunista. No caso do alemão, de forma ainda mais especial, uma vez que este era a fina flor do comunismo de inspiração soviética; ou seja ainda “funcionava” melhor (dentro da lógica distorcida e retorcida de se considerar que uma sociedade comunista totalitária funciona melhor que outra sociedade comunista totalitária) que o que lhe deu origem, a URSS.

Um agente da polícia secreta – da Stasi – ao conduzir uma escuta sobre um escritor alemão e sobre a sua namorada, actriz de cinema, fica obcecado com isso, com “a vida dos outros”, sendo que os outros poderiam também ser metaforicamente considerados como “a população”.

Um escritor de talento, em ambas as Alemanhas, Georg Dreyman, e perfeito crente da sociedade onde vivia e estava, namora com Christa Maria Sealand (CMS), a melhor actriz do teatro alemão.

A VIDA DOS OUTROS - 5

CMS, representa, numa explicação que se queira adoptar, metafóricamente, o pior de nós; a ansiedade excessiva que nos controla os nosso actos, a cedência aos nossos piores instintos quando pressionados, a tendência para a deslealdade e a traição aos outros e a nós próprios.

CMS, tem ainda outro problema, que é, diga-se de passagem, um problema duplo em termos comparativos com a sociedade portuguesa. O (1) de existirem pessoas que não conseguem determinar qual é o seu real valor quer profissional, quer pessoal, porque a sociedade está assim estruturada, e (2) isso são características inerentes a sociedades totalitárias.

No filme, CMS, não sabe e não tem a noção do real talento que tem, e por isso tem imenso medo. Como tem medo, e precisamente pela dimensão do medo que tem, não quer perder a posição que tem naquela sociedade, e “vende-se” ao ministro Bruno Hempf, o prototipo do político asqueroso e totalitário; pensando que, pelo facto de aceitar fazer sexo com o ministro e devido ao “Poder” que este tem, isso lhe garantirá não ser removida para a prateleira do teatro. (Ou pior…)

A VIDA DOS OUTROS - 5

No meio disto, o capitão Anton Grubitz quer ser promovido. Com o apoio do Ministro Bruno Hempf e dos restantes círculos políticos dá ao agente da Stasi, seu ex -colega de escola, o agente Gerd Wiesler, a tarefa de montar uma específica operação de escutas electrónicas visando confirmar a traição (hipotética) do dramaturgo Dreyman.

Isto é o objectivo “oficial” , o objectivo oficioso é também a lógica distorcida aquele sistema e os desejos pessoais , a prepotência, o nepotismo e a corrupção do ministro Bruno Hempf que quer ter para si para usar à vontade CMS, a acrtiz estrela do teatro alemão.

A história é simples ao nível do argumento e linear. Observando de um nível pessoal, como drama, é um triangulo amoroso. (Ministro Hempf, Actriz CMS, Dramaturgo Dreyman.

O realizador do filme insere a política, como um dos elementos motivadores do triangulo, mas querendo com isso mostrar outras coisas. A censura inerente ao regime e a intensa corrupção burocrática do mesmo.

Dreyman, o dramaturgo tem sucesso, mesmo que publique na Alemanha do oeste, a antiga RFA. Namora com CMS, a melhor actriz. Apoia o sistema. Tanto êxito” burguês gera “inveja” e gera proeminência que não pode ser tolerada pelo regime e gera cobiça do ministro Hempf.

Este apoiado nos desejos de subida de carreira do capitão Grubitz ordena escutas na casa de Dreyman. Grubitz, chama Wiesler, o melhor agente para este montar a operação. Wiesler vai até ao sótão do prédio de Dreyman, instala lá o equipamento embora previamente os microfones de escuta tenham sido colocados dentro dos interruptores da casa de Dreyman, e começa a escutar em busca de “conversas comprometedoras” de Dreyman com dramaturgos, artistas, o que fosse, que eram suspeitos ou estavam na lista negra do regime.

Wiesler, o exemplo do polícia dos serviços secretos – eficiente, frio, insensível começa aos poucos e poucos a transformar-se ao escutar a “vida dos outros”.

A VIDA DOS OUTROS - 3Duas cenas ilustram esta transformação. (1) Wiesler é-nos apresentado estando a dar cursos de formação, não do fundo social europeu :mrgreen: mas de futuros agentes da Stasi.

Está numa sala com alunos e explica-lhes porque é que no filme que lhes está a mostrar, onde se vê um opositor ao regime a ser interrogado este está a mentir. Através de técnicas de interrogação duras.

Um dos alunos interrompe-o e diz algo como” mas isso não é muito duro?”. Sem se perturbar, Wiesler vai explicar que não, mas ao mesmo tempo que o faz, marca uma cruz no nome do aluno, no papel que tinha à sua frente, e onde estavam os nomes de todos os alunos. Era uma má classificação para esse aluno.

A cena de interrogatório é objectivamente de uma violência psicológica tremenda sobre o interrogado.

