DISSIDENTE-X

Posts Tagged ‘EMPRESAS E MARCAS PORTUGUESAS

CAMPANHAS DE PUBLICIDADE DESPREZÍVEIS. PORNOGRAFIA PUBLICITÁRIA.

leave a comment »

No artigo intitulado ” sistema queixa electrónica. Os antecedentes”, era escrito no fim do mesmo o abaixo transcrito:

———————–

Nota final 3.

Fico a aguardar que a FCCN patrocine um sítio Internet que insista na necessidade de se proibir publicidade especificamente destinada à crianças e que proíba o uso de crianças na publicidade.

Já que o problema primordial parece ser a “preocupação com as crianças”, então convém preocupar mo-nos com todas as dimensões do problema e não só com algumas.

Convenientemente escolhidas a dedo.

——————–

O Banco espírito Santo lançou ( faz isto todos os anos) por alturas de Outubro/ Novembro de 2007 uma campanha publicitária, visando incentivar as crianças a pouparem.

Este é o tipo de publicidade, ofensiva, de mau gosto, anti social, anti mercado, desprezível, manipuladora, destrutiva das relações de confiança entre os clientes e as empresas.

É uma campanha assente na mais completa mistificação e tentativa de manipular e enganar os pais, e a sociedade no seu conjunto. É algo abjecto e que está para além da mera publicidade enganosa.

O Banco Espírito Santo é um banco comercial. O comércio, pressupõe ( senão não seria comércio) a compra e venda de produtos ou serviços.

Sendo um banco, a sua actividade principal é, mesmo historicamente, a venda de dinheiro, cobrando juros por isso.

Um banco comercial empresta dinheiro a particulares ou empresas para que estas o invistam nas mais variadas coisas e cobra uma percentagem em juros por isso.

Um banco comercial também aceita depósitos em dinheiro de particulares ou empresas e remunera esses depósitos.

O que está em baixo, embora pareça isso, vai completamente para além disso.

BES E A HIPOCRISIA DA POUPANÇA

Leia-se em cima uma parte das declarações absolutamente inacreditáveis da responsável de Marketing do banco.

Tradução concreta: banco com o braço esquerdo faz campanhas incentivando ao consumo, e com o braço direito faz campanhas incentivando à poupança.

Mesmo considerando isto legítimo, o que não é legitimo é “atacar” o tipo de consumidor que não se pode defender. A criança.

E usando os pais da criança como arma de ataque para isso.

O mais hipócrita e desonesto ali é a parte em que a responsável de marketing, afirma: ” o BES acredita na importância da poupança para a construção de uma sociedade equilibrada”.

Cinismo, falta de valores ( comerciais), hipocrisia. Ninguém outorgou ao BES a missão de educar crianças; isso pertence aos pais.

Isto dito, com a maior desfaçatez, no lançamento de uma campanha de poupança juvenil.

Mais espantoso ainda é que se diga que o acto de poupar está cada vez mais arredado dos hábitos dos adultos e da agenda dos adultos.

( Bom… para isso tem contribuído o BES e todas as outras entidades com as massivas campanhas de incentivo ao consumo, os constantes créditos ao consumo, a oferta de variados produtos de crédito para se consumir).

Para “incentivar à poupança” e para fazer chantagem emocional com a psicologia dos pais que são depois pressionados emocionalmente pelos filhos que lhes dirão que não gostam deles porque eles não lhes compram “X”, o BES oferece às crianças um livro de histórias escrito por Rosa Lobato Faria, e ilustrado através da marca Agatha Ruiz de la Prada.

(Visando estabelecer o conflito entre dar e não dar ao “filho”por parte do pai pressionado pelo filho a fazer isto para receber o livro de histórias ilustrado… )

Que, como todas as pessoas sabem é uma marca “barata”, que tem produtos baratos, e que é sinónimo de austeridade e de sobriedade ( isto é, de poupança…) na compra de roupa ou outros produtos do mesmo estilo.

Subverte-se tudo o que são conceitos de publicidade, de economia de mercado, de psicologia afectiva e familiar, mais a mais, até vindo de um banco que tem a pretensão ( é só mesmo isso:pretensão) a ser um banco conservador e austero.

O conservadorismo é arrumado de lado dando lugar à chantagem de progenitores apelando à criação artificial de disputas entre filhos e pais para através desta disputa lucrar.

Também é outra forma de enganar deliberadamente consumidores ( o mercado) com esta conversa acerca do incentivo à poupança juvenil por parte de crianças/adolescentes, porque os adultos não o fazem.

Há razões para não o fazerem e o BES lucrou com essas razões.

Também se deve salientar que o BES , tão amoroso que é quis “conhecer a perspectiva das crianças”…

O facto de essa perspectiva permitir definir perfis de consumo e comportamentos e poder agilizar e tornar mais fáceis as estratégias para melhor vender não teve nada a ver com este desejo intenso de “conhecer a perspectiva das crianças…”

A FCCN perante este caso de notória pornografia vai fazer alguma coisa?

Concerteza que não vai. Aí a “bola” é mandada para o código da publicidade e pseudo autoridades competentes que, concluirão, que tudo está de acordo com a lei.

