DISSIDENTE-X

Posts Tagged ‘DESEMPREGO

VÍTOR GASPAR – A INCOMPETÊNCIA ELEVADA AO QUADRADO, AO CUBO, AO LOSANGO, AO TRIÂNGULO ISOSCELES E DEMAIS FORMAS GEOMÉTRICAS QUE EXISTAM (O CDS e o PSD tem que ir embora)

Ø

PEDRO PASSOS COELHO - QUEDA DO GOVERNO EM 2013

Ø

vitor gaspar - os numeros negros de 2014

Com o fim da sétima avaliação do programa de ajustamento, o Governo já acertou as previsões macroeconómicas para os próximos anos. Crescimento do PIB, défice, dívida, exportações e desemprego. Conheça as previsões do Governo:  

Para a economia, o Governo previa -1% em 2013 mas espera agora -2,3%, por outro lado, o desemprego irá disparar para 18,2% – o que traduz um forte agravamento face aos 16% inicialmente esperados -, sendo que ainda subirá para 18,5% em 2014. Diz Gaspar que “a evolução inter-anual será muito marcada. 

O desemprego poderá atingir um valor de quase 19 %, começando a diminuir só em 2014″.   Já a dívida pública atingirá o pico em 2014, ascendendo então a 124% do PIB, valor que o ministro das Finanças justifica como sendo resultado da “nova trajectória orçamental”.   

Com o veto da Euostat à utilização das receitas de concessão da ANA – Aeroportos para redução do défice, o desequílibrio entre receitas e despesa de 2012 será de 6,6% – o que traduz uma derrapagem de 1,6 pontos percentuais face ao que estava previsto. Para éste e´os próximos anos, as metdas do défice também foram revistas. 

 O novo calendário e metas de défice apontam agora para um desequilíbrio de 5,5% em 2013; 4% em 2014 e 2,5% em 2015. Apesar das novas metas, Vitor Gaspar precisou que não está em causa mais tempo nem mais dinheiro. “O programa terminará em junho de 2014. Trata-se sim de alargar o prazo de forma a atingir  um défice orçamental inferior a 3% já em 2015”. 

Mas os números de Gaspar não ficam por aqui, e também as exportações sofreram uma “revisão em baixa face ao cenário estabilizado no final do quinto exame”. Assim, o Governo antecipa, um crescimento de 4% em 2012; e um abrandamento enorme para 2013, com as exportações a crescerem apenas 1,8% (antes previa 1,9%). 

Em 2014, Gaspar antecipa um crescimento de 0,6% das exportações liquidas; para 2013 preveem-se 1,8%  e em 2012 o valor situou-se nos 4,4%. De qualquer forma, este ano o Governo ainda prevê um ligeiro aumento no último trimestre do ano. O mesmo vai acontecer com a procura interna, que terá somado perdas de 7% em 2012 e 4,1% em 2013.

Em 2014, a procura interna irá ficar em 0%. Anteriormente, o Governo previa que em 2014 a procura interna já estivesse positiva, em 0,3%.

Ø

Notícia da comunicação social sobre o mirabolante, fantástico, excelente, estratosférico, gongórico etc e tal, Vítor Gaspar que não acerta uma previsão nem um número seja do que for, (mesmo depois de já ter acontecido) dia 15 de março de 2013,  ou seja é completamente incompetente e dogmático

Ø

vitor-gaspar- NAO SEI

Anúncios

PEDRO PASSOS COELHO E ANTÓNIO JOSÉ SEGURO: DOIS IDIOTAS A DISCUTIREM O AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO NO DEBATE QUINZENAL DE DIA 7 DE MARÇO DE 2013

Ø

PEDRO PASSOS COELHO - ANTONIO JOSE SEGURO - DOIS IDIOTAS

Ø

No arroto verbal de dia 7 demarço de 2013, também conhecido por debate quinzenal na Assembleia da República, onde grande parte dos eleitos pela população evidenciam a sua enorme estupidez e ignorância acerca de qualquer assunto que se discuta no local, o líder da oposição?!?!? designado por sorteio ou lá o que foi aquilo que o elegeu, fez uma proposta sobre a austeridade e o salário mínimo.