(2) Quando se dirige com a sua equipa da Stasi a casa do Dreyman, para instalar os microfones, a vizinha da frente de Dreyman, nota a agitação. Prudentemente,olha pelo óculo da porta, não abrindo a porta. Wiesler dada a sua eficácia e sensibilidade para este tipo de coisas, percebe o facto e toca á porta.
A senhora abre e Wiesler imediatamente lhe diz para estar calada e não mencionar a ninguém o que acabou de ver, tratando a senhora pelo nome dela, e insinuando de uma forma terrível, que a filha dela poderá ter problemas no acesso à Universidade de medicina, caso desobedeça aquela ordem.

Este é o protótipo do funcionário burocrático Cyborg, destituído de sentimentos e apenas eficácia. Wiesler está convencido que Dreyman é um subversivo em relação ao Estado e que mais tarde ou mais cedo o apanhará nas escutas.

Á medida que vai escutando Wiesler altera-se e começa a perceber o drama da vida de Dreyman e toda a lógica de corrupção em que está metido. Percebe que Dreyman é alguém genuinamente “bom”, e não subversivo, e que são apenas os interesses políticos de topo do ministro Hempf e as maquinações do seu ex-colega de Escola Grubitz que estão a criar uma situação para que Dreyman seja “eliminado” não fisicamente mas moralmente e psicologicamente.

A dada altura, Wiesler fascina-se com o que ouve, querendo escutar mais; começa a adulterar relatórios sobre as conversas de Dreyman omitindo pormenores que sabia que poderiam ser considerados como desfavoráveis para este, mesmo sendo coisas inócuas, e no final safa de problemas Dreyman, e prejudica-se a si próprio.

Dreyman, que era um genuíno apoiante do regime, a dada altura e devido ao evoluir da situação e de várias histórias paralelas no filme:

– um amigo de Dreyman, o encenador de teatro Jerska, suicida-se, porque estava há uma série de anos na lista negra sendo impedido de trabalhar;

– um outro dramaturgo chamado Paul Hauser, em completa dissidência com o regime e cheio de impaciência pelo que se está a passar sempre que se encontra com Dreyman, pica-lhe o juízo moendo-lhe a cabeça e incitando-o a não desculpabilizar e a não colaborar com “aquilo”

(Qualquer semelhança com o que se está a passar em Portugal actualmente é pura coincidência…)

– o facto de ter percebido que CMS, a sua namorada andava a dormir com o ministro Hempf. A repressão política, artística, social era usada de modo instrumental para adquirir os favores sexuais dos artistas- é isto que se percebe.

Dreyman, descobre e explica-lhe que ela não tem de fazer “aquilo” porque ela tem talento e não preicsa de o fazer. CMS, cruelmente e com completa frustração à flor da pele conjugada com ansiedade responde que “também dormes com eles todos os dias”. Ela confronta-o -em resposta- com a infidelidade física dela (forçada ou não é para decidir quem vê o filme…) replicando que ele também se vende moralmente…

Como esta é a descrição de umaA VIDA DOS OUTROS - 2 sociedade onde existe vigilância; essa mesma vigilância que se aplica sobre a quase totalidade dos cidadãos de formas difusas, origina vários fenómenos.

A chantagem e as ameaças directas ou veladas sobre os cidadãos. Daqui até à delação e aos sentimentos de que, ” denunciar o outro” é bom, vai apenas um passo…

A delação, (também conhecida por denúncia) ao ser desta forma aceite, passa a ser mais um bem: assegura (A) Ou a sobrevivência, (B) ou a manutenção do estatuto político, ou (C) serve de moeda de troca.

Dreyman, decide fazer alguma coisa, (é a gota que enche o copo e o transborda, após ter percebido que CMS se vendia ao ministro…) quando o seu grande amigo, o encenador Jerska se suicida. Dreyman, decide denunciar o sistema RDA. Escreve um artigo a ser publicado no Ocidente, no Der Spiegel alemão, onde explica a técnica do suícidio na Alemanha de Leste.

Menciona no artigo que o departamento estatístico alemão de leste tudo sabe, de todas as estatísticas, mas não publica as de suicídio, e mais ainda, desde 1977, que as publicou pela ultima vez. A palavra suicídio é banida – impronunciável e impublicável – passando o assassínio a ter a designação oficial de “auto assassinato”.

Isto desencadeia uma perseguição das autoridades para saberem quem é que escreveu o artigo e as suspeitas recaem sobre Dreyman, mas não são provadas. CMS, mediante coacção e intimidação acaba por implicar Dreyman – o seu namorado – em troca de o seu estatuto se manter inalterado.

A Stasi surge , através do capitão Grubitz e da sua equipa em casa de Dreyman, para apreender a máquina de escrever indetectável que Dreyman usou para escrever o artigo e que estava escondida num determinado sitio da casa de Dreyman.

Delatada por CMS.

A Stasi não encontra a máquina, porque Wiesler, o agente da Stasi que escutava as conversas, apagou o rasto de provas e retirou a máquina do lugar.

Na sequência disto CMS acaba por morrer atropelada num acidente, ao sair da STASI e após ter vendido a alma, e ido até à casa de Dreyman, deixando quer Dreyman, quer o próprio Wiesler inconsoláveis, e fazendo o capitão Grubitz perceber que Wiesler tinha manipulado a informação das escutas e protegido Dreyman.