E assim, se continua a usar a lei para subverter o sentido da lei…

Ninguém parece muito incomodado com isso.

Em termos de dados pessoais e privacidade o facto de crianças pequenas e a sua família terem perfis de consumo definidos por uma entidade privada, perfis esses obtidos através da permissão do uso destes métodos totalitários não incomoda ninguém?

Nem o óbvio totalitarismo destes métodos?

Aqui o “Estado” como recolector de informação é substituído por uma entidade privada.

Isso é tão perigoso como se fosse o Estado a fazê-lo.

Advertisement

MEIOS & PUBLICIDADE, REVISTA lança Revolução contra os blogs.

leave a comment »

REDMM-ALTERADO-MEIOS E PUBLICIDADE

A revista Meios e Publicidade, uma revista dedicada à Publicidade, ao Marketing e actividades conexas ( Marxismo empresarial 2.0, “Google Materialismo Histórico Mail 3.0″, ” Digg Greve P2P 2.0″, ” Social Activismo Bookmarking 1.0″, Ubuntu Dialéctica Histórica versão Beta”, “Como vender Frigoríficos 2.0 a Esquimós 1.0 segundo Porter e Kotler) lançou a sua mais recente edição; a número 472.

meios-publicidadeContra todas as expectativas e desta vez a censura afrouxou, a Revista e os operários que a fabricam, decidiu surpreender a classe operária que a compra e que vive inspirada pelo exemplo dos operários que a produzem esperando quem a guie na próxima revolução.

Atreveu-se, nesta edição, a introduzir uma nova Rubrica – conceito teórico progressista, que eu me atrevo a designar por ” Marxismo 2.0 aplicado às empresas”.

Apenas tomei conhecimento deste acto corajoso desta revista indefesa, pelo facto do António Dias, um reconhecido e notório activista contra as empresas, ter chamado a atenção para o mesmo.
Num artigo pungente e doloroso, mas verdadeiro, onde o seu “Eu interior” surge exposto em toda a sua frontalidade lateral, confessa os seus horrendos crimes. Intitula-se o artigo, “Eu, agressor, me confesso”;e António, cheio de remorsos, mas revelando um despojamento interior notável para quem tantos crimes cometeu contra indefesas empresas, narra na primeira pessoa, os pormenores tétricos dos crimes.
AVISO À POPULAÇÃO!
Pessoas sensíveis não devem ler.
FIM DO AVISO À POPULAÇÃO!
Conta-nos como, munido apenas do seu Blog, desmascarou (ajudou a desmascarar) um flog da Vodafone e publicou grafittis; fez troça com laivos e requintes de crueldade da marca de cervejas Superbock, criticou de forma sibilina as praticas do Portal Aeiou.
Horripilante!
É um relato sempre na primeira pessoa, nervoso, frenético, vivo, em caves escuras, em cemitérios, sempre a olhar por cima do ombro, sempre com a maior impunidade perante os esforços impotentes da polícia empresarial para o apanhar.

Este tremendo e poderoso testemunho, inspirou a personagem de Jason Bourne;.

  • Descrevem-se todos os pormenores macabros de como é feita a opressão dos clientes às empresas;
  • de como estas quase não se conseguem defender do terrorismo do cliente;
  • e de como os Bloggers são a face oculta dessa estratégia de controlo totalitário do mundo por parte dos clientes contra as indefesas empresas.

A vida de um imperialista Blogger é feita de luta constante contra a empresa; a opressão dos clientes às empresas é horrenda, pelo simples facto de as criticarem em Blogs.

Mas a Libertação da Opressão e a Revolução estão em marcha. Um sentimento de solidariedade raro nos dias de hoje, emergiu. As empresas uniram-se para lutar querendo acabar com a exploração e a opressão que os clientes lhes fazem.

O grito de alerta, mas simultaneamente a Grândola Vila Morena do lançamento da revolta das empresas foi o seguinte texto, que vem publicado na Revista Meios& Publicidade:

As marcas estão agora mais expostas a ataques provenientes de blogues. Explicamos, num tema destacado na capa desta semana do M&P, que através de uma boa gestão, as marcas poderão tirar dividendos.”

Na realidade as marcas e as empresas tem que se defender dos seus clientes, esses opressores imperialistas sedentos de sangue – o Império do Mal. Nada mais indicado, camaradas empresários, do que lutarem contra as milícias terroristas dos Blogs que são meras marionetas e instrumentos de morte manuseados a seu bel prazer pelas mãos sujas de sangue dos clientes.

Por exemplo um dos piores polícias Bloggers que existe é precisamente este que mostramos e desmascaramos aqui em baixo:

 

MARKETING-DISSIDENTEX.

Este é sem dúvida o pior Blogger que existe e o mais opressor Blog de empresas da História dos Blogs. Detestável…

Mas Deus não dorme ( acaso exista, claro… graças a Deus) e uma força de intervenção activista liderada pela empresa Meios & Publicidade já está a preparar a contra resposta ideológica e a luta contra o fascismo dos clientes.

Observemos um exemplo:mmgreen-alterado-meios e publicidade