Iria combater a austeridade com o aumento do salário mínimo. (Esqueceu-se de dizer como o faria…)

Ø

A coisa que é primeiro ministro decidiu responder demonstrando que está determinado em continuar a gozar os portugueses.

Respondeu ao líder da oposição?!?!? designado por sorteio ou lá o que foi aquilo que o elegeu que:

 – aumentar o salário mínimo aumenta o desemprego e diminuir o salário mínimo aumenta o desemprego.

Podemos também acrescentar que manter tudo como está ou seja, manter  o salário mínimo no valor actual, tambem aumenta o desemprego.

Se chover ou fizer sol, tambem aumenta o desemprego.

Se chover ou fizer sol nao aumenta o desemprego.

1X2

Tambem podemos dizer que o contrário de estar vivo é estar  morto.

Ø

MAPA DO SALARIO MINIMO - EUROSTAT JANEIRO DE 2013

Mapa do salário minimo na Europa, dados Eurostat AQUI

Written by dissidentex

07/03/2013 at 20:54

MIGUEL RELVAS – OS ESCUDEIROS LEVANTAM-SE OU “LÍDER DA JSD PEDE EXPLICAÇÕES DA LICENCIATURA DE RELVAS A MARIANO GAGO


Ø

Ø

Notícia da comunicação social, dia 14 de Julho de 2012

Ø

Em Fevereiro 2012, este escudeiro tinha combatido o desemprego.

O DESEMPREGO EM PORTUGAL PROMOVIDO PELO PSD E POR PEDRO PASSOS COELHO – OS GRANDES ÊXITOS DESTE GOVERNO…

Ø

Especialistas dizem que novo código vai agravar o desemprego

Porque sobe tanto o desemprego em Portugal? As empresas estão a querer despedir mais? Diogo Leote Nobre considera que há uma necessidade de sobrevivência que obriga a reduzir custos. Já Fausto Leite admite aproveitamento, por parte das empresas, para se livrarem de trabalhadores. Ambos concordam que as alterações previstas ao Código do Trabalho podem agravar o desemprego.
Diogo Leote Nobre, partner da Cuatrecasas, Gonçalves Pereira

“As empresas têm de reduzir custos e são obrigadas a despedir”

O que motiva este aumento da taxa de desemprego? As empresas estão a querer despedir mais?
Este aumento não tem rigorosamente nada a ver com qualquer mudança na legislação do trabalho, porque as alterações ainda não estão em vigor. Ainda terão que ser promulgadas. O que me parece é simples: as empresas têm de reduzir custos, sob pena de entrarem até em processo de insolvência. Como não se pode reduzir ordenados, sem reduzir o horário de trabalho, as empresas estão a ser obrigadas a despedir. Quer seja por necessidade de reduzir a sua actividade, quer tenha a ver com a necessidade de reduzir despesas, as empresas não têm alternativa se não negociar. Na minha carreira nunca assisti a tantos acordos para a cessação de contrato de trabalho.

Os trabalhadores estão mais resignados com a perda do emprego?
Os trabalhadores têm a percepção de que as empresas não têm alternativa e sentem que a situação vai piorar ainda mais. Antevêem mais mudanças. Há uma percepção psicológica que vai ser cada vez pior e não é de descartar outros pacotes legislativos que possam limitar ainda mais esta situação. Por exemplo, se Portugal precisar de um segundo pacote de ajuda, esse novo apoio pode vir acompanhado de novas medidas de âmbito laboral.

As alterações ao subsídio de desemprego são encorajadoras da procura de trabalho?
É quase ofensivo o Governo dizer que servirá de incentivo. Não há quem esteja a contratar, isso é um argumento demagógico. A questão é que também não há incentivos à contratação. Não vejo, nas alterações legislativas, nenhuma medida que promova a contratação. Não me parece que as alterações previstas do Código de Trabalho fomentem a criação de emprego.