Que Wiesler tinha protegido a “vida dos outros”.

Este, pelas circunstâncias tinha sido levado a proteger aqueles que lhe cabia vigiar e tinha-se “humanizado”.

Nota: Podemos aqui fazer uma critica reflexiva alternativa. E afirmar que esta lógica pode ser vista como uma tentativa de suavizar o agente da Stasi, que apenas foi “metido na engrenagem da maquina” e que era tão inocente quanto as vitimas que aterrorizava. Que a culpa era do “sistema”,n ão das pessoas. Bom, as pessoas fazem parte do sistema…

O que leva à questão de se perceber que só a denúncia de sistema totalitários, de que tipo forem deve ser um imperativo ético e que a resistencia e a recusa de colaboração com o sistema são armas.

Ali,no filme, a “redenção” do agente da Stasi decorre da “comparação” que este faz entre o comportamento dos seus chefes – um comportamento abjecto e asqueroso – e a visão dos valores mais puros que ele ia escutando e percebendo ao escutar as suas vítimas. (A dada altura, entra dentro da casa de Dreyman, quando este não está, para lhe roubar um livro de poemas de Berthold Brecht para “assimilar” esse mesmo comportamento das suas vitimas, como se, através do acto do roubo do bem( livro) do outro (Dreyman) e da leitura do mesmo; Wiesler, o agente da Stasi, se pudesse “purificar”.

É um acto de desespero simbólico pessoal dele.

√ DIÁLOGO EM INGLÊS DEFININDO A TIPOLOGIA DOS ARTISTAS SUBVERSIVOS – manual de uso da Stasi ( O NÚMERO 4) E OS MÉTODOS A USAR.

Did you know that there are just five types of artists?

Your guy, Dreyman, is a Type 4, a “hysterical anthropocentrist.” Can’t bear being alone, always talking, needing friends. That type should never be brought to trial. They thrive on that. Temporary detention is the best way to deal with them. Complete isolation and no set release date. No human contact the whole time, not even with the guards. Good treatment, no harassment, no abuse, no scandals, nothing they could write about later. After 10 months, we release.

Suddenly, that guy won’t cause us any more trouble. Know what the best part is? Most type 4s we’ve processed in this way never write anything again. Or paint anything, or whatever artists do. And that without any use of force. Just like that. Kind of like a present.

Derivado do que ali está em cima, em inglês – que “muitos dos artistas de tipo 4 que a Stasi processava desta maneira nunca mais escreveriam, o mesmo acontece à personagem Dreyman. Cheio de desgosto e remorsos pelo facto de CMS ter morrido e nunca tendo tido a certeza de que teria sido ela que o teria traído entregando -o à Stasi, mas ao mesmo tempo não querendo acreditar nisso, Dreyman, não escreve,

Cai o Muro de Berlim em Novembro de 1989,e após a queda, Dreyman estánum teatro a ver ser representada a sua peça – peça essa que tinha sido uma das que ele tinha escrito especificamente para CMS e que esta tinha representado.

Dreyman não aguenta a memória da antiga namorada e si para a entrada da sala do teatro. Está lá também, o ex-ministro Bruno hempf. Trocam palavras e Dreyman pergunta a Hempf porque é que ele nunca foi vigiado.

Hempf, diz-lhe que está enganado e que ele foi severamente vigiado. Dreyman acaba afastando-se profundamente chocado e agastado com as pessoas de um regime que apoiou.

Mas isso traz-lhe a curiosidade de saber como foi vigiado. Vai ao museu da memória e pede o seu processo.

A VIDA DOS OUTROS - 4 Fica espantado com o enorme tamanho do mesmo, e começa a ler. Fica logo espantado com o tamanho do seu processo. E começa a perceber que CMS foi a delatora que o traiu; que os relatórios das escutas sobre ele não diziam o que se tinha efectivamente passado, que as escutas tinham sido ordenadas pelo ministro Hempf e que uma misteriosa personagem com o nome de código ” HGW XX/7 ” era o responsável por não lhe ter acontecido nada.

Pede para ver quem era HGW XX/7 e reconhece Wiesler. Este caído em desgraça após o caso Dreyman trabalhava na secção da Stasi destinada a abrir a correspondência de todos os alemães. Após a queda do muro de Berlim era carteiro.

Dreyman, que nada tinha escrito até aí, começa a escrever, e escreve um livro chamado “Sonata a um homem bom” – o nome de um livro que o seu amigo Jerska, o encenador que se tinha suicidado, ou auto assassinado para usar a terminologia RDA, lhe tinha oferecido. No prefácio do livro, nos agradecimentos está “Para HGW XX/ 7 , um homem bom” .

É a essa frase que se refere o que está la em cima em inglês ” do you like it gift wrapped? No, it is for me”.

É Wiesler / HGW XX /7 a adquirir o livro de Dreyman, o novo romance que este tinha finalmente conseguído escrever.

