DISSIDENTE-X

Posts Tagged ‘MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

100 % APROVADOS

leave a comment »

Sou um imbecil.

Para que é que eu andei a estudar se me bastava esperar alguns anos para isto ser tão fácil?

Fonte: Correio da manha, 22 Setembro de 2008

Advertisement

EDUCAÇÃO. SINDICATO DOS PROFESSORES DERROTA POR 15 A ZERO O GOVERNO.

leave a comment »

O queixo dos sindicatos atacou furiosamente o punho fechado do governo que vinha na sua direcção e derrotou-o. ” Portugal, 12 de Abril de 2008.

Dia 12 de Abril de 2008

A – Memorando de entendimento entre o Ministério da educação e a plataforma de Sindical de professores.

  • o dirigente sindical diz que derrotou o Governo sem apelo nem agravo.

Uma da exigências POR EXEMPLO era que se parasse o processo de avaliação dos professores nos moldes em que este era colocado.

Transcrevo do memorando de entendimento:

A avaliação dos professores far-se-á sem interrupções, nem suspensões, nem adiamentos, e para todos os docentes.”

VITÓRIA. GOLEADA. PARTIMOS OS QUEIXOS AO GOVERNO.VIVAM OS SINDICATOS. DESTRUIMOS A REACÇÃO. O GOVERNO NÃO PASSARÁ!

———————

B – No dia 11 de Abril de 2008, o Ministério da educação disponibilizou a proposta negocial do ministério aos sindicatos da plataforma de professores onde era proposta a goleada por 15 a 0 ao governo feita pelo próprio governo.

A proposta tem espantosas semelhanças (concerteza que é gémea) com a resolução final.

Foi o documento que serviu de base a declaração final.

Como os documentos são em tudo iguais, falho em ver qual é que foi a VITÓRIA da plataforma de sindicatos. Defeito meu concerteza.

Quem quiser ler ambos os documentos ( são pequenos ) descobre duas ervilhas quase iguais.

Existem 3 diferenças.

  • Alguns pontos estão com a ordem trocada.
  • Existe uma diferença de palavreado e converseta.

A alínea e) do ponto1, é diferente

A classificação professores avaliados na época de 2007/2008 APENAS

será baseada nos pontos obrigatórios mínimos, especificados na alínea b).

Estes pontos obrigatórios mínimos, têm uma redacção diferente do documento do ministério.

Embora queiram dizer a mesma coisa- praticamente.

VITÓRIA. GOLEAMOS POR 15 A 0. A REACÇÃO NÃO PASSARÁ. A CLASSE OPERÁRIA NÃO MAIS SERÁ OPRIMIDA PELO CAPITAL.

Só posso dizer o seguinte: os professores são mesmo estúpidos por continuarem a passar cartão e a aceitarem ser representados por sindicatos destes, cujo gansterismo de actuação é notório.

Suponho até, embora não frequente, que prostitutas serão mais difíceis de contratar do que estes sindicatos a negociarem com o Governo

VITÓRIA! GOLEADA DE 15 A 0. GANHÁMOS O CAMPEONATO. DERROTAMOS AS FORÇAS OPRESSORAS DO CAPITALISMO. A CLASSE OPERÁRIA ESTÁ CONNOSCO.

Written by dissidentex

13/04/2008 at 11:33

INDISCIPLINA, TELEMÓVEIS, ESCOLAS PORTUGUESAS, MINISTÉRIO DA (DES) EDUCAÇÃO, EDUQUÊS.

leave a comment »

Post do blog “educar” transcrito na totalidade. Esta , confesso, deixou-me de boca aberta…
O vídeo a que se refere a notícia pode ser visto AQUI

O Expresso não tem os meus pruridos e vai daí já colocou tudo na sua edição online: notícia e acesso directo ao vídeo em que uma professora é agressivamente confrontada por uma aluna, quando lhe tenta retirar o telemóvel (cujo uso nas aulas a maioria do Regulamentos Internos proíbe, salvo em casos excepcionais), enquanto outro aluno filma a ocorrência e os outros assistem divertidos ou inactivos:

Na Escola Secundária Carolina Michaelis
Professora brutalizada por tirar telemóvel na aula
Numa escola do Porto, uma aluna resistiu à professora que tentou retirar-lhe o telemóvel durante uma aula. (Veja vídeo no fim deste texto)

Aguardam-se agora os comentários doutorais de Fernando Madrinha e Henrique Monteiro sobre:

  • A substância dos actos (a culpa deve ter sido da professora, que tentou limitar a liberdade da aluna e mesmo o seu direito à propriedade).
  • A forma da notícia (nada sensacionalista e perfeitamente respeitadora de todos os princípios deontológicos em curso).

Porque eu concordo com a notícia dos factos e acho que devem ser amplamente conhecidos e não reduzidos a episódio singular que não é.

Mas outra coisa é a apetência por colocar o «vídeo no fim deste texto».

Espero igualmente a reacção indignada, nos dois planos, do ministro Augusto Santos Silva.

Quanto à ME, se for muito instada a pronunciar-se, deverá considerar o caso como «caricatural» e um mero «caso dramático individual».