Ø

Notícia da comunicação social, dia 18 de maio de 2012, relacionada com os “êxitos do actual governo”em matéria de desemprego.

Ø

Mais de metade dos jovens desempregados não aparecem nas estatísticas oficiais de emprego porque já desistiram de procurar trabalho, declarou hoje a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

O desemprego entre jovens de 15 a 24 anos está nos 22,6% para a média dos 30 países da OCDE – sete pontos mais que em 2007. Em alguns países, contudo, a situação é muito mais grave: em Espanha e na Grécia a taxa ultrapassa os 50%, em Portugal está nos 36,1%, mas mesmo assim a taxa de desemprego “não reflete toda a realidade”, alerta a OCDE.

“Muitos jovens que abandonaram o sistema de ensino deixaram de aparecer nas estatísticas de emprego”, lê-se num comunicado da organização, estimando em 23 milhões o número de jovens sem trabalho. “Mais de metade desistiu de procurar por emprego”, afirma o documento.

Para a OCDE, há “uma preocupação crescente de que uma proporção significativa e cada vez maior da população esteja em risco de um desemprego ou inatividade prolongados”.

(…)

Ø

Notícia da comunicação social, dia 18 de maio de 2012, sobre a juventude hedonista e ambiciosa que acha que deve ter um emprego, que é , como se sabe, um luxo próprio de países.

Ø

Ø

Contratados a prazo pagam fatia de leão do desemprego recorde

Valem só 20% dos trabalhadores por conta de outrem, mas são os que mais contribuem para a subida do desemprego

(…)

Os trabalhadores contratados a prazo são apenas um quinto do total de trabalhadores por conta de outrem, mas é desta esfera menos protegida pela lei laboral que estão a sair mais pessoas para o desemprego, segundo dados a que o iteve acesso.

Nos primeiros três meses do ano saíram cerca de 60 mil contratados a prazo para o desemprego, mais 12 mil que o registado pela esfera de trabalhadores com contratos sem termo. O regresso ao emprego é também feito sobretudo com recurso a contratos a prazo (mais do dobro dos permanentes).

(…)

Notícia da comunicação social, dia 18 de Maio de 2012, sobre os luxos  que os portugueses querem ter, especialmente os contratados a prazo, (” a tal técnica jurídica de empregabilidade que ia reduzir o desemprego…)

Ø

ÁLVARO SANTOS PEREIRA: “PORTUGAL ESTÁ MUITO MELHOR” OU A INCOMPETÊNCIA COMPLETA DE UM MINISTRO SEM QUALIDADE

Ø

O ministro da Economia e do Emprego, Álvaro Santos Pereira, garantiu hoje que Portugal está “em condições muito melhores” do que quando o Governo tomou posse, considerando que a “evolução da economia nacional vai depender” da evolução económica europeia.

Em declarações aos jornalistas à margem de um conjunto de visitas a empresas que hoje realiza no distrito de Aveiro, Álvaro Santos Pereira defendeu que a boa nota da ‘troika’ e “os elogios que têm sido feitos ao Governo e ao povo português somente” dão mais alento para continuar o caminho que está a ser feito.

Ø

Declarações que já nem se estranham tendo em conta quem as faz, comunicação social, dia 28 de Fevereiro de 2012

Ø

Ø

A taxa de desemprego em Portugal disparou para o recorde de 14,8% em janeiro, segundo os dados divulgados esta quinta-feira pelo Eurostat. Há 815 mil portugueses sem trabalho. Um em cada três jovens está desempregado, reflexo de uma taxa de 35,1%.

É um valor bem acima do registado na Zona Euro. Na média dos países que partilham a moeda única a taxa geral subiu uma décima em relação a dezembro, para os 10,7%, e sete décimas face a 2010. Durão Barroso fez as contas e concluiu que é a mais alta desde outubro de 1997.

