DISSIDENTE-X

Archive for Julho 2009

DADOS DE SAÚDE NO GOOGLE

Fonte da imagem: The times, 27 Julho de 2009.

A informação sobre os dados de saúde de cada cidadão deve ser segura.

A informação sobre os dados de saúde de cada cidadão não deve ser vendida comercialmente.

A informação sobre os dados de saúde de cada cidadão não deve ser “investigada e recolhida” por entidades privadas.

A informação sobre os dados de saúde de cada cidadão não deve ser usada para publicidade especificamente desenhada para atingir um determinado cidadão ou grupos de cidadãos.

Ø

Em Inglaterra, responsáveis do partido Conservador estão a planear transferir os dados dos cidadãos britânicos em matéria de registos de saúde para o Google e as suas bases de dados.

THE TIMES - GOOGLE E OS DADOS DE SAUDE

O Google é considerado a empresa mais hostil no mundo a conceitos de privacidade.

A SOMÁLIA E A PRICEWATERHOUSECOOPERS

Fonte: BBC news.

SOMALIA E A PRICE WATERHOUSE COOPERS

  • As privatizações de países começam assim.

A DESPESA PÚBLICA EM PORTUGAL DURANTE 24 ANOS.

JORNAL PÚBLICO - 28 DE JULHO DE 2009 - DESPESA PÚBLICA

Jornal PÚBLICO, DIA 28 de Julho de 2009, suplemento economia.

O estudo original foi publicado pelo jornal I, na sua edição em papel.

Se existiam dúvidas acerca de quem pratica políticas supostamente de esquerda, elas desaparecem aqui.

Se existem dúvidas acerca de quem contribui para os aumentos da despesa pública elas desaparecem daqui.

Se existem dúvidas acerca de quem aparenta ser de esquerda, mas pratica políticas atribuídas a direita, e vice versa as dúvidas desaparecem aqui.

Resultados com ambas as formas de fazer políticas?

Aquilo que se vê.

Written by dissidentex

28/07/2009 at 8:55

FMI PREVÊ CRISE DE CARTÕES DE CRÉDITO NA EUROPA(INGLATERRA)

Fonte: Jornal Público de 27 de Julho de 2009 – notícia completa.

Ø

A subida do desemprego estará na origem de uma nova crise. A crise dos cartões de crédito, que provocou perdas de milhares de milhões de dólares nos Estados Unidos, está a estender-se à Europa. E o FMI prevê o aumento do crédito malparado dos consumidores.

Segundo um relatório do Fundo Monetário Internacional hoje citado pelo Financial Times, cerca de 14 por cento dos 1,9 mil milhões de dólares (1,3 mi milhões de euros) de dívidas dos consumidores norte-americanos não poderá ser recuperado pelos bancos credores.

Para a Europa, o FMI estima que os bancos não poderão também recuperar 7 por cento dos 2,4 mil milhões de dólares (1,6 mil milhões de euros) de dívidas dos consumidores, parte importante das quais corresponde ao Reino Unido, o país europeu com maior número de titulares de cartões de crédito.

A organização britânica National Debitline afirma ter recebido em Maio 41 mil chamadas de pessoas preocupadas com a impossibilidade de pagarem o que devem, ou seja, o dobro das 20 mil recebidas no mesmo mês do ano passado.

Nos Estados Unidos, o crédito malparado dos cartões de plástico aumentou drasticamente nos últimos meses devido ao desemprego e à mais severa desaceleração económica desde a Grande Depressão.

Alguns bancos, como o Citigroup, Banco da América, JPMorgan Chase e Wells Fargo, além do American Express, sofreram até agora perdas de milhares de milhões nas suas carteiras de cartões de crédito e sabem que irão aumentar.

No Reino Unido, os analistas esperam que o crédito malparado acompanhe a taxa de desemprego e o aumento das falências dos particulares, que totalizaram 29.774 no primeiro trimestre do ano.

O Barclays, que tem 11,7 milhões de clientes no serviço Barclaycard, anunciou em Maio que o crédito malparado aumentou no primeiro trimestre do ano, um fenómeno que também afectou o Lloyds Banking Group, reflectindo as condições económicas adversas e o aumento do desemprego

  • Sobre a armadilha dos cartões de crédito o assunto já tinha sido falado aqui em 06-11-2008.
  • Sobre o Finantial times, link aqui
  • Sobre geografia o novo mapa da Europa feito pelo público diz que a Europa é a Inglaterra.

