DISSIDENTE-X

Posts Tagged ‘FUNDAMENTALISMO ISLÂMICO

SUDÃO, DINAMARCA e os cartoons…

leave a comment »

No Sudão, continua a tentativa de capitalizar politicamente com o problema dos cartoons dinamarqueses um ano depois do assunto ter acontecido. A notícia é do Jornal de notícias de 24 de Fevereiro de 2008.

SUDÃO-CARTOONS

Expulsam-se organizações dinamarquesas do país. Entre as organizações que irão ser expulsas está a cruz vermelha dinamarquesa que actua na região do Darfur e o conselho dinamarquês para os refugiados.

A técnica usada é a seguinte. Cria-se um comité, chama-se “fórum do Sudão para a paz” e proibe-se os funcionários sudaneses de terem contactos com dinamarqueses expulsando a seguir as referidas organizações e apela-se ao boicote aos produtos dinamarqueses.

Existe contudo, uma “razão” para o boicote e para esta atitude. Há uns dias atrás tentaram matar um dos cartoonistas que fez uma das 12 caricaturas que suscitaram a polémica. A polícia dinamarquesa descobriu o atentado a tempo e frustrou a tentativa.

Em solidariedade para com o cartoonista que esteve com a vida em perigo, jornais dinamarqueses, republicaram os cartoons com especial ênfase para o cartoon que o cartoonista tinha originalmente desenhado.

SUDÃO2

Agora temos, de novo, a chantagem, a pressão, a intimidação e a tentativa de inverter a situação, jogando com a opinião pública, fazendo parecer de novo que existe uma suposta ameaça à dignidade do Islão e aos muçulmanos. Que respeitando um subvertido principio da proporcionalidade e em nome de “vingar a afronta” acham normal não protestar pelo facto de pessoas intitulando-se de fé muçulmana tentarem matar à bomba um cartoonista, mas já acham normal protestar pela republicação de um desenho.

Liberdade de expressão enviesada, diria…

Também parece ser normal ( é o que esta campanha de propaganda subvertida de proto fascismo nos pretende mostrar…) ver-se o que a imagem ao lado mostra: um rapaz na Jordânia, em manifestações de desagravo, com as palavras escritas na testa “Estejam com o profeta Maomé”. Presumo que quem não estiver, será considerado como estando a ameaçar a dignidade do Islão e como tal será considerado legítimo que se façam uns atentados contra quem não esteja com Maomé. O que equivale a fazer, segundo esta lógica, umas dezenas de milhares de atentados para trucidar os infiéis que não estão com Maomé…ou seja obliterar todos os que não são muçulmanos?

Pelo meio usa-se a questão do Darfur e dos refugiados do mesmo, com todo o cortejo de fome e mortos que está a gerar como arma política para combate sem tréguas contra o Ocidente ( simbolizado aqui pela Dinamarca), embora isso seja apenas um pretexto. Hoje é o Ocidente, amanhã outra coisa qualquer.
Como é óbvio, a direita política portuguesa provavelmente exultará com isto; a esquerda política portuguesa assobiará para o lado fazendo de conta que não se passa nada e lançará umas petições falando da libertação de Ingrid Bettencourt (problema existente na Colômbia), ou de outra coisa qualquer que esteja a jeito ( Timor é sempre um bom nicho de mercado para apelar à lágrima fácil… e ao desviar de atenções…) enquanto que na Dinamarca, as associações muçulmanas voltaram a criticar o atentado, mas também os jornais que republicaram os cartoons, dizendo que isso constitui uma ameaça à fé islâmica.
De facto não consta que ninguém na Dinamarca se tenha sentido ofendido com as declarações das associações muçulmanas e tenha decidido colocar umas bombas nas instalações das mesmas, embora o contrário – no que aos cartoonistas diz respeito, quase tenha acontecido.

Agora continuamos a tentar ser convencidos que uma coisa é igual à outra e tem o mesmo valor…
É assim que estamos perante mais uma tentativa de criação de regimes jurídicos de excepção e de multi culturalismo legal, a coberto de uma qualquer fé ou religião…ou o que seja…

Continue-se a fingir que esta “questão” não é séria e continue-se a não enfrentar esta questão…

Notas finais:

AQUI já se falou de algo semelhante mas acerca de futebol;

AQUI já se faliu de algo semelhante acerca do Rally Paris Dakar e do seu cancelamento;

AQUI já se falou da Arábia saudita com a sua proibição de venda de rosas no dia dos namorados, bem como de uma tentativa de pressão sobre as regras editoriais da Wikipédia.