Ø

Notícia sobre as “melhorias” da taxa de desemprego em Portugal, comunicação social, dia 1 de Março de 2012

Ø

BELMIRO DE AZEVEDO E A AUTOEUROPA

leave a comment »

Belmiro de Azevedo começa a fazer notar a idade que tem. Fonte: Jornal Público, via Lusa, no dia 22 de Maio de 2009.

BELMIRO DE AZEVEDO E A AUTOEUROPA

É muito triste ver um homem já de idade assumir a derrota do seu próprio projecto empresarial, mesmo que através de interposta comunicação visando a Autoeuropa.

Lembro-me deste senhor a fazer declarações no inicio dos anos 90, vibrantes e cheias de optimismo acerca da economia portuguesa e da Sonae.

É por isso que é triste e um enorme desapontamento vê-lo a usar este argumentário próprio de um qualquer político em acto de negociação sindical com uns quaisqueres representantes de um sindicato.

Este não é o discurso de um empresário que quer “fazer coisas”.

Mais um pouco e dirá que “estar vivo deve satisfazer praticamente toda a gente neste momento”.

Em baixo a “mediocridade” das taxas de crescimento dos países, em 2007 – claro que comparado com a China ou com offshores é medíocre.

Mas alguém deseja viver em sociedades como a chinesa ou em sociedades organizadas como um offshore?

FINLÃNDIA

Currency Euro (EUR)
Population in 2007 (projected, 000) 5277
Population density in 2007 (per square km) 15.6
Growth rate of GDP at constant 1990 prices (% p.a.) 4.4
Life expectancy at birth 2005-2010 (women and men, years) 82.4/76.1

SUÉCIA

Currency Swedish Krona (SEK)
Population in 2007 (projected, 000) 9119
Population density in 2007 (per square km) 20.3
Growth rate of GDP at constant 1990 prices (% p.a.) 2.6
Life expectancy at birth 2005-2010 (women and men, years) 83.0/78.7

DINAMARCA

Currency Danish Krone (DKK)
Population in 2007 (projected, 000) 5442
Population density in 2007 (per square km) 126.3
Growth rate of GDP at constant 1990 prices (% p.a.) 1.8
Life expectancy at birth 2005-2010 (women and men, years) 80.6/76.0

ISLÃNDIA

Currency Icelandic Krona (ISK)
Population in 2007 (projected, 000) 301
Population density in 2007 (per square km) 2.9
Growth rate of GDP at constant 1990 prices (% p.a.) 0.7
Life expectancy at birth 2005-2010 (women and men, years) 83.3/80.2

NORUEGA

Currency Norwegian Krone (NOK)
Population in 2007 (projected, 000) 4698
Population density in 2007 (per square km) 14.5
Growth rate of GDP at constant 1990 prices (% p.a.) 2.9
Life expectancy at birth 2005-2010 (women and men, years) 82.5/77.8

—Ø—

PORTUGAL

Currency Euro (EUR)
Population in 2007 (projected, 000) 10623
Population density in 2007 (per square km) 115.4
Growth rate of GDP at constant 1990 prices (% p.a.) 2.2
Life expectancy at birth 2005-2010 (women and men, years) 81.2/75.0


REINO UNIDO.

Currency Pound Sterling (GBP)
Population in 2007 (projected, 000) 60769
Population density in 2007 (per square km) 250.2
Growth rate of GDP at constant 1990 prices (% p.a.) 3.1
Life expectancy at birth 2005-2010 (women and men, years) 81.6/77.2

—————–

O Reino Unido, uma sociedade presumivelmente baseada naquilo que Belmiro de Azevedo quer apresentava no mesmo período, um crescimento idêntico ao dos países nórdicos e a Portugal.

Written by dissidentex

28/05/2009 at 15:43

UM NEGÓCIO CHAMADO EMPREGO

leave a comment »

Este post é dedicado ao Daniel Marques e é um post a várias dimensões.