A VIDA DOS OUTROS - 6

SIC PATROCINA A CENSURA.

leave a comment »

Hoje, dia 29 de Maio de 2008, na democrática República portuguesa, observo um telejornal da estação de televisão SIC. O repórter de nome Medeiros desenvolve aquilo que julga ser uma “reportagem”, sobre “os perigos da Internet”. Fala com Miguel Sousa Tavares e este defende formas de censura sobre a Internet, porque, existiu uma pessoa que publicou um blog onde emitiu calúnias sobre, creio, o livro de Sousa Tavares – Equador.

Devemos parar o país todo apenas e só porque alguém infligiu prejuízos a Sousa Tavares. Devemos adoptar a censura – Tavares exigia que se começasse a aplicar um registo prévio a qualquer pessoa antes desta usar um computador e abrir um blog, se percebi bem a ideia. Só faltou defender um juramento perante um padre.

Em seguida passou-se para o inefável Pacheco Pereira, o campeão da defesa da censura. Este defende que o anonimato deve ser proibido em blogs, excepto nos casos em que as pessoas façam denuncias sobre casos em que pelo facto de as fazerem isso lhes possa trazer perigos ou em casos em que a denuncia sob anonimato vise defender terceiros. Se bem percebi e me lembro.

Defende ainda que os blogs passem a estar registados como órgãos de comunicação social?!?!?!

Após, esta singela defesa do totalitarismo por causa da calunias e difamações em blogs, um problema que aflige particularmente estes dois vultos intelectuais da nossa pátria, que, desde o aparecimento dos blogs em toda a dimensão que estes alcançaram perderam espaço e divulgação na imprensa escrita, e credibilidade por arrasto, e consequentemente, perderam ou podem vir a perder rendimentos precisamente derivados disso, temos o painel de comentadores.

Os comentadores são todos a favor da censura.

Mas antes de estes explicarem porque é que são democraticamente a favor da censura, surge outra peça de pseudo jornalismo. Pelo meio fala-se também de jovens e crianças e dos perigos da Internet e do mais que houvese. Tudo numa salada russa de confusão indescritível.

E passa-se a uma outra peça, escrevia eu, onde uma agente comercial de telemóveis de 30 anos de idade de Albufeira, está muito perturbada porque inseriu fotos suas em fato de banho, num perfil do HI5, e começou a notar ter 60 pedidos de troca de contactos e emails, quando antes tinha 5 pedidos.

Tal deveu-se, porque, salvo erro, a revista 24 horas, publicou ou tem uma rubrica chamada “as miúdas do HI5” e estas fotos lá apareceram e a senhora sentiu-se invadida na sua privacidade. Parece que vai processar a revista por esta ter publicado fotos disponibilizadas num local público de livre vontade pela agente comercial de telemóveis.

Brilhantes reportagens se fazem com toda esta ladainha confusa e destrambelhada onde se misturam blogs com redes sociais, plágios com recusas do anonimato, jovens e adolescentes com terrorismo…

É verdade. Esqueci-me de mencionar que o painel de comentadores é composto por Moita Flores, ex agente da polícia judiciária e actual Presidente da câmara municipal de Santarém, Rogério Alves, ex-bastonário da ordem do advogados e advogado e José Gameiro, psiquiatra – todos reputados especialistas em assuntos informáticos.

Moita Flores, nessa qualidade ou na qualidade de presidente da câmara de Santarém( não ficou claro isso) mencionou também, o facto de existirem terroristas que falam entre si através de blogs. E mensagens cifradas.

Foram 30 minutos de lançamento de pânico, de desinformação, de ataques continuados e sistemáticos à democracia, de exigências de construção de mecanismos de censura.

Em 2006 fazia um blog com outra pessoa. (Foi apagado em parte devido ao que se vai explicar a seguir) Quer eu, quer a outra pessoa que o fazia, fomos ameaçados por um blogger de que este iria falar com “os nossos patrões” acerca do facto de, quer eu, quer o meu parceiro de blog estarmos a fazer artigos que contrariavam as ideias do senhor que nos ameaçou, (e que até tem um blog aberto em nome próprio e é um conhecido militante do partido socialista) situação despoletada, devido a um erro meu num artigo em que troquei o nome desse senhor pelo nome do colega dele de blog, ao transcrever um post do blog deste senhor e do colega dele.

De facto existiu o erro, não propositado na altura e devidamente explicado, mas depois existiu a tentativa de nos induzir quer a mim, quer ao meu parceiro de blog, não só na auto censura, como ameaçando com ataques á vida privada, quer minha, quer do meu parceiro.

Na altura eu assinava com o meu nome próprio – um nome verdadeiro mas que nada dizia (nem diz) a ninguém, uma vez que não sou figura pública (felizmente).

A pessoa que fazia o blog comigo assinava com um pseudónimo (porque eu insisti para tal), uma vez que, dada a natureza da sua ocupação profissional e o facto de depender de um organismo estatal tal assim o obrigava para obter uma certa protecção e privacidade.

Se fosse conhecido o verdadeiro nome da pessoa que fazia o blog comigo – como aliás foi revelado publicamente pelo senhor que nos ameaçou – junto de certas pessoas em certos sítios, e no próprio blog indicando ligação para um artigo publicado em nome próprio dessa pessoa que comigo fazia o blog, esta teria visto 4 anos do seu trabalho serem ameaçados e possivelmente irem por agua abaixo.

