DISSIDENTE-X

Posts Tagged ‘zona euro

CHIPRE, OS DEPÓSITOS BANCÁRIOS E OS PSICOPATAS EUROPEUS E PORTUGUESES QUE INFELIZMENTE NÃO SÃO RECONHECIDOS COMO TAL PELA POPULAÇÃO

Ø

ZERO EDGE - CYPRUS

Ø

CHIPRE - O PROXIMO ERRO

Trata-se de uma mudança radical que potencialmente destrói uma garantia de depósito perfeitamente razoável e a própria moeda única. Um dia, os historiadores explorarão os motivos políticos obscuros por trás desta medida. […] – No caso improvável de tudo correr bem, o governo receberá bastante dinheiro, mas não o suficiente para cobrir o empréstimo generosamente oferecido pelos seus parceiros europeus, e o sistema bancário cipriota passará à história. – A alternativa é uma massiva crise bancária em muitos países da Zona Euro – um enorme golpe, talvez fatal, para o euro. […] – A dívida pública bruta do Chipre aumentará do seu nível atual, de cerca de 90% do PIB, para cerca de 140%, um nível insustentável e que acabará por exigir uma reestruturação profunda. […] Isto faz lembrar o “corralito” argentino de 2001, que levou a uma discrepância entre os comportamentos previstos e os reais, causando imenso sofrimento e uma raiva tal que dois governos caíram. Esperemos que o “corralito” cipriota não dure demasiado tempo. […] – Teremos um pânico bancário de grandes dimensões assim que o “corralito” for levantado. Visto que os ativos bancários ascendem a cerca de 900% do PIB, não há qualquer esperança de resgate pelo governo cipriota. – Qualquer novo empréstimo europeu traduzir-se-á imediatamente numa crise de dívida pública […] – Será individualmente racional levantar os depósitos dos bancos locais, para evitar a possibilidade remota de uma taxa que os confisque. – Quando os depositantes perceberem o que os outros fazem e começarem a levantar fundos, ocorrerá um pânico bancário. – O sistema bancário entrará em colapso, exigindo um programa ao estilo do Chipre, que taxará o que quer que reste dos depósitos, justificando assim os levantamentos.)

Ø

Notícia da comunicação social, sobre psicopatas europeus que autorizam roubos de dinheiro,dia  18 de Março de 2013

Ø

CHIPRE E PORTUGAL

Em Portugal “não há risco” de serem aplicadas taxas aos depósitos bancários, porque o país “não sofre dos mesmos problemas do sector financeiro cipriota”, assegurou fonte do Banco Central Europeu, pedindo anonimato.

O membro da Comissão Executiva do BCE, Jörg Asmussen já tinha deixado claro que os depositantes portugueses, tal como “os depositantes de qualquer país sobre programa não correm risco. Porque, num país sob programa as necessidades de financiamento estão completamente cobertas sobre o programa”.

Fonte Banco Central Europeu garantiu ao Dinheiro Vivo que em Portugal não podem ser aplicadas taxas aos depósitos bancários porque o país “não sofre dos mesmos problemas do sector financeiro cipriota”, não sendo possível fazer “comparações diretas”.

Durante o último mês, a União Europeia intensificou as suas “preocupações” com a possibilidade do sistema financeiro cipriota estar a ser utilizado para a lavagem de dinheiro. Em fevereiro, os ministros das Finanças da zona euro encomendaram às autoridades de Chipre a realização de uma “avaliação conduzida por uma empresa privada” para afastar tais dúvidas, de modo a poderem adotar uma decisão, em março.

A agenda da União Europeia já previa, desde aquela altura, a possibilidade da aplicação de cortes aos depósitos bancários e este era um tema discutido por responsáveis do Eurogrupo. Mas, no Chipre pensava-se que seria uma forma de “pressionar as autoridades” a avançarem com um programa de privatizações e com mexidas no imposto que é aplicado às empresas, apurou o Dinheiro Vivo.

Ø

Notícia da comunicação social, dia 18 de março de 2013

Ø

Fonte da primeira imagem:  Zero Hedge

#Cyprus Depositors Vent Fury Through Social Media

Nome da notícia neste link do zero hedge

Este é o grande problema: ventilar-se ” fúria” através dos media sociais…

Written by dissidentex

18/03/2013 at 18:58

OS ÊXITOS DO PSD ENQUANTO GOVERNO: PORTUGAL TEM O OITAVO PIOR RATING DO MUNDO (O CDS e o PSD tem que ir embora)

Ø

VITOR GASPAR - CONTAS EM ANANASES

Ø

Apesar das agências de rating serem entidades com credibilidade zero, eram apontadas – antes das eleições legislativas de 5 de Junho de 2011 – como sendo altamente credíveis, e seriam estas entidades que iriam  credibilizar o país assim que verificassem que o senhor Passos Coelho fosse primeiro ministro.