E a guerra económica da elite financeira anglo americana continua, desta vez via imprensa, querendo convencer as pessoas que a “Europa” está com um problema de crédito superior ao dos EUA e da Inglaterra.

Written by dissidentex

27/07/2009 at 13:07

GOLDMAN SACHS E A ADMINISTRAÇÃO OBAMA

Fonte: New York Times, 18 Julho de 2009

As “diferenças” da administração Obama.

GOLDMAN SACHS - EXECUTIVO NOMEADO POR OBAMA

O poder está na Goldman Sachs, e vários membros ou ex-membros dela estão na administração Obama.*

Cite-se:Robert Reich:

But in another respect, Goldman’s resurgence should send shivers down the backs of every hardworking American who has lost a large chunk of retirement savings in this economic debacle, as well as the millions who have lost their jobs. Why? Because Goldman’s high-risk business model hasn’t changed one bit from what it was before the implosion of Wall Street. Goldman is still wagering its capital and fueling giant bets with lots of borrowed money. While its rivals have pared back risks, Goldman has increased them. And its renewed success at this old game will only encourage other big banks to go back into it.

  • A Goldman Sachs continua a investir com dinheiro emprestado, continuando a fazer o mesmo modelo de negócio que deu em 2008, os resultados que deu.

Meanwhile, Goldman is still depending on $28 billion in outstanding debt issued cheaply with the backing of the Federal Deposit Insurance Corporation. Which means you and I are still indirectly funding Goldman’s high-risk operations.

  • Continuando, no entanto com 28 Biliões de dólares de dividas, que são apoiadas pelo fundo de garantia bancária norte americana – os contribuintes americanos financiam as operações de alto risco financeiro da Goldman.

Goldman is skillful at playing the market. Now that most of its major competitors are out of the action or still under the strict control of the Treasury and the Fed, it has the market mostly to itself.

  • O mercado todo pertence, neste momento à Goldman.

So the fact that Goldman has reverted to its old ways in the market suggests it has every reason to believe it can revert to its old ways in politics, should its market strategies backfire once again — leaving the rest of us once again to pick up the pieces.

  • Se a Goldman continua a agir da mesma maneira nos mercados económicos, há todas as razões*para pensar que politicamente continua a agir da mesma maneira.

Com a administração Obama as coisas são diferentes.

Com a “esquerda americana” as coisas são diferentes.

DEUTSCHE BANK ESPIA OS SEUS PRÓPRIOS FUNCIONÁRIOS E ACCIONISTAS

Fonte: Globo

Londres, 21 jul (EFE).- O Deutsche Bank está sendo investigado por ter contratado detetives para espionarem membros de seu próprio conselho de supervisão, informa hoje o jornal “Financial Times”.

A agência de proteção de dados do Estado alemão de Hesse, onde o banco tem sua sede, pediu à Promotoria que determine a possibilidade de conduzir uma investigação criminal dois meses depois de a própria empresa ter declarado que pediria a advogados externos para que averiguassem tais atividades.

O Deutsche Bank rescindiu os contratos de dois funcionários, um deles o responsável das relações com os investidores, enquanto continua sua própria investigação sobre as supostas operações não autorizadas de vigilância tanto de membros de seu conselho de supervisão, quanto de investidores.

O caso do banco alemão não é único no país. Houve também episódios similares em outras grandes empresas como Deutsche Telekom, do setor de telefonia, e Deutsche Bahn, do ramo ferroviário.

Written by dissidentex

21/07/2009 at 9:10

BANCO MUNDIAL AVISA ACERCA DE DEFLAÇÃO

The telegraph, 15 de Julho de 2009.

Justin Lin, the bank’s chief economist, said factories running idle around world threaten to trap economies in a vicious cycle, risking further spasms of financial stress, requiring yet more rescue packages.

“Significant excess capacity has been built up and unless this issue is addressed, we will face a deflationary spiral and the crisis will become protracted,” he told an audience in Cape Town.

  • Excesso de capacidade industrial

The traditional cure for countries caught in slumps is to claw their way back to health through devaluation, but this cannot be done today because the crisis is global. “No country can count on currency depreciation and exports as a way out of recession. Unless we deal with excess capacity, it will wreak havoc on all countries. There is urgent need for global, co-ordinated fiscal stimulus,” he said.

Investments should be focused on infrastructure in poor countries that are bearing the brunt of the crisis. The downturn is already likely to trap over 50m more people in extreme poverty this year.

  • Mais dinheiro injectado na economia.

Written by dissidentex

17/07/2009 at 8:22