No meu caso comecei a detectar nos motores de busca buscas ao meu nome – normal – mas o que já não era normal era o facto de as buscas ao meu nome estarem acompanhadas do nome da localidade onde vivo. Algo que já não é comum. O que quer dizer que o IP foi rastreado e bem rastreado.

É ou não normal eu agora usar um pseudónimo?

Para os defensores da censura como o senhor Pereira, o senhor Tavares, e a estação de televisão SIC e os interesses por detrás dela não é normal.

O pseudo debate de 30 minutos acabou – após 29,5 minutos de lançamento de pânico e ameaças de penas de prisão para tudo que se mexesse – acabou, escrevia, com a publicitação à nova página da SIC, que “ir lá é seguro”, pela voz melodiosa do senhor Rodrigo Guedes de Carvalho, Pivot da SIC.

O mesmo que, salvo erro, na capa de um jornal de ontem aparecia a dizer que a RTP copiou ou plagiou o logotipo da SIC.

Se os blogs retiram público a páginas de empresas, não haverá conflito de interesses, em apresentar-se reportagens falando dos perigos da Internet e mencionando como elementos de perigo, os blogs, que até são quem retira público a páginas de empresas?

ADENDA:

pensando ser eu o único ( mas que pedante…frustrado e narcisista agarrado a um blog para combater a solidão como disseram os especialistas e também algumas pessoas na caixa de comentários do artigo “cartão da selecção nacional”…) a ter reparado na idiotice da pseudo reportagem verifico que afinal existem mais pessoas atentas – bastantes até. Afinal ainda há esperança (e alguns seres que pensam…) para este país de drogados pelo futebol.

No blog ponto sapo, um perigoso terrorista não só fez um post sobre o assunto, para subverter a pátria, como insere o vídeo onde se mostram as asneiras que se dizem no referido programa.

E insere mais ligações para mais 7 ou 8 blogs que repararam no mesmo. Graças a Deus se ele existir.

Alguns posts de outras pessoas relacionados com o programa:

iPhil – Choque…
guronsan – O Cyberterror
Tenho algo a dizer sobre… – Internet, blogs e afins
Ainda pior blog – Difamação na Blogoesfera
lisbonlab – Aqui e agora: os perigos da Internet
Fu-Bar – Artigo Vergonhoso na SIC contra blogs
Sylbiah – Internet
Afectado – Ensaio Sobre a Blogoesfera
Charquinho – Os perigos da Internet e os da Ignorância de Moita Flores

Sugiro leitura de todos especialmente do segundo, onde o seu autor Guronsan já se protegeu num abrigo nuclear contra os blogs.

E desligou o computador.

A bem da nação. Publique-se.

ADENDA 2

A educação do meu umbigo – um blog que foi atacado visualmente no referido programa de patrocínio a censura. Provavelmente e de forma indirecta por questões relativas ás posições e audiências de quem o faz, o senhor Paulo Guinote

CENSURA NO AUDIOVISUAL. EUA. (1)

leave a comment »

Continuação

“CENSURA NO AUDIOVISUAL. EUA (2)”

“CENSURA NO AUDIOVISUAL. EUA (3)”

Artigo de bolinha vermelha.

Em 1968, um senhor chamado Jack Valenti, o chefe da MPAA – Motion Picture Association of América – o conjunto de associados da industria cinematográfica norte americana decidiu criar uma classificação não compulsória de filmes.

Assim começa o filme / documentário “This Film Is Not Yet Rated” do realizador Kirby Dick. Começa também com uns quadros mostrando que as várias associações de críticos cinematográficos existentes aprovaram o filme de Kirby Dick, mas a MPPA não aprovou, nunca aprovará e o quadro termina perguntando “Why not? / Porque não?

A ideia deste documentário é mostrar o totalitarismo / arbitrariedade selectiva inerente à classificação de filmes nos EUA.

Em que é que isto nos afecta?

Afecta-nos em muito dado que 90% de tudo o que é passado em televisões / cinemas / vídeo é feito nos EUA.

O documentário começa como o descrevi, passa depois a uma imagem de 1978 de um noticiário onde se dá conta do trabalho de sistema de classificação, e um noticiário de 1999, onde os diálogos são ao mesmo tempo hilariantes. O noticiário de 1999, diz qualquer coisa como ” Há 30 anos que a MPAA ajuda os pais a decidir quais os filmes que os filhos deverão assistir”.

Os país são pois elevados à categoria de totais mentecaptos aos quais a MPAA , generosamente e de forma altruísta, ajuda a “decidir”…

Ultimamente, nos EUA, as suas decisões tem estado sob fogo cerrado, diz ainda o noticiário. Ao longo do documentário (e, espero eu, deste post/conjunto de posts) perceber-se-á porque …

Antes do “sistema de classificação” estar em vigor a MPAA CENSURAVA directamente e activamente filmes. No país mais livre do mundo censuram-se filmes?