PORTUGAL - O OITAVO PIOR RATING DO MUNDO

O estudo “Sovereign Data Comparator” mostra que a República portuguesa é, nesse grupo de países, a que tem piores perspetivas económicas para os dois próximos anos: a Fitch prevê uma recessão de 3,2% este ano, seguida de nova contração de 1,5% no próximo e uma retoma insípida de 0,8% em 2014.

No grupo de Portugal,  surgem ainda Uruguai, Filipinas, Macedónia, Hungria, Guatemala e Costa Rica, mas todos vão crescer mais do que a economia nacional.

Portugal foi atirado para o lixo em novembro de 2011 pela Fitch (as outras agências S&P e Moody’s fizeram o mesmo). A avaliação foi reiterada em novembro deste ano, com a empresa a dizer que a nota do país “reflete o progresso feito no âmbito do programa do Fundo Monetário Internacional e da União Europeia até à data”, mas manteve a perspetiva negativa, ameaçando o país de novo corte na classificação.

Razão: os riscos políticos, de implementação e macroeconómicos” associados à aplicação do programa de ajustamento.

Ainda de acordo com a Fitch, o país pior classificado do mundo é a Argentina (com rating CC), logo a seguir vem a Grécia (com CCC).

Angola, que se está a tornar num dos maiores parceiros comerciais e de investimento de Portugal, tem um rating BB-, apenas um nível abaixo.

No mundo há apenas 15 países com rating máximo (AAA), seis deles da zona euro: Áustria, Finlândia, França, Alemanha, Luxemburgo e Holanda.

Para já Portugal não está a contrair empréstimos (emissões de obrigações) aos mercados de dívida de longo prazo, pelo que o rating não é uma questão sensível. No entanto, em 2013, o processo de regresso aos mercados tornará estas polémicas avaliações e opiniões das agências de rating numa questão relevante já que contribuem para agravar o custo das colocações de dívida.

Ø

Notícia da comunicação social, dia 10 de Dezembro de 2012

Ø

” Lisboa, 24 mar (Lusa) — O dirigente do gabinete de estudos do PSD Carlos Moedas defendeu hoje em declarações à agência Lusa que, com as reformas que um futuro Governo social-democrata vai aplicar, as agências ainda vão subir o ‘rating’ de Portugal.

Segundo Carlos Moedas, que é um dos principais conselheiros do presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, os mercados “olham para uma nova equipa de gestão como uma boa notícia”, porque “há muito tempo não dão credibilidade ao Governo português”.

No seu entender, “assim que os mercados incorporem a informação de que o PSD vai respeitar as metas do défice, e fará tudo o que for necessário para que se cumpram essas metas até porque foi o PSD que sempre anda atrás do Governo para cortar, essas agências voltarão a dar credibilidade a Portugal”.”

Carlos Moedas, conselheiro económico de Pedro Passos Coelho, 24 de Março de 2011

PORTUGAL: NÓS NÃO SOMOS A GRÉCIA, NÓS CHEIRAMOS A PERFUME…

Ø

Grécia: economia afunda, entra em deflação e desemprego sobe

A economia grega terá uma recessão mais acentuada do que o previsto este ano, será a única da zona euro a entrar em deflação e o desemprego continuará a aumentar, segundo as previsões da Comissão Europeia.

As previsões de primavera divulgadas hoje em Bruxelas antecipam também que o PIB recuará 4,7 por cento este ano – mais do que os 4,3 por cento previstos no último boletim intercalar – mas, ainda assim, abaixo do recuo de 6,9 por cento do ano passado.

As contas públicas continuarão complicadas, com o défice a atingir 7,3 por cento do PIB (foi de 9,1 por cento no ano passado), voltando a aumentar para 8,4 em 2013.

A dívida pública deverá cair este ano, dos 165,3 por cento do PIB de 2011 para 160,6 por cento, mas voltará a subir para 168 por cento em 2013.

A Comissão prevê uma situação de deflação com o índice que mede a evolução dos preços a recuar 0,5 por cento este ano e 0,3 por cento em 2013.

Em termos de evolução da conta corrente, Bruxelas prevê que saldo da balança de transações correntes passe a ser de -7,8 por cento do PIB em 2012, melhor do que os -11,3 por cento do ano passado.

Ø

Notícia da comunicação social, divulgando dados do desastre da economia grega, após ter sido ajudada com um plano de austeridade e um empréstimo da troika , dia11 de maio de 2012.

Ø

Ø

Economia portuguesa contrai 3,3% e desemprego dispara para 15,5%

A Comissão Europeia prevê que a economia portuguesa vai contrair este ano 3,3%, um valor mais pessimista do que o crescimento negativo de 3% esperado pelo governo.

Ø

Notícia da comunicação social, sobre a magnifica recuperação económica portuguesa que se aproxima da grega, a passos largos,após ter sido ajudada com um plano de austeridade e um empréstimo da troika dia 11 de maio de 2012

Agora até resultados falsificados (a descida real é muito maior) e além disso fortemente negativos são comemorados como sendo vitórias…

Mas isto é o PSD:  a mediocridade e a incompetência só são superadas pela estupidez e pela maldade.