Ø

Há uns tempos atrás foi-me explicada uma história que depois passou a post. Dava pelo nome de “Gestão de empresas em Portugal”.

Onde eu descrevia o que se passava a nível (péssimo) da gestão de uma determinada empresa.

A mesma pessoa que me contou o que se passava tem-me contado regularmente novidades desde essa altura. E as coisas tem piorado sistematicamente.

E contou-me esta “novidade” que aconteceu com um dos funcionários da empresa em questão, empresa essa que está pelas ruas da amargura.

O funcionário – que trabalhava e ainda trabalha no armazém da empresa, e vendo-a a estar a balões de soro, passou perto de um centro de emprego, no centro de Lisboa, localizado perto da sede desta empresa, e decidiu entrar, mesmo tendo ainda formalmente emprego, para falar com as técnicas do centro.

E isto à propósito de um anúncio de emprego que viu nesse centro de emprego  em que era pedido “um funcionário para armazém com experiência em sapatos.”

Ø

Mais à frente percebe-se a vigarice legal (destinada a facilitar a imigração) e o sistemático estar a gozar com todos nós, organizado pelo Estado português, que aqui está.

Ø

O funcionário desta empresa que estava a pensar concorrer a este anúncio, não tinha experiência em sapatos, mas tinha experiência de trabalhar em armazéns.

E explicou isso mesmo à “técnica do instituto do emprego” (antigamente chamavam-se funcionários que atendiam; actualmente chamam-se técnicos, mas basicamente fazem a mesma coisa agora que faziam antigamente…)

E a senhora explicou-lhe que o anúncio tinha ainda mais um requisito.

E que ele tinha que o preencher.

Obrigatoriamente!

Ø

Era necessário saber falar Mandarim.

Ø

Era necessário saber falar chinês. Uma das variantes do chinês. Como era necessário saber falar chinês e ninguém em Portugal sabe falar isso, sendo português, o “anúncio” é assim construído visando “importar” desta maneira airosa e chica esperta, um cidadão chinês.

Que, evidentemente, obterá o visto de entrada e permanência em território português, porque “até tem emprego”.

Ø

Amanhã ou para a semana que vem, quem inseriu este anúncio, insere outro pedindo uma “ama para tomar conta de crianças”.

Com um requisito.

Que a “ama para tomar conta de crianças, saiba falar Mandarim.

E assim sucessivamente.

Ø

Percebem as poucas pessoas que lêem este blog como estamos a ser comidos por parvos? (e já nem vou dizer nada acerca de multi culturalismo, essa teoria abstrusa… e os perigos que isto encerra…)

E chegamos ao Daniel Marques.

daniel-marques-um-negocio-chamado-emprego

Ø

Pelo meio, passamos pelo Pedro Fontela que diz que:

“… Por muito que custe a muito boa gente admitir estas coisas existem muitas pessoas racionais neste país que não são totalitárias mas que defendem a existência e primazia de um interesse nacional, que estão dispostas a tentar sistemas políticos bem diferentes e mais justos do que aquele que temos sem serem comunistas ou proto-fascistas, que sabem que a esfera pública e política deve fazer uso das ferramentas simbólicas ao seu dispor mas sem objectivos de erodir a individualidade de cada pessoa.”

E o que tem isto a ver?

Tem porque tal qual o Pedro Fontela afirma, se alguém criticar e for contra a importação disfarçada mas legalizada de cidadãos chineses feita desta maneira (ou de outra) que eu descrevo acima (chineses ou de outra nacionalidade ou etnia qualquer; não importa) estará a ser rotulado como

totalitário;

fascista;

comunista;

anti sistema;

anti social;

racista;

xenófobo;

etc,etc…

e enquanto isso, pessoas que querem arranjar emprego não arranjam, e chineses (e de outras etnias ou nacionalidades) contornam a lei airosamente e com a conivência do Estado português e do regime podre que temos.

Mas lá está! Aquilo que acabo de escrever acima, só pode ser “racismo e xenofobia” proto comunismo, etc…