Estranho…Dai o documentário chamar-se “This Film is Not Yet Rated” – este filme ainda não foi classificado. As classificações são 5:

  • G (TODOS)
  • PG 13 (MENORES DE 13)
  • PG (MAIORES DE 13 ACOMPANHADOS PELOS PAIS)
  • R ( 17 ANOS )
  • NC-17 (CLASSIFICAÇÃO ANTIGA “X”, OU SEJA, POR EXEMPLO FILMES PORNOGRÁFICOS)

A classificação, como mostra o documentário é feita da seguinte maneira:

um grupo de pais, reúne-se na sede da MPAA em Encino, Califórnia e …… classifica.

As decisões são extraordinariamente controversas nomeadamente no que aos filmes classificados NC-17 diz respeito e é isso que o documentário mostra. São extraordinariamente controversas, fazendo perceber a manipulação e o enviesamento das classificações e de como somos induzidos a ser manipulados – todos os que vemos filmes…

Existem questões relacionadas com classificações relativas a sexo, mas não só. É é todo esse “mecanismo” que é mostrado por este documentário para se perceber como estranhas forças religiosas e do dinheiro atacam deliberadamente a liberdade de expressão e a liberdade artística usando esta classificação pomposa para o fazer.

Não deixa também de ser engraçado que o país auto proclamado “mais liberal do mundo” sinta a necessidade de encorajar um sistema de classificação – na pratica, uma regulamentação. Sendo nos EUA, a regulamentação olhada – quando feita noutros países como sendo uma pratica “comunista ou socialista ou Estatal”; aqui, neste assunto, um conjunto de empresas privadas utiliza essa pratica comunista ou socialista ou estatal para se imiscuir e definir os gostos de terceiros…

Numa determinada parte do filme a realizadora Kimberley Peirce – realizadora do filme “Boy´s Don´t Cry” explica o que lhe sucedeu.

kimberley é lésbica, embora tenha uma filha…de acordo com os seus gostos e liberdade de expressão artística, realizou um filme sobre mulheres lésbicas na cidade de Nova Iorque.

Conhecia o tema e conhecia muitas raparigas que se vestiam de homens e viviam como se fossem homens em Nova Iorque. (Porquê, não sei, nem me interessa por aí além..)

Um belo dia, após ter feito o filme, o agente dela informa-a, que ela recebeu um NC-17. A pior classificação.

“Isso é porreiro”, observamo-la na sua cândida ingenuidade, porque todos os filmes porreiros (para ela) que tinha visto estavam classificados NC-17. O agente explicou que não, aplicando um balde de agua fria.

Não era bom, porque o Estúdio, não lançaria o filme; não o lançaria no canal de distribuição, nem o promoveria, caso o filme recebesse um “NC-17.

A realizadora ficou de rastos porque tinha trabalhado contra todos os obstáculos de: (A) não ter dinheiro para fazer o filme e ter de o procurar ( B ) ir contra as pessoas; as muitas opiniões, segundo as quais ela não poderia fazer um filme daqueles porque aquilo não interessava a ninguém, (C) e depois passar o teste de publico, que gostou do filme.

Todo um esforço e tempo de trabalho desperdiçado, para, depois, aparecer esta misteriosa comissão que classificava o filme como NC-17, na pratica inviabilizando o lançamento comercial do filme. Como ela explica e passo a citar com a mesma linguagem gráfica dela parece que os problemas do filme eram 3: (Bolinha vermelha AQUI O)

1- Depois do Brandon ter feito um minete à Lana ele vem para cima e limpa a boca. Como ela diz, (kimberley)/ we had a strike on that”. (Fomos riscados…nessa).

Posso também explicar que não se vê sexo explicito filmado ao pormenor. Apenas se sugere isso. (No documentário, no filme não sei…) O que é hilariante é que ela pergunta o porquê ao seu advogado (que lhe contou isto) e responde-lhe (que lhe explicaram) que “” não souberam bem porquê, mas é ofensivo””.
Fantástico argumento este para recusar algo…

O mais hilariante no filme é que existe uma cena em que a protagonista principal dá um tiro na cabeça à queima roupa do personagem Brandon e isso não é considerado ofensivo ou chocante.

2 – A segunda cena que levou com NC-17 é uma cena de violação anal.

Ao que parece queriam que ela a cortasse. Como a cena em questão fazia parte do contexto global do filme – contribuía para se perceber a história – ela recusou logo o corte e perguntou qual era a terceira razão.

3 – Parece que a terceira cena a ser cortada e que levou com um NC – 17 é o orgasmo da Lana, a protagonista. Parece que o ” orgasmo dela é demasiado longo”.

Numa nota mais pessoal e de profundo gozo por este tipo de argumentações; diria que a tabela de tempo de duração de orgasmos apresentada pela Sociedade Mundial de Definição do Tempo dos Orgasmos na sua última assembleia geral não conseguiu chegar a acordo entre os seus membros sobre a definição do tempo dos orgasmos longos a adoptar e votou – por unanimidade – não chegar a consenso.
Talvez uma norma comunitária resolva o assunto…

A realizadora do filme replica, perguntando “quem é que já saiu magoado por ter tido um orgasmo demasiado longo”?