  • Como é óbvio a menina do telemóvel do vídeo deveria ser expulsa durante o ano lectivo em que este caso ocorreu;
  • Como é óbvio os colegas todos deveriam levar com uma suspensão de uma semana;
  • Como é óbvio, o Ministério da educação, acaso não fosse gerido por sapos incompetentes, deveria proibir JÁ telemóveis dentro de salas de aula;
  • Como é óbvio a total falta de competência dos técnicos do Eduquês é que leva a isto.
  • Isto é inacreditável. Quando andei na escola e com muitas chatices e alunos do pior que existiam nas turmas nunca mas nunca em tempo algum existiu algo de semelhante a isto que eu tivesse visto…

A culpa deste ambiente é totalmente do ministério da educação, e das pseudo pedagogias de esquerda que trata os meninos como se fossem flores de estufa.Isto é inaceitável sob qualquer tipo de parâmetros.

Quanto à aluna após a expulsão que deveria merecer no ano lectivo em que isto ocorreu, deveria passar a fazer, no mínimo, psicanálise.

 

Written by dissidentex

20/03/2008 at 17:19

EDUCAÇÃO EM PORTUGAL. Como se faz uma coisa e o seu contrário…

leave a comment »

Em Portugal estamos numa marcha para o infinito e mais além. Mas vejamos todos os lados da questão…

Coloquemo-nos num lado da questão. De um lado da questão, verificamos que:

  1. estamos num país que tem uma economia incapaz de criar mais emprego sustentável, do que emprego que se perde;
  2. porque na grande globalização mundial foi destinado ao nosso país esse papel de actor secundário;
  3. paralelamente… é sistematicamente incentivado a que as pessoas estudem;
  4. terminem o ensino secundário … para não termos as maiores taxas de abandono escolar;
  5. e posteriormente se licenciem; seja lá no que for que se licenciem.

É uma forma de enganar as pessoas prometendo-lhes uma miragem – terás melhores hipóteses de arranjar emprego se te licenciares.

Num outro lado da questão,existe um:

  1. sistemático, consistente, regular discurso anti licenciados;
  2. os licenciados são apresentados como sendo os únicos culpados de não arranjar emprego;
  3. os licenciados é que tem que resolver os seus problemas de emprego derivados de “quererem ser doutores”;
  4. a culpa de não arranjarem emprego é sempre exclusivamente deles;
  5. o governo não tem obrigação de arranjar empregos para licenciados;
  6. o governo apenas existe para governar, não para resolver problemas; coisas diferentes…
  7. os licenciados são sistematicamente discriminados nas ofertas de emprego, precisamente porque são …… licenciados.

Isso implica, teoricamente e a priori que terá que lhes pagar mais ordenado.
Ora tal não pode ser.
Esta dualidade da mensagem é criminosa.
Mais a mais numa sociedade completamente decadente, moralmente falida e sem qualquer ideia cívica minimamente estruturada, consistente e lógica.
Logo temos que:
—- de um lado incentiva-se as pessoas a estudarem porque isso lhes garantirá emprego na área em que estudaram – mentira.
—- do outro pratica-se uma política de estigmatização dos licenciados, quase que fazendo deles criminosos porque, coitados, limitam-se a existir (mas quem os manda existir;não podem morrer e desamparar a loja?)
Existem e não arranjam empregos nas áreas para as quais andaram a ser incentivados pelo País e pela sociedade – a vida toda – para se tornarem: licenciados.

Qual é a credibilidade de um país que tem responsáveis políticos (não só os deste governo, note-se…) a incentivar as pessoas a estudar e depois esse mesmo país quase que criminaliza quem estudou e se licenciou?

ESCOLA1

Resta tirar-se algumas conclusões acerca de como “quase todos nós” andamos a ser enganados.

Esta política é idêntica a querer ter o bolo na mão e comê-lo ao mesmo tempo.

Seguindo esta mesma lógica, qual é verdadeiramente o interesse em fazer alunos chegar ao 12º ano se depois, apenas lhes restam duas saídas:.

  1. Ser licenciados e esperar 3 ou 4 anos até serem promovidos a desempregados na área de estudos que escolheram; ou alternativamente, a viverem no magnifico mundo dos recibos verdes ou dos contratos a prazo…
  2. Ou são já desempregados mal terminam o 12º ano e apenas conseguem ser agraciados com empregos sub remunerados ao nível do passar fome e ter que depender dos pais – da família.

Lança-se duas hipóteses de trabalho trabalho analítico para cima da mesa.
Isto é uma questão de estilo, estética e Fashion.
Um desempregado com o 12º ano deve parecer melhor nas estatísticas de desemprego, do que um desempregado com o 9º ano de escolaridade. Ou um licenciado.
Mas aqui surge a surpresa.
Um terceiro lado da questão. (A surpresa pela qual ninguém esperava…)

Chego ali ao vizinho do lado e deparo-me com isto:

AVALIAÇÃO2008

 

Este simples, fácil de entender, BARATO e que se executa em meia hora; esquema de avaliação dispensa palavras.

Carregar na imagem…

Written by dissidentex

23/02/2008 at 11:43