Ou seja, o orgasmo era (foi) considerado ofensivo.

Não por ser orgasmo, mas por ser longo. Presume-se. Mas isto foi no dia em que o filme foi classificado. No dia a seguir, suponho, a classificação já teria sido dada de outra maneira.
Kimberley foi voltar a ver a cena do orgasmo e percebeu que o problema daquela cena, não era o orgasmo da LANA, a personagem principal, mas sim o facto de a personagem estar a ter um enorme prazer, isto é, a representar ter um enorme prazer ao ter um orgasmo longo.

Como conclui a realizadora, é isso – algo nisso – que “os está a assustar, e a enervar”.

Além disso, a senhora que está a ter o orgasmo longo é “muito vocal”. A imagem cinematográfica é bem feita e descreve uma mulher – ainda por cima, a actriz em questão é loura e bonita, a ter prazer.

Continua.

HIPERMERCADOS CARREFOUR NA CHINA. E O APPESEAMENT…

leave a comment »

SUPERMERCADOS CARREFOUR -BBC- CONQUISTA DE MERCADO-CHINA(1) No ano de 2007, notícia BBC, os hipermercados Carrefour, tiveram problemas na China. Sendo o segundo maior retalhista mundial, apenas atrás da norte americana Wall Mart, a administração do Carrefour está desejosa de encurtar a distancia para a líder. Para tal, lançaram-se, no mais absoluto neo liberalismo económico e com a maior agressividade comercial possível, sem regras de qualquer tipo.

Foram para a China.

A agressividade deles é notória, para conquistar quota de mercado na China que antecipam vir a ser o maior mercado mundial de retalho e que tem taxas de crescimento de consumo, entre 20 a 30% ao ano.

Suponho que, estrategicamente, os Chineses estarão, de algum modo, a bloquear americanos e/ou outros, para darem uma pequena vantagem ao Carrefour. Suponho.

Neste momento o Carrefour ja vai nos 100 hipermercados abertos an China. Em portugal até há pouco tempo tinham 12 Hipermercados abertos, que venderam ao Modelo- Continente. Uma das razões também se prende com a necessidade de arranjar dinheiro e financiar a expansão em mercados com estas taxas de crescimento, e potencial, enquanto que, um mercado pequeno, periférico, e saturado como o mercado português, por exemplo, não tem interesse ou é negligenciável.

Para se expandirem a esta velocidade, começaram a subornar,assim o entenderam as autoridades chinesas. Ou começaram a subornar ou foram convidados a subornar pelos altos dirigentes do partido, que, quando lhes conviesse dariam a ordem para “entalar o Carrefour” e deixar sair as notícias de que esta organização estaria sob investigação/suspeita. Apesar disso o Carrefour continua a abrir supermercados…

Em 2007, o Carrefour foi analisado pelas autoridades chinesas por suspeitas de corrupção.

SUPERMERCADOS CARREFOUR- 3 MORREM EM CORRIDA AOS SALDOS(2) Para se dar uma ideia do aumento de consumo na China, e no grau de loucura misturado com o capitalismo desenfreado, misturado ainda com o relativismo pela vida humana que acontece na China – o novo campeão dos direitos humanos designado como tal – volta-se de novo às notícias da BBC.

No dia 10 de Novembro de 2007, saiu a notícia que 3 pessoas morreram, devido a uma “corrida às promoções” num dos hipermercados Carrefour. Parece que havia óleo alimentar para cozinhar em promoção.

Nada disto perturba ninguém… suponho até que existirão defensores por aí a dizer que isto é uma situação perfeitamente normal e que até se deveria evoluir para a mesma em Portugal…alterar o código do trabalho, etc…

No entanto e como as ironias das coisas são o que são, o Carrefour continua a ser o que é e continua a fazer asneiras e a sentir na pele o que é o relativismo e a falta de princípios a fazer-se negócios. Bem como, a demonstrar como o appeseament político e económico em relação à China tem preços a pagar elevados.

Por todos nós, e não só por estas empresas e os seus accionistas gananciosos…

Isto porquê?

Morreram 3 pessoas no Carrefour de Chongking ( China), numa venda de óleo alimentar em saldo.

(3) Porque, recentemente existiram boicotes à passagem da chama olímpica por Paris, capital da França. Isto relacionado com as recentes repressões sangrentas da revolta tibetana. (A) Manifestantes chineses muito chateados pelo facto da chama olímpica e o seu trajecto terem sido recentemente boicotados na viagem até à China, começaram a protestar contra esse facto.

Escolheram o Carrefour para o fazer – um símbolo conveniente. Embora, analisando de outro modo, o Carrefour merece-o porque é uma empresa, como se comporta, absolutamente detestável, ao nível das patifarias que a wall Mart e outras do mesmo estilo faz.

CHINA- ARTISTAS CHINESES PROTESTAM COM A FRANÇAE é assim que temos uma manifestação e protestos corporizados no Carrefour ( a empresa merece-o), mas onde se está a jogar já um outro jogo, que é o jogo da acusação (B) dos meios de comunicação ocidentais serem parciais na cobertura dos acontecimentos; de (C) o Ocidente estar por detrás do separatismo tibetano.

Outras reacções incorporam o facto de artistas Chineses cancelarem uma exposição em França, como forma de protesto, pela maneira como a chama olímpica teria sido não dignificada na sua passagem por Paris.

Sem dúvida porque as autoridades chinesas estariam à espera que em países apesar de tudo democráticos, se mandasse o exército disparar contra manifestantes como se faz na China, ou outra coisa de tipo semelhante…

Isto representa a cedência ao appeseament desta feita, feito à China e ao seu comportamento.

A “atitude” que os dois artistas chineses – na notícia acima – demonstram; é de uma incomparável arrogância perante o facto de existirem franceses que dão o seu apoio ao boicote contra os Jogos Olímpicos. Tal deveria deixar as pessoas a pensar.

Especialmente pelo que deixa mostrar da parte chinesa e da”mentalidade média” da mesma. Que é a ideia de que acham que não existem quaisquer limites ao que quer que façam.

Isto também representa outro problema. O de estarmos todos a deixar que estas empresas de vampiros como o Carrefour, sejam, na prática, quem está a “representar” o Ocidente em termos de política externa.

A imagem que transmitem para fora é aquela que é.

A China está a usar os Jogos Olímpicos e a sua economia em crescimento gigante, bem como algumas empresas europeias, para fazer intimidação; tentando evitar que a Europa os pressione, sobre a repressão no Tibete, e que a Europa tome a decisão de boicotar os Jogos Olímpicos. Ameaçando nas entrelinhas que as principais empresas europeias perderão “negócios” na China.

(4) A China serve-se também do “conteúdo” que foi escrito neste artigo sobre China, Jogos Olímpicos, Tibete de alguns dias atrás:

MULTINACIONAIS CHINESAS E DE PAÍSES EMERGENTES

A China está a usar o crescente peso das suas empresas e do seu comércio/produção de serviços/produtos para intimidar Geoestrategicamente os blocos económicos- políticos que a contrariem naquilo que a China julga ser os seus direitos naturais – perante a complacência e o appeasemet da Europa(e dos EUA…). Dito de outra forma, das empresas europeias e dos seus accionistas gananciosos… e de vistas curtas…

(5) Quanto ao Carrefour e ao facto de serem umas “peças” do pior que há, o assunto já tinha sido aqui tratado no Dissidente-x uma vez.

CARREFOUR- EGIPTO

À propósito o Rally Paris Dakar e dos caso dos cartoons dinamarqueses.

Relativamente ao caso dos cartoons dinamarqueses, na altura o Carrefour, meteu “contra cartazes” nos hipermercados que tem no Egipto pedindo desculpa pela publicação de cartoons feitos por dinamarqueses.

É uma empresa “5 estrelas” esta…

O Carrefour constitui dos piores exemplos do capitalismo predatório mundial e da total falta de valores e princípios da sua administração cedendo de forma cobarde; sem sequer ter que justificar algo que não lhe dizia directamente respeito; ao appeasement.

INTERNAUTAS CHINESES -NACIONALISMO(6) Tendo-se ainda mais razões para desconfiar da China e das suas intenções está a prova nesta notícia de hoje,dia 21 de Abril de 2008- Jornal Destak.

Um ataque concertado, fazendo-se valer do número de utilizadores de Internet, despoletam o pior do pior. Uma campanha de orgulho nacionalista ferido (pseudo ferido) relativamente a este assunto.

A imprensa estrangeira é criticada por estar a veicular notícias falsas, os protestos durante a passagem da chama Olímpica são criticados e já existem à venda T-shirts com os dizeres ” Eu amo o Tibete, mas odeio o Dalai Lama” e “I do not love CNN”/não amo a CNN.

Goste-se ou não se goste de budismo ou do Dalai lama, isto é preocupante a vários níveis. Os cidadãos chineses, e os que aderem à Internet, apesar de tudo, são mais instruidos, sabem – mesmo na China – que existe censura.

Ora, se os cidadãos chineses sabem que existe censura, também deveriam, por maioria de razão, raciocinar e perceber que, se calhar, o seu governo lhes estará a mentir ou pelo menos a deformar de alguma maneira, a apresentação da realidade.

Como tal, deveriam desconfiar do que lhes é dado. Mas não. Antes pelo contrário, estão a reagir exactamente contra os supostos interesses ocidentais que estarão a manipular o que se passa e passou no Tibete, ofendendo a “China”.

Isto demonstra um sentimento nacionalista perigoso, agressivo, xenófobo, e anti estrangeiros, mas pior, representa a ideia de que não sentem qualquer tipo de restrições nem de que “outros” fiquem incomodados com atitudes chinesas.

Este assunto era facilmente enfrentado com um boicote aos Jogos Olímpicos. Não só por causa do Tibete, mas também. Em vez disso, contemporiza-se.

É necessário que accionistas ganhem dinheiro. É necessário que a organização da economia mundial gere desempregados na Europa e na América, por causa da China. Quando for necessário enfrentar a China serão os accionistas a fazê-lo ou os cidadãos desempregados?